Subscribe Twitter Facebook

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Jogadores: Gianfranco Zola

Zola conquistou a torcida inglesa com suas arrancadas, belos gols e dribles desconcertantes

Little Giant ou Magic Box. Os apelidos, em inglês, ilustram bem a carreira de Gianfranco Zola: jogador italiano que se tornou ídolo fora. Não que sua passagem por clubes italianos tenha que ser esquecida. Muito pelo contrário. Mas é fato que foi na Inglaterra que o trequartista de apenas 1,66m ganhou o devido respeito e conquistou grande parte dos seus fãs.

Talvez com um pouco mais de sorte na Squadra Azzurra teria se tornado o Piccolo gigante ou Scatola magica. No entanto, as poucas (e ruins) participações do sardenho na seleção italiana deixaram os torcedores com um pé atrás. Na Copa do Mundo de 1994, quando entrou no lugar de Giuseppe Signori durante a eletrizante partida contra a Nigéria, Zola foi expulso antes mesmo de completar dez minutos em campo. No restante da Copa, não ganhou mais nenhuma chance do técnico Arrigo Sacchi. Já na Euro, dois anos depois, ficou marcado pela pífia campanha da Itália, eliminada ainda na primeira fase. Foi sua primeira e última competição como titular da seleção, já que ficou de fora da lista de convocados para a Copa de 1998 e, exatamente por isso, decidiu abandonar a Azzurra.

Nos clubes, porém, a situação foi bem diferente. Zola começou sua carreira no Nuorese, disputando a quarta divisão italiana. Seu bom rendimento rendeu uma transferência para o Sassari Torres, onde conquistou o título da Serie C2, na temporada 1986-87. Dois anos depois, ganharia a chance da sua vida: pego de surpresa, recebeu uma proposta do Napoli, onde trabalharia durante quatro anos e aprenderia, segundo ele mesmo, “tudo que sabe sobre futebol”.

A afirmação tão contundente deve-se, principalmente, à presença de Maradona no elenco. Substituto imediato do argentino, Zola tornou-se campeão italiano daquele ano. O convívio com o ídolo durou mais uma temporada, antes de Maradona ser suspenso por uso de cocaína, em 1991, e deixar a camisa dez para o italiano, declarando-o como digno herdeiro. Fazendo dupla de ataque com Careca, marcou mais 32 gols, conquistou uma Supercopa Italiana e emplacou sua primeira convocação para a seleção nacional.

Em 1994, transferiu-se para o Parma, onde fez duas grandes temporadas e se destacou como um dos melhores jogadores do campeonato. Vestindo gialloblù,t
chegou a final da Recopa Europeia, tornou-se vice-campeão italiano, venceu uma Copa da UEFA e uma Supercopa da UEFA. Porém, em 1996, com a chegada de Hernan Crespo e Carlo Ancelotti, Zola perdeu espaço no time. Primeiro, por causa das boas atuações e o entrosamento de Crespo com Stoichkov. Depois, por causa do inflexível esquema tático de Ancelotti, que obrigou o trequartista a abandonar seu futebol leve e criativo para atuar em outra posição.

Com atuações mais apagadas, Zola foi vendido para o Chelsea, em novembro de 1996. Já em seus primeiros meses na terra da rainha, conquistou os torcedores com dribles rápidos e belos gols. Ao final do ano de 1997, com o troféu da FA Cup em mãos, foi eleito o melhor jogador da Inglaterra. Os bons resultados continuaram e Zola ainda faturou a Supercopa da UEFA (1998), a Copa da Liga Inglesa (1997-98), a Recopa Europeia (1997-98) e mais uma Copa da Inglaterra, na temporada 1999-2000. Temporada essa muito importante para o clube londrino e para Zola, que foi um dos principais responsáveis pela boa campanha dos blues na sua estréia em Ligas dos Campeões.

Já consagrado e com o “título” de melhor jogador da história do Chelsea, o italiano da Sardenha fez duas temporadas abaixo das expectativas e só voltou a brilhar em 2002-03, quando marcou 16 gols, recolocou o time da capital na Liga dos Campeões e foi eleito o melhor jogador do ano pelos fãs. Foi o cenário ideal para Zola deixar o time e sair por cima, antes que a idade já avançada comprometesse suas atuações. Com status de ídolo e grande caráter, foi presenteado com o título de Membro Honorário do Império Britânico, pela Rainha Elizabeth II, no ano de 2004.

Então, voltou para a Itália para atuar em mais um time da sua região: o Cagliari. O plano era recolocar o time da Sardenha na elite do futebol italiano. Missão cumprida. Com 13 gols, ajudou os rossoblù a subirem de divisão e voltou a ser pretendido pelo Chelsea, agora de Roman Abramovich. No entanto, a resposta foi negativa e uma temporada depois, uma semana antes de completar 39 anos, decidiu que era hora de se aposentar.

Gianfranco Zola, contudo, ainda não se afastou dos campos. Em 2006, começou sua carreira no banco de reservas, sendo indicado como auxiliar técnico da Seleção Sub-21. Junto com Casiraghi, levou os azzurrini às quartas-de-final da Olimpíada de Pequim, em 2008. Ao final do mesmo ano, recebeu uma proposta do West Ham para substituir Alan Curbishley e aceitou a proposta, levando os hammers para a nona colocação. Em abril, prorrogou seu contrato até 2013.

Gianfranco Zola
Nascimento: 2 de julho de 1966, em Oliena
Posição: trequartista
Clubes: Nuorese (1984-86), Sassari Torres (1986-89), Napoli (1989-93), Parma (1993-96), Chelsea (1996-2003) e Cagliari (2003-05)
Seleção italiana: 35 jogos, 10 gols
Títulos: 1 Campeonato Italiano (1989-90), 1 Supercopa Italiana (1990), 1 Copa da UEFA (1994-95), 2 Supercopas da UEFA (1993 e 1998), 2 Copas da Inglaterra (1996-97 e 1999-00), 1 Copa da Liga Inglesa (1997-98) e 1 Recopa Europeia (1997-98)

Seja o primeiro a comentar