Subscribe Twitter Facebook

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

20ª rodada: Dança a dois

Milan de Ibrahimovic está ok: atropelou o Cagliari e é o concorrente da Juventus ao título italiano (Getty Images)
Quem imaginava que a série de vitórias da Inter poderia colocar os nerazzurri na briga pelo título, ao lado de Juventus e Milan, começou a pensar diferente após a primeira rodada do returno da Serie A. Depois da prova de força da Juventus sobre a Udinese, terceira colocada, a Inter tropeçou fora de casa contra o Lecce e deu fim à sequência positiva, ficando oito pontos atrás do Milan e nove atrás da Juve, que continua invicta. Quem agradece é a Lazio, que venceu bem o Chievo fora de casa e ultrapassou a Inter, assumindo a quarta colocação, dois pontos a menos que a Udinese. Destaque também para a recuperação do Palermo, para a boa vitória do Genoa contra o Napoli e para o reencontro da Atalanta com as vitórias.

Milan 3-0 Cagliari
Sem cerimônias, o Milan atropelou o Cagliari na partida que fechou a 20ª rodada, em San Siro. A vitória seguiu a mesma fórmula de sempre: Ibrahimovic decisivo e a importantíssima participação dos meio-campistas na definição das jogadas. No primeiro tempo, Ibra marcou um golaço de falta para chegar aos 15, atingindo sua melhor marca em meia temporada, e se isolar na artilharia da competição. O sueco ainda ajeitou de peito para Nocerino acertar belo chute de fora da área e marcar seu sétimo gol na Serie A, confirmando a sua melhor fase na carreira. Belo negócio milanista dos últimos minutos da última janela de verão, Nocerino merece ser levado mais em conta por Prandelli na seleção italiana. O Cagliari, apesar da tentativa de marcação forte sobre o Milan e da luta dos atacantes Ibarbo e Pinilla (recém-contratado ao Palermo), nada pode fazer na segunda etapa e ainda sofreu o terceiro, em mais uma chegada de meio-campistas: desta vez, foi Ambrosini quem apareceu oara marcar, com chute de trivela. Resposta imediata à Juventus, que segue um ponto à frente.

Lecce 1-0 Inter
No outro lado de Milão, a derrota para o Lecce trouxe tensão ao ambiente. Sneijder, que tem estado nervoso durante os jogos, chegou a discutir com Pazzini no fim do primeiro tempo e acabou substituído pelo técnico Claudio Ranieri, que depois declarou que o holandês precisa se adaptar ao time. Em campo, a Inter dominou completamente as ações, mas atacou de cabeça baixa o tempo inteiro, insistindo muito em cruzamentos e esbarrando em grande partida da defesa do Lecce - sobretudo de Migliónico, que estreava após apenas um dia no clube. Quando conseguiu furar a defensiva, Benassi apareceu muito bem e fez pelo menos três defesas fundamentais. A Inter ainda teve dois gols bem anulados no segundo tempo, quando já perdia por 1 a 0, graças a um gol de Giacomazzi surgido depois de um contra-ataque seguido de desatenção da zaga nerazzurra. Lutador, o Lecce respira um pouco na briga pela salvezza e, com a contratação de Bojinov, pode vislumbrar um ataque forte, com o búlgaro ao lado de Di Michele e da revelação Muriel. Já a Inter volta a se concentrar priamriamente na busca pela vaga na Liga dos Campeões, agora com Guarín e Palombo.

Chievo 0-3 Lazio
Quem sorriu com o resultado interista foi a Lazio, que fez bom jogo em Verona e venceu o Chievo por uma goleada um tanto enganadora, em jogo entre duas equipes eliminadas na Coppa Italia durante a semana passada. Apesar do placar elástico, a Lazio segurou o 1 a 0, realizado por Hernanes, durante quase todo o jogo, até que Klose decidisse a partida no final, com dois gols. O campo, muito castigado pelo mau tempo da região no inverno, foi um elemento que dificultou a realização da partida, principalmente para a Lazio. Neste cenário, os meias do Chievo até fizeram boa partida de contenção e Sardo representou um perigo pelo lado direito, mas a defesa laziale também esteve atenta, com destaque para André Dias. Curiosidade: nesta temporada, quando Hernanes marcou, a Lazio não perdeu. Com mais uma vitória, a equipe de Roma ultrapassou a Inter e assumiu a quarta posição, com dois pontos a menos que a Udinese.

Roma 1-1 Bologna
Enquanto a Lazio venceu bem longe do Olímpico, a Roma tropeçou em casa. Eliminada da Coppa Italia, como sua rival, a equipe de Luis Enrique até jogou bem, mas não fez o suficiente para furar a defesa a três composta por Stefano Pioli. O jogo foi cheio de emoções, especialmente no segundo tempo, e os goleiros Stekelenburg e Gillet foram muito exigidos. O goleiro belga do Bologna, inclusive, participou do gol da sua equipe, quando deu um chutão para o alto que acabou servindo de assistência para Di Vaio, que contou com um erro de cálculo de Juan para ficar com a bola e chutar cruzado. Logo em seguida, Pjanic acertou bela cobrança de falta e deixou tudo igual. O bósnio acabou se machucando no fim do jogo e deve ser baixa para a partida contra o Cagliari. No restante do segundo tempo, o ritmo foi alto, mas o jogo não foi brilhante. Empate justo e melhor para o Bologna, que somou um ponto importante. Para a Roma, considerando-se as derrotas de Udinese, Inter e Napoli, ocasião perdida.

Fiorentina 2-1 Siena
No dérbi toscano, a fase melhor era do Siena, mas foi a Fiorentina que jogou melhor e venceu com certa folga, chegando aos três pontos pela primeira vez em quase dois meses. O gol de Jovetic, no início, facilitou a vida da equipe viola, que teve mais tranquilidade para fazer seu jogo. Amauri, em sua estreia em Florença e em seu retorno ao futebol após oito meses, fez uma boa partida, colocando em dificuldade a defesa do Siena e interagindo bem com Jovetic. Pouco combativo, o Siena viu o zagueiro Natali marcar o segundo em meados da segunda etapa e não conseguiu reagir. O gol de Calaiò, após pênalti bobo cometido pelo jovem Nastasic, veio apenas no final e nem água no chope viola colocou. Para um time em crise de identidade, como a Fiorentina, e que vem tentado se reinventar a cada dia com contratações discutíveis (Olivera, do Lecce, foi a última delas), voltar a vencer e dar um pouco de paz à sua torcida é mais do que suficiente.

Genoa 3-2 Napoli
Que o Genoa contrata a atacado e que a falta de planejamento é característica da administração de Enrico Preziosi não é novidade. Que de dez contratações feitas por janela, duas ou três vingam, também. Nesta janela, a bola da vez no lado dos acertos parece ser Gilardino. Em seu segundo jogo com a camisa rossoblù, marcou seu primeiro gol e deu uma assistência para Palacio abrir o placar com um golaço de fora da área, que encobriu De Sanctis - o argentino ainda faria outro e chegaria aos 11. Outros dois reforços também foram bem: o ruivo Biondini trabalhou muito no meio-campo, ao lado de um incansável Kucka, e Sculli, em seu retorno ao Marassi depois de um ano na Lazio, participaram bem do jogo. No Napoli, Mazzarri fez um pequeno rodízio e colocou Maggio e Cavani no banco. Erro crasso: no finalzinho, o lateral cruzou para o Matador diminuir e, logo em seguida, Lavezzi fez o segundo, aproveitando-se da frágil defesa genovesa. Tivessem jogado desde o primeiro tempo, talvez o Napoli tivesse conseguido melhor resultado e encostasse na parte de cima da tabela.

Palermo 2-0 Novara
O Palermo é todo Miccoli. E um pouco Budan. Nas últimas duas rodadas, a dupla pintou e bordou, garantindo seis gols e seis pontos para a equipe rosanero. A vitória contra o lanterna Novara teve dois gols de cabeça do atacante croata, servido sempre pelo capitão Miccoli, que tem reencontrado a boa forma. Quem diria que o Palermo estaria na metade alta da tabela (8ª posição, com 27 pontos), depois de uma primeira metade de campeonato tão atribulada?  O Novara, por sua vez, emitiu um comunicado traumático após a derrota: demitiu Attilio Tesser, técnico responsável pelo acesso da Lega Pro Prima Divisione à Serie A, que estava no cargo desde 2009. Para seu lugar chega o experientíssimo Emiliano Mondonico, técnico desde 1979 e especialista em acessos à elite (foram cinco ao todo, um recorde). Mondo não treinava um time da primeira divisão desde 2005, quando dirigiu a Fiorentina por três jogos, e depois de vencer um câncer, tem um novo desafio na carreira: salvar o pequeno Novara.

Cesena 0-1 Atalanta
E a Atalanta volta a vencer, depois de oito jogos de jejum. Foi sofrido: o gol da vitória chegou apenas no segundo tempo, quando Marco Rossi piorou sua já complicada semana - foi citado em um dos depoimentos do escândalo das apostas ilegais - e marcou contra. O jogo, fraquíssimo, foi um retrato do momento negativo (nem tanto do Cesena) das duas equipes. A promessa, daqui para a frente, é que os dois times tenham ainda mais dificuldades. A Atalanta não terá Denis, expulso, na próxima partida, e o jovem Gabbiadini deverá substitui-lo. Não terá também Padoin, um dos líderes do time, para o restante do campeonato - foi negociado com a Juventus. O Cesena, por sua vez, enfraqueceu-se demais no mercado de inverno e defez-se de três atacantes. Iaquinta chegou, mas dificilmente será, juntamente a Mutu, suficiente para evitar um melancólico rebaixamento após um campeonato digno na última temporada.

Para resultados, escalações e estatísticas da 20ª rodada, clique aqui.
Para relembrar os jogos de sábado, clique aqui.
Para relembrar a 19ª rodada, clique aqui.
Seleção da 20ª rodada
Benassi (Lecce); Oddo (Lecce), Migliónico (Lecce), Barzagli (Juventus), Brivio (Lecce); Nocerino (Milan), Kucka (Genoa); Klose (Lazio), Jovetic (Fiorentina), Palacio (Genoa); Matri (Juventus). Técnico: Edy Reja (Lazio).

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

20ª rodada: Menos um

Matri recuperou o bom futebol, marcou dois contra a Udinese e praticamente eliminou um adversário da Juventus na briga pelo título italiano (Foto: AP)

No sábado, a Juventus fez duelo direto com a Udinese, venceu bem e praticamente eliminou um adversário na corrida pelo título. Agora, seis pontos separam os dois times e é difícil imaginar que o time de Guidolin tire essa vantagem até o fim do campeonato. A disputa pelo scudetto deve ficar mesmo entre Juventus e Milan, enquanto três ou quatro times lutam pela vaga restante na Liga dos Campeões. No outro jogo de sábado, Catania e Parma empataram em 1 a 1 e não mudaram muita coisa na tabela. Veja como foram os duelos:

Juventus 2x1 Udinese
Sob muita neve, os dois times entraram em campo cautelosos, mas pensando em vencer. Para a Udinese, a vitória significaria empatar com a Juve na classificação e entrar de vez na briga pelo título. Para a Juve, os três pontos serviriam para afastar um adversário direto e ficar mais tranquila na ponta. Assim, os times fizeram primeiro tempo movimentado e com espaço para as duas equipes trabalharem. A dona da casa, montada por Conte em um 3-5-2 sem Pepe e Marchisio, que ainda não estão totalmente recuperados de lesões, apostou em um jogo mais seguro defensivamente e preparado para contra-atacar, com a velocidade de Giaccherini, Estigarribia, Quagliarella e Matri. Dessa forma saíram as melhores chances juventinas, que, no entanto, não foram convertidas em gol, graças à uma grande atuação do goleiro Handanovic.

O nome do jogo, porém, foi Alessandro Matri. O atacante da Velha Senhora entrou como um jogador que vivia mau momento e saiu como dono da bola. Percebendo as chances de ser sacado do time, o ex-cagliaritano fez boa partida, sempre com boa movimentação, e marcou os dois gols do seu time no triunfo. O primeiro, aos 43 minutos do primeiro tempo, mostrando oportunismo típico dos bons centro-avantes, ao aproveitar um dos poucos rebotes que o goleiro adversário deu durante a partida. O segundo, em lance que contou com bom passe de Marchisio, que tinha acabado de entrar no jogo. Assim, Matri chega aos nove gols no campeonato e volta a ganhar a confiança da torcida. Entre os dois gols, a Udinese ainda empatou, com gol de Floro Flores, mas foi só. A Juventus mostrou consistência até o fim do jogo e não correu grandes perigos. Não à toa, é o único time ainda invicto esta temporada.

Catania 1x1 Parma
O Catania ainda não venceu em 2012. Contra o Parma, neste sábado, não foi diferente. O time da casa até conseguiu sair na frente, com gol de Bergessio, mas a vantagem não durou muito e os rossoblù amargaram mais um resultado negativo neste ano. O primeiro tempo da partida foi movimentado e cheio de erros, mas foi quando tudo aconteceu. As equipes partiram para cima, atrás do resultado, e os gols saíram aos 32 e aos 43. Bergessio abriu o placar com bonito gol e Modesto empatou, aproveitando falha defensiva do Catania. No segundo tempo, a partida caiu de ritmo e os times de Montella e Donadoni ficaram mesmo no empate, resultado que não faz muita diferença para o Parma, que está tranquilo no meio da tabela, mas que pode começar a preoupar o Catania, que já não vence desde o dia 17 de dezembro e começa a ficar próximo da zona de rebaixamento. O jogo marcou também a despedida oficial de Maxi López, que acertou com o Milan. Será esse o destino do Catania na era pós-Maxi?

Para resultados, escalações e estatísticas da 20ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 19ª rodada, clique aqui.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Os donos do jogo

El Shaarawy e Seedorf destruíram o sistema defensivo da Lazio na classificação à semifinal da Coppa Italia (La Presse)

Os torcedores que compareceram ao San Siro viram duas equipes que pouparam pouquíssimos titulares. Edy Reja não se importou com a disputa da Serie A e mandou o que tinha de melhor ao gramado e Allegri, que já pensa nos jogos do Milan pela Liga dos Campeões, deixou Ibrahimovic no banco e promoveu a estreia de Mesbah (ex-Lecce). Thiago Silva, por sua vez, foi poupado. Quem presenciou o embate viu um Milan aguerrido, que bateu o adversário por 3 a 1, de virada, para encarar a Juventus na semifinal.

No início, parecia fácil para o time laziale. Cissé, que não marcava desde o primeiro jogo da Serie A contra o próprio Milan no San Siro, finalizou de voleio após cruzamento de Álvaro González. Amelia ainda defendeu chute de Lulic antes dos donos da casa passarem a mandar na partida.

O posicionamento rossonero deu-se quase da mesma forma contra o Novara, na última rodada do campeonato. Entretanto, ao invés de El Sharaawy como trequartista, Allegri apostou em Seedorf para executar a função. O jovem italiano foi deslocado para o ataque juntamente a Robinho. Esse trio apavorou Diakité, Stankevicius e André Dias. No primeiro gol, El Shaarawy abriu para o cruzamento de Abate, Merkel desviou e Robinho, também de voleio, empatou. Minutos depois, o "pequeno faraó" do Milan tirou a bola de dois para assistir Seedorf, que entortou André Dias e fuzilou. Antes do fim da primeira etapa, Amelia defendeu cobrança de falta de Hernanes.

O zagueiro brasileiro da Lazio, aliás, passou dos limites. No segundo tempo, ele deu um soco na nuca de van Bommel. O árbitro Gervasoni não viu o lance e não expulsou o jogador - que deve ser punido pela federação nacional após a análise das imagens. Antes do apito final, Ibrahimovic veio do banco para completar para o gol a linda jogada de Emanuelson - com direito a drible por entre as pernas de Lulic. Uma prova de força do Milan, que vai mostrando fome de disputar todos os títulos a que concorre.

No outro chaveamento, semifinal inédita
Outubro não foi um bom mês para o Chievo. Na Serie A, enfrentou Juventus e Inter, mas também enfrentou Cesena, Bologna e Siena sem uma vitória sequer. Contra os bianconeri da Toscana, aliás, sofreu: 4-1, fora de casa, com uma boa exibição de Mattia Destro.

Ano novo, vida quase nova. Renovada. A do Siena, obviamente, após a vitória na Coppa Italia e ao avanço inédito à semifinal da competição. Destro, o superstar da sub-21 da Itália, marcou o gol solitário da classificação.

Giuseppe Sannino e Domenico Di Carlo entraram com times praticamente reservas. Dos 22 em campo, 13 não jogavam constantemente. O Siena tinha razão: atual 17º colocado, enfrenta a Fiorentina no fim de semana, no clássico toscano que mais deve valer nos últimos anos, já que as equipes estão bem próximas na tabela. O Chievo se deu ao luxo de poupar alguns jogadores, pois está na honrosa 9º posição.

No primeiro tempo, pouquíssimas chances: um voleio de Frey por cima do travessão aqui, uma finalização errada de Uribe ali. Do lado preto-e-branco, Pablo González quase balançou a rede de Puggioni. O jogo mudou em 120 segundos. Foi Destro entrar para Gazzi assistir o atacante para o gol. O Siena ainda pôs lenha na fogueira ao ter Grossi expulso por agredir Acerbi. Cruzado tentou, Paloschi também. Mas a defesa adversária, sobretudo por uma boa exibição de Gazzi na volância, segurou o ímpeto do Chievo.

A sensação na equipe eliminada é que poderia ter feito mais. Vacek foi grandíssimo em Verona, mas faltou alguém que o ajudasse na armação. O zagueirão Mandelli também perdeu uma chance clara na pequena área. E se Sammarco tivesse entrado? O camisa 7 estava à disposição e marcou dois gols nos últimos três jogos - inclusive o da classificação ante a Udinese na própria Coppa, na última semana.

Se para o Chievo resta apenas a Serie A, o Siena tem o campeonato pela frente, onde lutará para não cair, e, logo ali, o sonho de chegar a uma inédita copa europeia, caso bata o Napoli nas semifinais - considerando que Juventus e Milan deverão se classificar para uma competição europeia pelo campeonato, a vaga na Liga Europa cairia nas mãos do Siena, mesmo em caso de vice-campeonato. Cavani, na Campânia, não precisa de muitas chances para fazer a alegria do torcedor napolitano. Nas bandas da Toscana, Destro tem feito o mesmo. Aos 20 anos, é o principal jogador do time na temporada e um dos atacantes italianos em melhor fase. Não seria loucura imaginar a zebra atacar na competição novamente. Há de se lembrar que os bianconeri mandaram para casa mais cedo Palermo e Cagliari.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O clichê Cavani

Cavani, Cavani, Cavani: é fácil adivinhar quem fez gol quando é o Napoli que balança as redes (Foto: DayLife.com)

Parece clichê, mas não é. Talvez seja quase. Afinal, nada na Itália tem sido tão repetitivo quanto boas atuações coroadas com gols de Edinson Cavani. Principalmente quando o Napoli precisa dos gols de seu matador para definir partidas difíceis. Caso da partida entre os partenopei e a Internazionale, nesta tarde, válida pelas quartas de final da Coppa Italia. Foram dois gols do uruguaio e vitória dos napolitanos por 2 a 0. Um script que tem se repetido com frequência animadora para a fanática torcida azzurra.

Pela primeira vez em 2012 o Napoli conseguiu iniciar uma partida com seus três principais jogadores. Cavani teve a companhia de Hamsík e Lavezzi, este voltando de lesão. Foi o suficiente para bater uma Inter que parece focar suas forças em uma recuperação em andamento na Serie A. E como é praxe em jogo envolvendo equipes de força nivelada, boa parte do primeiro tempo foi de estudo. Os nerazzurri, porém, tomaram mais iniciativas. A postura mais ofensiva dos comandados de Claudio Ranieri, no entanto, proporcionavam contra-ataques constantes para os partenopei. Com este panorama a primeira etapa terminou sem gols.

O segundo tempo, porém, era do Napoli. Mais do que isso, era de Cavani. Em uma jogada toda errada de Thiago Motta, que recuou a bola nos pés do uruguaio, os napolitanos obtiveram pênalti cobrado com perfeição por seu matador, que no final de semana havia desperdiçado uma penalidade. Com a vantagem no placar, os azzurri recuaram ainda mais e passaram a ser atacados com frequência pela Inter. Em lance polêmico na sequência, Diego Milito reclamou bastante de suposto pênalti cometido por Maggio. Reclamações sequer ouvidas pelo árbitro do duelo.

Mesmo atrás, a Inter continuou melhor e forçando a defesa adversária com ataques constantes. Tática que, no entanto, só permitiu ao Napoli explorar a velocidade de seus atacantes para jogar no contra-ataque. Pandev, que entrou no lugar de Lavezzi e fazia seu primeiro jogo contra a Inter desde sua saída do clube de Milão, era o responsável por levar os partenopei ao ataque por meio de contra-golpes. E foi justamente em uma jogada destas que o Napoli, após ser pressionado durante toda a segunda etapa, ampliou com Cavani já nos descontos. Gol de misericórdia e que selou a classificação napolitana, apesar da superioridade da Inter em todo o jogo.

Para a Inter, que perdeu sua invencibilidade de oito partidas em todas as competições, resta concentrar suas forças em seu processo de retomada na Serie A e, principalmente, nos duelos que se aproximam pela Liga dos Campeões – competição na qual o Napoli também passa a se focar cada vez mais. Os partenopei, agora, se preparam para encarar uma maratona de três competições. Pelas semifinais, enfrentará o Siena, e é favorito para chegar à final da Coppa Italia. Coisas de quem tem um dos maiores matadores da atualidade inspirado em praticamente todos os jogos. E é dos pés de Cavani que pode sair o primeiro título do Napoli desde o scudetto de 1990.

Classificação sem problemas

Del Piero marcou seu primeiro gol no novo estádio e ajudou a Juventus a se classificar para as semifinais da Coppa Italia (Getty Images)

Foi mais fácil do que todos imaginavam que seria. A noite de ontem foi especial para os 40 mil torcedores presentes no Juventus Stadium. E não foi só por causa do 3 a 0 que a Juve aplicou sobre a Roma, pelas quartas-de-final da Coppa Italia. Para eles, o melhor momento da partida aconteceu aos 30 minutos do primeiro tempo, quando Del Piero marcou um golaço, seu primeiro na temporada e no novo estádio, e fez 2 a 0. Homenagens apareceram no telão e o capitão foi aplaudido de pé na nova casa bianconera. O gol saiu em um belo chute de fora da área, que acertou o ângulo esquerdo do goleiro Stekelenburg, que não teve chances. Alla Del Piero.

Antes disso, a Juve já vinha fazendo um bom jogo e, inclusive, já tinha aberto o placar, com Giaccherini, em jogada de velocidade. Barzagli tentou um lançamento longo, do campo de defesa, e o time romano deixou passar. Giaccherini aproveitou a falha conjunta e correu para abriu o placar, ainda aos seis minutos da partida, reafirmando seu bom momento. O baixinho marcou no fim de semana, contra a Atalanta, pela Serie A, e na semana passada, nas oitavas da Coppa, contra o Bologna. O time de Conte, montado em um 3-5-2, não sentiu falta de Marchisio no meio de campo, que foi bem substituído por Marrone, e conseguiu anular a Roma com facilidade, impondo seu jogo.

A equipe da casa se propôs a jogar atrás e partir no contra-ataque e o fez com muita eficiência. Para isso, contou com a ajuda de uma Roma apática e sem criatividade, é bom notar. Jogando atrás dos dois atacantes, Totti não conseguiu repetir a boa atuação do fim de semana e não ajudou a equipe. No primeiro tempo, o único chute a gol dos gialorossi foi em uma falta cobrada por Pjanic e que passou muito perto da meta. Do outro lado, a Juve tivera chances de ampliar, mas não conseguiu.

Na volta do intervalo, o time de Luis Enrique voltou melhor e até conseguiu tocar mais a bola e criar mais chances. Porém, a Juve não deu espaços e conseguiu controlar bem a partida. A 20 minutos do fim, então, Lamela fez falta dura em Chiellini, fora do lance, e foi expulso, facilitando ainda mais as coisas para os donos da casa. A Juve passou a pressionar mais e perdeu a chance de fazer 3 a 0 diversas vezes. O gol só saiu no último minuto, quando Quagliarella puxou contra-ataque e cruzou para a área, onde Kjaer desviou a bola antes de ela chegar aos pés de Matri. Gol contra e uma Juventus ainda imbatível nesta temporada, seja na Serie A, seja na Coppa Italia. O adversário das semifinais sai do jogo entre Milan e Lazio, que acontece na quinta-feira.

Clique aqui para ver os gols da partida.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

19ª rodada: Começar de novo

O Príncipe voltou: depois de marcar cinco gols em quatro partidas, um Milito recuperado é o principal reforço da Inter para a segunda parte da Serie A (Getty Images)
Chegou ao fim o primeiro turno da Serie A 2011-12. E, com ele, a Inter espera dar início de vez a uma nova fase no campeonato, depois de engatar sete vitórias consecutivas e assumir a quarta colocação. A chave para a recuperação e uma eventual disputa ferrenha pelo título pode ser Diego Milito, que tem sido fundamental para a ótima sequência. Nos últimos quatro jogos, foram cinco gols do argentino. Quem também está pronto para começar de novo é o Milan, que goleou o lanterna Novara fora de casa e não pareceu abatido com a derrota no dérbi milanês. O domingo ainda teve vitórias de Udinese e Palermo, além de quatro empates entre equipes do meio da tabela. Confira!

Inter 2-1 Lazio
"A equipe não entrou em campo". Foi assim que Claudio Ranieri definiu a prestação da Inter, que não chegou a fazer uma partida irretocável, mas também não jogou tão mal quanto pensa o técnico. Com suas palavras, Ranieri busca incentivar seu elenco a dar um salto de qualidade necessário para brigar pelo título italiano - que seria o primeiro da carreira do experiente treinador. No início do jogo, as duas equipes erravam muito e foi a Lazio que mais vantagem tirou disso: Rocchi chegou a acertar a trave após falha de Lucio e, pouco depois, recebeu bom passe de Ledesma e, com chute cruzado, abriu o placar, vazando a defesa da Inter após três jogos. Foi aí que a Inter acordou, começou a conceder muito pouco na defesa e foi para frente. Antes do fim do primeiro tempo, uma boa tabela entre Álvarez e Milito terminou no gol do Príncipe, seu oitavo no campeonato. No segundo tempo, a entrada de Sneijder deu mais mobilidade à equipe e foi fundamental para que o domínio nerazzurro se estabelecesse. Ainda no início da primeira etapa, Pazzini virou o jogo com um belo gol por cobertura e só coube à Inter ocupar espaços e conter a Lazio. Com o resultado, a equipe de Milão ultrapassou a própria Lazio e assumiu a quarta posição, seis pontos atrás da líder Juve.

Novara 0x3 Milan
Olhando o placar, parece que a vitória do Milan contra o Novara foi fácil. Quem viu o jogo, porém, sabe que não foi. Montado em um 5-3-2, o Novara de Tesser formou uma muralha humana na frente da área e dificultou (e muito) o jogo do Milan. Na primeira etapa, os atuais campeões italianos tentaram inúmeras vezes, mas esbarraram em defesas do goleiro Ujkani ou de outro jogador que permanecia em cima da linha para não deixar a bola entrar. Caraciollo salvou duas vezes nessas condições: uma de Thiago Silva e outra de Mexes. O jogo começou a mudar quando Allegri tirou Antonini e recuou Emanuelson para o lado esquerdo da defesa, e colocou El Shaarawy de trequartista, para armar o jogo. O jovem deu novo gás ao time. Ibrahimovic, claro, também fez a diferença. Aproveitando bom passe de Ambrosini, ele abriu o placar e o jogo. Tesser modificou sua equipe para avançar mais e o Milan não perdeu a chance de ampliar, com mais espaço para tocar a bola. El Shaarawy fez boa partida e deu passes para Robinho fazer 2 a 0, aos 30 minutos do segundo tempo, e Ibra dar números finais ao jogo, aos 44. Assim, o Milan mostrou que não se abateu com a derrota no clássico da semana passada e o Novara chegou à sua 11ª derrota na temporada, continuando na lanterna da Serie A.

Udinese 2x1 Catania
A Udinese continua insuperável em seu estádio. Contra o Catania, o time de Di Natale e companhia chegou à nona vitória nas dez últimas partidas no Friuli e conquistou três pontos importantes para não deixar Juventus e Milan escaparem nas primeiras posições. As duas equipes entraram em campo bem organizadas e com a mesma estratégia: defender com segurança e partir em velocidade. Melhor para a Udinese, que consegue ser mais eficiente perto da área adversária. Armero, muito bem na partida, contou com a ajuda de Izco para abrir o placar, depois de 20 minutos de jogo. Sem Maxi López no ataque, por opção de Montella, que não quis escalar jogador que está em negociação, o poder ofensivo do Catania ficou prejudicado e o time pouco incomodou Handanovic. Na volta do intervalo, a Udinese quis terminar logo com a partida e partiu para cima. Logo aos oito, então, Armero fez outroa boa jogada e deu passe para Di Natale fazer o que sabe, gol. Foi o seu 14º no campeonato, mesmo número de Ibrahimovic, com quem está empatado na artilharia. Com o placar construído, o time de Guidolin se defendeu com cautela e esperou o tempo passar. Lodi ainda marcou nos acréscimos, de pênalti, mas já era tarde demais.

Palermo 5x3 Genoa
No jogo com mais gols da rodada, Miccoli foi o grande astro. Com um gol e três assistências, o baixinho colocou o Palermo de volta ao caminho das vitórias, após dois meses de seca. E com categoria. O time de Mutti jogou bem e convenceu os pouco mais de 18 mil torcedores presentes no Renzo Barbera. Quando Palacio marcou primeiro, aos 13 minutos de jogo, parecia que o mau momento rosanero iria continuar e os torcedores veriam mais um resultado negativo de seu time. Não foi o que aconteceu: o Genoa se perdeu depois dos primeiros minutos de jogo e deu espaço para Miccoli e Budan jogarem. Assim, o Palermo aproveitou duas chances e conseguiu reverter a situação ainda no primeiro tempo, que acabou 3 a 1, com gols de Budan, Silvestre e Mantovani. Na segunda etapa, Palacio diminuiu, de pênalti, mas Miccoli fez 4 a 2, acabando com as esperanças rossoblù. Migiaccio fez 5 a 2, aos 39, e Jankovic ainda diminuiu, no último minuto. Preocupa o número de gols que a equipe de Gênova tomou nos últimos três jogos: dez. O técnico Marino tem que começar a se preocupar. Mutti, do outro lado, deve fazer com que sua equipe jogue sempre assim.

Siena 1x1 Napoli
O Napoli demorou para acordar e teve que se contentar com um empate, em Siena, resultado que o deixa cada vez mais longe de repetir a vaga para a Liga dos Campeões conquistada na última temporada. O time da casa foi melhor na maior parte do jogo e não à toa tinha construído as melhores oportunidades do jogo até a primeira metade da segunda etapa. Calaiò tinha acertado o travessão no primeiro tempo e abriu o placar aos 22 minutos do segundo tempo. A partir daí, porém, o Napoli partiu para cima e tomou conta do jogo. Hamsik, Pandev e Cavani comandaram a reação napolitana e tiveram a chance de empatar a pouco mais de dez minutos do fim, quando Lavezzi foi derrubado na área e o juiz marcou pênalti. Cavani foi para a cobrança, mas Pegolo pegou. O time de Mazzari não desistiu e aos 44 marcou o gol de empate, com Pandev. Do lado do Siena, fica a frustração de ter tido o jogo na mão e não ter conseguido segurar o placar. Em Nápoles, o sentimento é de que o time poderia ter vencido se tivesse acordado mais cedo. Acordar, aliás, é algo que o time azzurro deveria fazer logo nesta Serie A. Com 29 pontos, a equipe ocupa apenas a 7ª posição e decepciona. Quando o sonho da Liga dos Campeões acabar e a equipe for eliminada, o que vai restar?

Lecce 2x2 Chievo
Jogando em casa, o Lecce só conseguiu garantir um pontinho a mais na briga pela salvezza nos acréscimos do jogo. Os visitantes começaram o jogo com muita velocidade e objetividade e não demoraram quase nada para abrir o placar: Sardo deu passe, a zaga falhou e Paloschi colocou para dentro, logo aos dois minutos de partida. E o ex-milanista continuou fazendo boa partida e ampliou ainda no primeiro tempo, depois de mais uma falha da defesa. Com o 2 a 0 no placar, a equipe visitante baixou o ritmo e deu chances para o Chievo chegar. Esposito diminuiu aos 30', então, e sua equipe foi para o intervalo com um pouco mais de tranquilidade. Na segunda etapa, os comandados de Cosmi jogaram com organização em busca do gol de empate, mas sem muito sucesso. Apenas nos acréscimos, quando a zaga visitante deu mole, é que o gol saiu. Di Michele recebeu bom passe de Pasquato e igualou tudo. Com o resultado, o Lecce permanece na vice-lanterna.

Bologna 0x0 Parma
No jogo mais chato do fim de semana, Bologna e Parma empataram sem gols no dérbi emiliano e decepcionaram. Os dois times vinham de bons resultados e todos esperavam mais do clássico. Com pouca organização tática e quase nenhum chute a gol, o jogo deu sono nos torcedores que foram ao estádio Renato Dall'Ara. Destaque para o goleiro Pavarini, do Parma, que salvou duas das poucas oportunidades criadas no jogo, em tentativas de Marco Di Vaio e Mudingayi. Gillet, do outro lado, também foi bem no único chute do Parma que acertou o alvo. Assim, o Bologna perdeu oportunidade de se afastar um pouco mais da zona de rebaixamento, mas os pontos não devem fazer falta. O Parma, que ocupa a 12ª posição, também não deve lamentar o resultado. O destino das duas equipes parece mesmo ficar no meio da tabela

Cagliari 0x0 Fiorentina
Na Sardenha, o jogo começou com 30 minutos de atraso porque, a caminho do estádio, o ônibus da Fiorentina passou por uma área bloqueada por operários que faziam protesto nas ruas. O atraso parece ter feito mal ao time de Florença, que não conseguiu criar sequer uma chance de gol durante toda a partida. Jovetic não jogou e, claro, fez muita falta. Delio Rossi escalou Lazzari e Ljajic no ataque e não teve sucesso. Os donos da casa foram melhores e dominaram todo o jogo, mas sem conseguir marcar gols. Mas a verdade é que ninguém esperava uma grande partida mesmo. Os dois times ocupam posições intermediárias na tabela e não empolgam nem seus próprios torcedores. Os poucos seis mil torcedores que foram ao Sant'Elia comprovam o fato. Em Florença, ao menos há uma esperança: a chegada de Amauri, que teve sua contratação confirmada hoje.

Para resultados, escalações e estatísticas da 19ª rodada, clique aqui.
Para relembrar os jogos do sábado, clique aqui.
Para relembrar a 18ª rodada, clique aqui.
 
Seleção da 19ª rodada
Pegolo (Siena); Lichtsteiner (Juventus), Samuel (Inter), Mantovani (Palermo), Armero (Udinese); Lamela (Roma), Pirlo (Juventus), Sneijder (Inter); Miccoli (Palermo), Totti (Roma), Ibrahimovic (Milan). Técnico: Luis Enrique (Roma).

domingo, 22 de janeiro de 2012

19ª rodada: Dia de fazer história

Contra o Cesena, Totti marcou dois gols, chegou aos 211 na Serie A e se tornou o maior artilheiro da competição por um único time (Getty Images)
Dois jogos abriram a última rodada do primeiro turno da Serie A, neste sábado. No Olímpico, a Roma não tomou conhecimento do Cesena e, jogando bem, venceu por 5 a 1. O jogo ficou marcado também por mais um recorde estabelecido pelo capitão Totti. Com os dois gols que marcou na partida, se tornou o maior artilheiro da história da Serie A por um único time, chegando a marca de 211 gols. O antigo dono da marca era do sueco Gunnar Nordahl, pelo Milan (210 gols). Mais tarde, a Juventus superou a Atalanta em Bérgamo e garantiu o título de inverno, de forma invicta. Vamos aos resumos:

Roma 5x1 Cesena
Os comandados de Luis Enrique não tiveram muita dificuldade para vencer o Cesena, em casa. Aos nove minutos do primeiro tempo, o placar já marcava 3 a 0 para os donos da casa e o jogo estava praticamente decidido. Totti aproveitou passes de Lamela aos 2' e aos 8' para fazer os dois primeiros. No segundo, ele partiu de posição de impedimento, não marcado. Aos 9', Comotto perdeu a bola infantilmente no meio de campo e viu Greco cruzar para Borini ampliar. No início da segunda etapa, Eder conseguiu diminuir para o Cesena, mas o jogo não mudou de figura. A Roma continuou muito superior e não demorou para mostrar isso com mais gols: Juan, aos 17 minutos, e Pjanic, aos 25, fecharam o caixão do Cesena, que vinha de boa atuação na última rodada. 

Além dos três pontos, que colocam a Roma na sexta posição, com 30 pontos, vale notar a evolução técnica do time, que mostra defesa sólida, meio veloz e ataque eficiente. O trabalho de Luis Enrique está dando resultado e o futuro parece muito bom para a equipe. Na quarta-feira, o time enfrenta a Juventus, pelas quartas-de-final da Coppa Italia. O Cesena tem uma semana de descanso para tentar superar o vexame e chegar bem para o jogo contra a Atalanta, no domingo que vem. O time termina o primeiro turno na zona de rebaixamento.

Atalanta 0x2 Juventus
Em Bérgamo, a Juventus conseguiu superar a Atalanta de boa campanha em seus territórios e garantiu o título do primeiro turno do campeonato. Em jogo movimentado, os bianconeri dominaram a partida quase inteira, sempre tomando a iniciativa. No primeiro tempo, faltou um pouco de pontaria e as melhores chances pararam nas traves do goleiro Consigli, primeiro com Barzagli e depois com Vidal. Apesar do bom futebol apresentado, a equipe foi para intervalo mesmo com o 0 a 0 no placar. Na segunda etapa, então, o gol veio logo cedo: Pirlo fez grande lançamento, aos nove minutos, e Lichtsteiner colocou no fundo do gol, de cabeça. 

A Velha Senhora não amaciou por causa da vantagem e continuou pressionando o time da casa. O gol que garantiu a vitória saiu já no final, em jogada de Marrone e Giacherrini, que entraram nos lugares dos lesionados Pepe e Marchisio, respectivamente, e fizeram bom jogo. E foi um belo gol: Pirlo tocou para Morrone e o jovem de 21 anos acertou, de primeiro, passe por cima da zaga. Giacherrini pegou de primeira e acertou belo voleio, fechando o placar. Assim, a equipe de Turim terminou o primeiro turno da competição sem perder (11 vitórias e 8 empates) e mostrando futebol sólido. Para os torcedores supersticiosos, vale lembrar que nos últimos sete anos, o campeão de inverno foi também o campeão no final.

Para resultados, escalações e estatísticas da 19ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 18ª rodada, clique aqui.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Jogadores: Gunnar Nordahl

Nordahl (centro), formou com os compatriotas Gren e Liedholm um dos maiores trios
ofensivos da história do Milan e da Serie A (Wikipedia)
Forte, inteligente e letal. Essas três características seriam suficientes para definir o sueco Gunnar Nordahl. Artilheiro com um faro de gol poucas vezes visto no esporte, ele encerrou sua carreira como profissional com a impressionante marca de 442 gols anotados em 504 partidas disputadas, algo que lhe dá a invejável e impressionante média de 0,88 gols por duelo disputado. Um jogador raro e que marcou época com a camisa do Milan, sendo fundamental para acabar com aquele que talvez tenha sido o pior e mais incômodo tabu da história rossonera.

Em uma época na qual o trabalho das categorias de base era inexistente, Nordahl entrou no mundo do futebol com uma idade incomum para a época. Pelo Hörnefors, pequeno clube da região em que nascera, disputava futebol de maneira quase amadora, fator que o ajudou a conquistar logo de cara uma vaga na equipe titular, aos 16 anos. Impressionou logo de cara, mostrando uma capacidade de anotar gols fora do comum. Aproveitou a passagem pelo pequeno time para desenvolver totalmente seu físico - que seria importantíssimo ao longo de sua carreira - e por lá ficou até os 19 anos, anotando nada menos do que 66 gols nas três temporadas disputadas.

Logo seu futebol interessou a clubes maiores e uma transferência para o Degerfors o projetou nacionalmente. Lá, continuou anotando gols sem parar, sagrando-se artilheiro do campeonato sueco em 1943. Os tentos anotados, porém, pareciam não surtir efeito em um time que não chegava nunca às disputas de títulos, fato que ofuscava a carreira de um jovem que prometia muito. Foi nesse contexto que, aos 23 anos, se tornou jogador do Norrköpping, um dos maiores times suecos da época. Continuou sendo artilheiro e passou a colecionar títulos. Ficou no clube entre 1944 e 1949, sendo campeão sueco em nada menos do que em quatro oportunidades - ainda foi o grande artilheiro da competição em três.

Todo o talento do artilheiro ainda seria essencial para a seleção sueca, que venceu os Jogos Olímpicos de 1948, em Londres. Ao lado de Gunnar Gren e Nils Liedholm - este seu companheiro no Norrköpping - o atacante fez história ao formar o ataque sueco que ficou conhecido como Gre-No-Li, em referência às primeiras letras dos nomes dos jogadores.

A medalha de ouro conquistada graças ao desempenho do trio, além do ótimo desempenho no futebol da Suécia, despertou o interesse de toda a Europa sobre os jogadores. Logo após a Olimpíada, a Atalanta contratou Bertil Nordahl, irmão de Gunnar, que embarcaria para o Belpaese no ano seguinte. O Milan, que desde 1907 não conquistava um scudetto, foi a equipe responsável por adquirir, em 1949, os três atletas de uma só vez. Começaria, então, uma nova era para os rossoneri.

Nordahl faz mais uma vítima: a Inter, em um Meazza em construção (Wikipedia)
Logo ao desembarcar em Milão ao lado dos companheiros Gren e Liedholm, o atacante mostrou que não perderia o faro de gols e, já na primeira temporada, apesar de atuar em apenas 15 partidas, balançou as redes 16 vezes. Mas seria apenas no seu segundo ano que Nordahl começaria a fazer história: em um campeonato que foi marcado por seu equilíbrio e que terminou nas mãos da Juventus, em 1949-50, o Milan obteve o segundo lugar com um ataque destruidor, que anotou nada menos do que 118 gols em 38 duelos, média de 3,1 por partida. O atacante sueco foio grande responsável por conduzir essa máquina ofensiva, anotando nada menos do que 35 tentos ao longo do torneio - marca que lhe rendeu a artilharia daquele ano e um recorde até hoje ainda não superado. Seu desempenho levou a Roma a contratar outro irmão seu, o meio-campista Knut Nordahl.

No ápice de sua forma física e técnica, faltava ao sueco ser decisivo no encerramento do jejum rossonero. Isso aconteceria no ano seguinte, em 1951, quando o atacante, já apelidado de Pompiere D'Oro - referência ao fato de ter sido bombeiro na Suécia antes de se profissionalizar - chegou perto de seu recorde e marcou impactantes 34 gols na campanha que rendeu o primeiro scudetto ao Milan desde 1907. O sueco foi responsável por nada menos que um terço dos gols marcados pelo time na Serie A conquistada, entrando de vez para a galeria de ídolos rossoneri - isso tudo com apenas três temporadas na Itália. O atacante, de 90 quilos distribuídos em 1,80m e de muita velocidade, ainda continuaria marcando gols sem parar, obtendo as artilharias consecutivas de 1952 a 1955.

Já consagrado como um dos grandes jogadores que haviam vestido a camisa do Milan em toda a história do clube e artilheiro da Serie A em seis oportunidades, Nordahl conciliaria ainda, em 1955, a dobradinha que o consagrara em 1951, conquistando seu segundo scudetto.

O novo título seria suficiente para imortalizá-lo em vermelho e preto, cores com as quais chegou ao posto de segundo maior artilheiro da história do campeonato italiano, ficando atrás apenas de Silvio Piola e superando lendas como Amedeo Amadei e Giuseppe Meazza - embora, entre os jogadores que marcaram mais de 100 gols na Serie A, seja o que tem a maior média de gols, de 0,77 por partida. A idolatria da torcida não diminuiu nem mesmo ao final da passagem do sueco pelo Milan, em 1956, quando o atacante deixou os rossoneri para atuar na Roma. Até hoje, é o maior artilheiro da história do clube de Via Turati.

Atacante sueco jogava bem contra os rivais de Milão (Physast)
No final de carreira e sem o mesmo vigor físico que o consagrara nos áureos tempos de Suécia e Milan, Nordahl desembarcou em Roma para fazer do clube capitolino o último de sua carreira. Como esperado, não repetiu lá o sucesso de outrora, mas nem por isso deixou de fazer gols. Jogando com muito menos frequência, balançou as redes 15 vezes pela equipe na qual atuou em apenas 34 partidas ao longo de duas temporadas.

Em 1958, deixou de ser jogador e se arriscou na carreira de treinador, assumindo, neste mesmo ano, o posto de treinador dos giallorossi - durante algumas partidas chegou a entrar em campo, ocupando, assim, os cargos de jogador e treinador ao mesmo tempo. A carreira fora das quatro linhas, porém, não foi promissora e Nordahl se afastou da função de técnico após passagens sem sucesso em clubes da Suécia. Desde então, ficou longe do futebol e viu apenas seu filho Thomas atuar pela seleção sueca na Copa de 1970, última vez que o sobrenome Nordahl ter destaque internacional antes de seu falecimento, em 1995.

Atualização: até o dia 21 de janeiro de 2012, Nordahl era o jogador com mais gols por um mesmo clube na história da Serie A, com seus 210 tentos com a camisa rossonera. Francesco Totti o superou, na goleada da Roma por 5 a 1 sobre o Cesena.

Gunnar Nordahl
Nascimento: 19 de outubro de 1921, em Hörnefors, Suécia
Falecimento: 15 de setembro de 1995, em Alghero, Itália
Posição: atacante
Clubes: Hörnefors (1937-1940), Degerfors (1940-1944), Norrköpping (1944-1949), Milan (1949-1956) e Roma (1956-1958)
Títulos: 4 Campeonatos Suecos (1944-45, 1945-46, 1496-47 e 1947-48), 1 medalha de ouro nos Jogos Olímpicos (1948), 2 Copas Latinas (1951 e 1956) e 2 Serie A (1950-51 e 1954-55)

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

18ª rodada: De volta à briga

Com gol de Milito, que renasceu após chegada de Ranieri, Inter venceu clássico contra o Milan e voltou à briga pelo scudetto (Reuters)

Neste fim de semana, a Serie A teve dois destaques principais: a vitória da Inter no Derby Della Madonnina, que coloca o time azul e preto de volta na briga pelo título; e o adiamento da partida entre Roma e Catania, por conta da chuva que assolou a Sicília. Destaque também para os tropeços de Juve, Udinese e Napoli e para a aproximação da Lazio. Na parte de baixo da tabela, a briga continua forte e o Cesena, de Adrian Mutu, foi o que mais surpreendeu na rodada, com bom jogo. É bom lembrar que a próxima rodada é a última do primeiro turno da competição. Vamos aos resumos:

Milan 0x1 Inter
No jogo mais importante do fim de semana, a Inter chegou à sua sexta vitória consecutiva e tirou o Milan da liderança da competição. Com o empate, a Juventus é a nova líder, com 38 pontos, um a mais do que o Milan. Além da liderança, o Milan perde uma invencibilidade de 11 meses dentro de casa. O que o jogo mostrou foi que organização tática e efetividade vencem a maior posse de bola. Com 67% de domínio ao longo do jogo, os donos da casa não conseguiram converter isso em gol e viram uma falha individual de Abate complicar a situação. Méritos, claro, de Diego Milito, que conseguiu aproveitar bem uma das únicas boas oportunidades da Inter no jogo, mostrando que ainda tem futebol para gastar. Lúcio e Samuel, no miolo da zaga, também merecem destaque. No 4-4-2 de Ranieri, os dois reencontraram o bom futebol e inspiram muita segurança ao setor. Do lado milanista, o técnico Allegri pecou ao escalar Alexandre Pato ao invés de Robinho e ao deixar Boateng fora da posição que rende mais. Braitner Moreira explica melhor em seu blog. Com a vitória, a Inter fica a apenas seis pontos da liderança e volta a sonhar com o título, enquanto o Milan acorda e percebe que não vai ser tão fácil quanto pensavam.

Juventus 1x1 Cagliari
Quem se deu bem com a derrota do Milan foi a Juventus. Mais cedo, o time tinha apenas empatado com o Cagliari, em casa, e o tropeço parecia que ia custar o distanciamento dos rossoneri na tabela. Com a derrota milanista, porém, a Velha Senhora assumiu a liderança isolada do campeonato e teve motivos para comemorar. O time de Conte não apresentou grande futebol e deixou claro que o ataque não funciona tão bem quanto devia, para um time que aspira o título nacional. O gol saiu em bela troca de passes finalizada por Vucinic, logo no início. O Cagliari empatou com Cossu, no começo da etapa final. Cossu que, ao lado de Astori, foi o melhor da partida. Com o empate, a Juve chega ao oitavo empate no campeonato e também a um novo recorde: 18 partidas sem perder na Serie A. O jogo marcou também a estreia de Borriello pelo time. O atacante entrou nos minutos finais e não teve muitas oportunidades.

Genoa 3x2 Udinese
Caso tivesse vencido, a Udinese estaria com 38 pontos e dividiria a liderança do campeonato com a Juventus neste momento. Mas o time de Guidolin não soube aproveitar os tropeços de Milan e Juve e, além de permanecer na terceira colocação, amarga uma aproximação perigosa de Lazio e Inter, que venceram. O jogo contra o Genoa, no domingo, foi um dos mais movimentados da rodada e poderia ter terminado com qualquer placar. Os 20 chutes a gol ao longo do jogo evidenciam isso. A Udinese saiu na frente e manteve o placar até o fim da primeira etapa. O início de segundo tempo para o Genoa, porém, foi avassalador e o time virou a partida em seis minutos, com gols de Granqvist e Jankovic. Mais tarde, Palacio faria 3 a 1, antes de Di Natale diminuir, de pênalti. Destaque para os goleiros Handanovic e Frey, que fizeram defesas muito importantes para ambos os times. O resultado mostra que o time da Udinese perdeu um pouco de fôlego e que o Genoa ao menos ganhou novo fôlego com a chegada de Pasquale Marino, que substituiu Alberto Malesani.

Lazio 2x0 Atalanta
Com pouco brilho, mas muita concentração, a Lazio superou a goleada da última rodada e voltou a vencer na Serie A. O resultado aproxima o time da capital dos três primeiros colocados, que tropeçaram, e dá moral para a equipe. Os gols saíram dos pés de Hernanes (de pênalti), aos 20 minutos do primeiro tempo, e de Klose, já no final do jogo. Do outro lado, a Atalanta não mostrou muita resistência e nem incomodou o goleiro Marchetti, que poucas vezes tocou na bola. A expulsão de Lucchini, no início do segundo tempo, atrapalhou os planos dos nerazzurri, que estacionaram nos 20 pontos e podem começar a se preocupar com os times que vem atrás. Ponto negativo para as lesões de André Dias e Hernanes, do lado da Lazio.

Napoli 1x1 Bologna
No San Paolo, o Napoli apenas empatou com o Bologna e também perdeu a chance de encostar nos líderes. A mágica do estádio parece ter ficado para trás e a campanha do time de Mazzarri em seus territórios não é tão boa quanto já foi. Nos 10 jogos disputados em Nápoles, a equipe venceu apenas quatro, perdeu duas e empatou quatro. Neste domingo, quase que Acquafresca colocou outra derrota na conta dos azzurri. Aproveitando erro de Campagnaro, ele abriu o placar, logo no início, e viu o seu time se defender bem e segurar o ímpeto napolitano, que, na verdade, não era tão forte assim. O time só foi conseguir o empate no meio da segunda etapa, quando Cavani (sempre ele), converteu pênalti e empatou. No final do jogo, contudo, foi o Bologna que partiu para cima e teve até chances de vencer. Ramírez causou complicações a Zúñiga e De Sanctis. O gol não saiu, mas o resultado foi muito comemorado pelo Bologna, que somou importante ponto contra o rebaixamento.

Cesena 3x1 Novara
Em confronto direto pela salvezza, o Cesena se deu melhor e conquistou três pontos importantes, em casa. Mutu foi o homem do jogo e deixou uma certeza: se jogasse sempre assim, o Cesena não correria riscos de voltar à Serie B. O romeno marcou os dois primeiros gols da equipe, antes de sair lesionado, e chegou ao seu tento número 101 na Serie A. Rinaudo, que acabara de chegar em Novara emprestado pelo Napoli, fez gol contra em sua estreia nesta Serie A com a camisa azzurra e praticamente liquidou a fatura ainda no primeiro tempo. Morimoto descontou para os visitantes no final, mas não foi suficiente. Assim, o Cesena chegou aos 15 pontos, três atrás do Siena, primeiro time fora da zona de rebaixamento, e o Novara caiu para a lanterna, uma vez que o Lecce venceu a Fiorentina e chegou aos 13 pontos, um a mais que o Novara. 

Fiorentina 0x1 Lecce
Jogando em casa, a Fiorentina voltou a decepcionar e perdeu para o então lanterna da competição, Lecce. Em jogo pouco atraente, os times não mostraram bom futebol e a Fiorentina chegou a ser vaiada por seus torcedores, que não pouparam jogadores, dirigentes e nem o presidente Della Valle. O jogo foi decidido em um lance polêmico, em que o árbitro deu pênalti duvidoso de Natali em cima de Muriel. O artilheiro Di Michele, que marcou seu quarto gol nos últimos quatro jogos do time, não perdoou e fez o único gol do jogo, já na segunda etapa. Foi a primeira vitória do Lecce depois de sete rodadas e um mau resultado para a Fiorentina, após três bons jogos sem perder. De um lado, o placar acende a esperança dos torcedores. Do outro, a desilusão é cada vez maior. A Fiorentina não consegue engrenar boa sequência e o time, cheio de jogadores desmotivados, há muito tempo não faz seus torcedores sorrirem.

Parma 3x1 Siena
O Parma vinha de uma derrota desastrosa para a Inter, na semana passada (5 a 0), e o Siena vinha de uma grande vitória contra a Lazio, também na última rodada (4 a 0). A moral que poderia ter ajudado o Siena a manter boa distância da zona de rebaixamento, no entanto, desapareceu e o Parma dominou toda a partida, sem dar a menor chance para uma recuperação do Siena. O time de Sannino não se ajudou e errou muito, dando chances para um Parma com vontade e organização, na estreia de Roberto Donadoni. Dois dos gols do time da casa, aliás, saíram em erros adversários. O primeiro tempo terminou 1 a 0, com gol de Biabiany. Valiani aumentou aos 21 minutos da etapa final e Grossi descontou, aos 34. Giovinco definiu a partida nos minutos finais. Com 22 pontos, o Parma ocupa a 11ª posição, tirando um pouco da preocupação dos torcedores, após a goleada sofrida contra a Inter e a troca de Franco Colomba por Donadoni.

Chievo 1x0 Palermo
O mau momento do Palermo não passa. O time está sem vencer desde o dia 5 de novembro, chegou à quarta derrota seguida e agora ocupa a 13ª posição, apenas seis pontos à frente da zona de rebaixamento. O algoz da vez foi o Chievo, que conquistou três importantes pontos, com gol de Sammarco. Com 23 pontos, na 9ª posição, o risco de rebaixamento está se afastando. O meio-campista Bradley foi o grande destaque do jogo, com boa atuação defensiva e ofensiva. O americano foi o principal roubador de bolas do time e homem que mais puxou contra-ataques também. O 4-3-1-2 de Di Carlo vem funcionando bem e a torcida está feliz com a equipe. Do outro lado, Mutti pode começar a pensar na Sampdoria do ano passado, que teve um segundo turno péssimo e acabou rebaixada para a Serie B. Está na hora de o Palermo abrir o olho.

*Catania 1x1 Roma
O jogo entre Catania e Roma foi interrompido aos 19 minutos do segundo tempo por conta da chuva, que prejudicou muito o gramado. O placar estava em 1 a 1, com gols de Legrottaglie, pelo Catania, e De Rossi, para a Roma. O resto da partida deve acontecer no dia 8 ou no dia 15 de fevereiro, dependendo da classificação ou não da Roma para as semifinais da Coppa Italia.

Para resultados, escalações e estatísticas da 18ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 17ª rodada, clique aqui.

Seleção da 18ª rodada
Frey (Genoa); Lichtsteiner (Juventus), Antonsson (Bologna), Samuel (Inter), Nagatomo (Inter); Zanetti (Inter), Bradley (Chievo), Cossu (Cagliari); Palacio (Genoa), Milito (Inter), Mutu (Cesena). Técnico: Claudio Ranieri (Inter).

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Deu para o gasto

Na estreia de Vargas, Napoli entrou com time misto, teve que reverter o placar, mas conseguiu garantir classificação para as quartas-de-final da Coppa Italia (Mosca)
*Por Leonardo Sacco

Não foi fácil como poderia ser, mas o time misto do Napoli deu conta do Cesena e fez com que os partenopei garantissem vaga nas quartas-de-final da Coppa Italia, onde enfrentarão o vencedor do duelo entre Inter e Genoa. Sem parte de seus titulares em campo, os azzurri sairam atrás no placar e tiveram que correr em boa parte do jogo para conseguir a virada que lhes daria a classificação e a vitória final por 2 a 1. Cavani, como sempre, e Pandev, foram os autores dos tentos napolitanos, enquanto Popescu inaugurou o marcador para os visitantes.

Com muitas peças reservas e sem muito entrosamento, o grande destaque do Napoli no começo do duelo foi a estreia do chileno Vargas, reforço desta janela cercado de expectativas dentro da equipe. Sem nenhuma química com seus companheiros e jogando em posição diferente, porém, ele não foi bem na vaga de Lavezzi e deverá voltar ao banco no final de semana, quando os napolitanos enfrentam o Bologna pela Serie A. E se já não bastasse um começo de jogo bastante ruim para os partenopei, a situação só piorou quando Popescu, aos 20 minutos, aproveitou falha da defesa adversária e colocou o Cesena na frente.

Para tentar resolver o problema de entrosamento do Napoli, o treinador Walter Mazzarri sacou Vargas no intervalo e colocou Pandev em seu lugar. A substituição surtiu efeito e logo os napolitanos dominavam a segunda etapa, pressionando e chegando bem próximo do empate. O gol de empate saiu aos 21 minutos, quando Cavani aproveitou sobra após falta cobrada por Pandev e deixou tudo igual. Explosão no San Paolo, que só então começou a funcionar como o caldeirão que os napolitanos estão acostumados.

E quando tudo se encaminhava para a prorrogação, Pandev apareceu novamente e decidiu a partida. Em lance muito polêmico, o atacante bateu falta e viu o árbitro validar seu gol, apesar do protesto dos jogadores do Cesena. Tudo porque o goleiro Ravaglia teria evitado o tento, segurando a bola em cima da linha. Com menos de cinco minutos faltando para o fim do jogo e com a vitória em mãos, o Napoli apenas queimou tempo. Com polêmica e com um Pandev decisivo, os partenopei agora aguardam o vencedor do confronto entre Internazionale e Genoa para descobrir quem enfrentarão nas quartas de final.

Renascimento na hora certa

Positivo: este é o saldo da gestão Ranieri até aqui na Inter, uma vitória no dérbi pode melhorar ainda mais a situação (Getty Images)

Timing. É o que a Inter tem a seu lado às vésperas do Derby della Madonnina, que acontece neste domingo, com mando do rival Milan, um dos líderes da Serie A com 37 pontos. Hoje, os rossoneri contam com oito pontos de vantagem em relação aos nerazzurri, mas a Inter engatou uma ótima sequência, após dias tortuosos na primeira parte da temporada e equilibrou o confronto. 

Pela primeira vez desde que José Mourinho deixou o clube, o lado azul e preto de Milão pode voltar a comemorar uma sequência de cinco vitórias, o que coloca a equipe atrás apenas do próprio Milan e da Juventus em termos de jogos sem perder - os rivais têm 11 e 17 jogos, respectivamente. E, curiosamente, quem fez o time começar a entrar nos trilhos foi justamente Claudio Ranieri, um dos desafetos do português. Ranieri, aliás, declarou que Mourinho tem o ajudado através de SMS, com dicas sobre as características dos jogadores do time.

O piemontês, que assumiu o comando da Beneamata na quinta rodada, foi responsável por reorganizar o time dentro de campo, além de trazer a confiança de volta à Appiano Gentile. Ranieri optou por um esquema tático simples, o 4-4-2, com variações para o 4-3-1-2 e para o 4-1-4-1. Dessa forma, ele conseguiu recuperar a consistência defensiva nerazzurra, que faltava desde quando Rafa Benítez deixou o time. A Inter chegou a ter a pior defesa da Serie A, no início do campeonato. Nas vitórias dos últimos cinco jogos, a equipe sofreu apenas um gol.

A linha defensiva deve dividir o crescimento de produção com os volantes Thiago Motta e Cambiasso, que voltaram a atuar bem e formam uma dupla de marcação bastante forte no meio-campo. No mesmo setor, mas na criação, o argentino Ricky Álvarez, após um início claudicante, vai bem na ausência de Sneijder. Porém, para o dérbi, o holandês deve estar de volta e, com isso, os nerazzurri ganham uma ótima opção para a criação de jogadas, algo que pode impulsionar ainda mais a Inter na disputa pelo scudetto. O camisa dez e talvez melhor jogador do elenco interista ainda não conseguiu se apresentar adequadamente na temporada, pelo fato de estar constantemente contundido. Mesmo com os problemas físicos e tendo jogado apenas sete partidas, ele é o vice-líder de assistências da equipe na Serie A 2011-12, com três passes decisivos. A ótima fase de Álvarez e a falta de ritmo de Sneijder, no entanto, tem feito Ranieri ter dúvidas sobre sua escalação desde o primeiro minuto na partida de domingo.

Nas cinco vitórias consecutivas, além do ótimo desempenho defensivo, o ataque também voltou a produzir. Foram 13 gols marcados contra os 14 realizados nas outras 12 partidas do campeonato. Nove deles foram marcados nas últimas duas vitórias, um 4 a 1 sobre o lanterna Lecce e um 5 a 0 bastante convincente sobre o Parma. As partidas serviram para dar moral a Diego Milito, que marcou três vezes (uma no primeiro e outra no segundo jogo) e chegou aos seis gols, se consolidando como artilheiro nerazzurro na Serie A 2011-12. Revigorado, Milito também participou de outros dois gols na partida ante o Parma e foi ovacionado pela torcida, que mantém apoio incondicional ao atacante.

Uma vitória no dérbi poderá impulsionar a Inter para a disputa do scudetto. Para isso, seria importante que Maicon e Sneijder não ficassem tanto tempo no departamento médico, como ficaram antes da parada de inverno. Pazzini voltando à boa fase, um Forlán se adequando ao sistema de jogo nerazzurro e uma ação forte da diretoria no mercado também serão fundamentais para que a Inter chegue no segundo turno brigando forte pelo seu 19º título da Serie A. A Inter voltou a acreditar na sua capacidade. Com a confiança a seu lado, não parece fora de lugar que Milito, jogador nerazzurro do momento, faça declarações como esta: "Vamos vencer o dérbi e esquecer o começo ruim na temporada”. E já se respiram ares de dérbi.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Ao apagar das luzes, parte 2

Handanovic olha sem acreditar, mas é verdade: a Udinese levou gol nos acréscimos e foi eliminada da Coppa Itala pelo Chievo (Getty Images)

Na tarde desta quarta-feira, dois jogos deram continuidade aos duelos de oitavas-de-final da Coppa Italia. Do mesmo jeito que terça-feira, quando a Lazio conquistou a classificação contra o Hellas Verona apenas nos acréscimos, a partida entre Udinese e Chievo também só foi decidida nos minutos finais. Desta vez,  foi a zebra quem passou. Na capital, a Roma superou a Fiorentina para garantir vaga nas quartas-de-final, onde vai enfrentar a Juventus. O Chievo jogará contra o Siena. Nesta quinta, o Napoli enfrente o Cesena, de olho em uma vaga. Saiba como foram os duelos até aqui:

Udinese 1x2 Chievo
No Friuli, os torcedores viram um típico jogo da Udinese, mas com final triste: teve gol de Totò Di Natale, pressão defensiva dos volantes visitantes e goleiro do Chievo pegando até mosca. O resultado, no entanto, não foi igual. Se na Serie A a Udinese bateu os gialloblù por 2 a 1, na Coppa Italia foi exatamente o inverso. A equipe de Domenico di Carlo conseguiu a vitória com gol no final e, surpreendentemente, está classificada para as quartas-de-final da competição, onde enfrentará o Siena.

Os dois times entraram com times mistos. Do lado bianconero, Ekstrand e Ferronetti entraram na defesa e Sissoko, Gelson Fernandes e Pereyra debutaram no meio de campo. Do lado de Verona, apenas dois titulares começaram a partida: Moscardelli e Sammarco. E foi o meio-campista e capitão do Chievo que abriu o placar. Pellissier conseguiu tirar da marcação pelo alto e Sammarco apareceu à frente de Handanovic para finalizar. Isso aos sete minutos do primeiro tempo. Titulares ou não, a estratégia gialloblù seguiu a mesma: 4-3-1-2, sempre com a marcação pressionando o meio-campo. Nas vagas de Hetemaj e Bradley, atuaram Rigoni e Vacek, que não fizeram feio.

Guidolin modificou a Udinese ainda no intervalo com as entradas de Basta e Floro Flores. Sem trequartista - Torje entrou faltando 15 minutos para o fim do jogo -, os alas bianconeri e Abdi subiam bastante. No entanto, não contavam com uma boa apresentação de Acerbi, firme no combate, e Sardo, que fechava em Pasquale. Atrás, Christian Puggioni fez pelo menos seis defesas difíceis. Até parecia Stefano Sorrentino. O jogo era pegado e feio, até Di Natale cobrar linda falta no canto esquerdo e empatar o jogo, já aos 39 minutos da etapa final. Prorrogação? Era o que todos imaginavam. Nos acréscimos, porém, Sammarco deu passe em profundidade para Thèrèau dar a vantagem novamente ao Chievo e matar o jogo. Segundos após, o goleiro gialloblù ainda defendeu finalização dentro da pequena área, para coroar sua ótima atuação com a vaga. Zebra pintada com amarelo e azul na primeira derrota da Udinese em casa em competições italianas.

Roma 3x0 Fiorentina (por Felipe Portes)
Roma e Fiorentina fizeram um duelo interessante na tarde de ontem no Olímpico. Aliás, nos 45 minutos iniciais parecia que só os visitantes de Florença queriam a vaga. Tomando todas as ações ofensivas e acuando o mandante, a Fiorentina pressionou com Salifu, Montolivo e Jovetic. O perigo esteve presente na área romanista durante toda a primeira etapa, mas Heinze e Stekelenburg trabalharam bem para barrar o primeiro tento viola, que foi para o intervalo sem a vantagem no placar. Apática, a Roma só assistia, se defendia e parecia esperar um golpe crucial para definir os rumos da partida.

Bem como em outras oportunidades, os 15 minutos de intervalo muito foram úteis para a recuperação giallorossi dentro de campo. Sabe lá o que Luis Enrique falou no vestiário, mas o efeito foi quase que imediato. Lamela retornou de forma infernal para os 45 minutos finais, mudando completamente o panorama do duelo. Com dois gols e muito oportunismo, o argentino tratou de compensar o sumiço de Totti pelo romanista. O meio de campo de nenhum dos dois times funcionava bem e era difícil imaginar mais alguma alteração no placar. No final, porém, Borini aproveitou falha defensiva da Fiorentina para marcar o terceiro e fechar o caixão. Agora, a Roma enfrenta a Juventus nas quartas-de-final. Para a Fiorentina, está terminada qualquer chance de fazer uma boa campanha neste ano. Mais uma vez, os torcedores vão ter que esperar pela próxima temporada.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Ao apagar das luzes

Nos acréscimos, Hernanes marcou um golaço e colocou a Lazio nas quartas de final de Coppa Italia. (Fotonotizia)
Com uma vitória conquistada apenas nos acréscimos, a Lazio conseguiu "espantar" a crise que beirava Formello, venceu o Hellas Verona e garantiu vagas nas quartas-de-final da Coppa Italia. Os biancocelesti ficaram longe de convencer sua torcida, mas acalmaram o clima conturbado após a goleada sofrida contra o Siena. Para o Verona, fica como consolação a boa apresentação no segundo tempo, e como alerta a fragilidade da defesa.

A partida, válida pelas oitavas de final da Coppa Italia, envolvia duas equipes em situações diferentes: a Lazio vinha de derrota por 4 a 0; o Verona chegou ao Olimpico com um retrospecto de dez vitórias nos seus últimos onze jogos, com direito a nove vitórias consecutivas. E, logo no primeiro minuto, os gialloblù assustaram, com a cabeçada de Bjelanovic, após bom cruzamento de Hallfredsson. Bizzarri defendeu. Esta foi a única boa jogada do Verona no primeiro tempo. Depois disso, a Lazio tomou conta do jogo, mas sem criar chances reais de gol. No final do primeiro tempo, aos 44 minutos, André Dias antecipou Russo e escorou cobrança de escanteio para abrir o placar.

Na segunda etapa, o Verona, que até então só havia se defendido, começou pressionando os donos da casa. Aos três minutos, Russo recebeu bola em profundidade e Bizzarri teve que sair do gol para evitar o empate. Cissé, que quase não participou do primeiro tempo, apareceu com perigo por duas vezes: na primeira Rafael defendeu, após chute colocado do francês e na segunda a bola passou muito próxima ao gol do Verona. 

Cissé também deu ótimo passe para Rocchi, que matou no peito e chutou de canhota, a bola desviou em Pugliese e foi para no fundo do gol, não dando chances à Rafael. Após tomar o segundo gol, o Verona reagiu rapidamente. Berrettoni, que havia acabado de entrar na partida, mergulhou de peixinho e diminuiu para os butei. Mesmo com o gol sofrido, a Lazio melhorou com a entrada de Klose, que criou boas jogadas. Mas o Verona aproveitava bem os espaços que encontrava nas laterais, devido às fracas atuações de Lulic e Cavanda, a também levava perigo.

Aos 30 minutos da segunda etapa, D'Alessandro, que também havia entrado há pouco tempo, aproveitou a falta de atenção da defesa laziale, recebeu a bola por trás da zaga e só teve o trabalho de tocar por baixo de Bizzarri, para empatar o jogo. A partir daí, a Lazio tentou pressionar, mas não teve organização necessária para agredir o adversário.

Eis que, já nos acréscimos, Rocchi sofreu falta na entrada da área e deu esperanças para a torcida. Hernanes, que fazia uma partida fraca até aquele momento, bateu no ângulo, com curva, e evitou a prorrogação e um maior desgaste para o time. A Lazio novamente não jogou bem, mas conseguiu o resultado positivo, principalmente por conta da fragilidade defensiva do adversário. Resta agora recuperar a moral perdida após o vexame em Siena e se reergeuer na Serie A. O Hellas Verona saiu sem a vitória, mas volta para a Serie B com a cabeça levantada, honrada por ter dado trabalho para a Lazio.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

17ª rodada: Sem empates

Ibrahimovic decidiu mais uma vez e o Milan continua na liderança. Os oitos times que vêm atrás também venceram e parte de cima da tabela não mudou (Getty Images)
A primeira rodada da Serie A em 2012 foi recheada de gols. Em todos os cantos da Bota onde a bola rolou, pelo menos um gol aconteceu. Ao todo, a rede balançou 30 vezes e nenhum jogo terminou empatado. Destaque para as goleadas de Inter e Siena, no sábado, e para as vitórias de Milan, Juventus, Udinese, Napoli e Roma, no domingo. Entre os nove primeiros colocados, só a Lazio perdeu, resultado que distancia o time da capital da briga por vaga na Liga dos Campeões. Assim, a tabela não sofreu muitas alterações após a 17ª rodada. Vamos aos resumos:

Atalanta 0x2 Milan
Em Bérgamo, o Milan conseguiu três importantes pontos mesmo sem jogar bem. Ibrahimovic (para variar) foi quem decidiu. Com um gol (de pênalti) e uma assistência, o sueco interferiu diretamente no resultado final e saiu do jogo como melhor jogador em campo. Com a vitória, o Milan chega ao 12º jogo sem perder. A última derrota foi no dia 2 de outubro, contra a Juventus. A bela campanha dos rossoneri passa muito pela ótima forma física dos comandados de Allegri. Neste domingo, o jogo contra a Atalanta foi muito disputado fisicamente e o Milan conseguiu se sair melhor. Na zaga, Thiago Silva fez ótima partida e bloqueou diversas chances do time da casa, bem organizado e aguerrido. O primeiro gol saiu logo aos 22 minutos de jogo, quando Manfredini fez pênalti em Pato e Ibra converteu. O segundo saiu aos 33 minutos da etapa final, com Boateng aproveitando bom passe do sueco para fechar o placar. Com a semana livre, o Milan começa a se preparar para o dérbi contra a Inter, no próximo domingo.

Lecce 0x1 Juventus
Quem também conseguiu levar os três pontos para casa sem jogar bem foi a Juventus. O time de Conte criou pouquíssimas oportunidades durante toda a partida e parecia esperar um erro do adversário para resolver o jogo. E foi o que aconteceu: aos 27 minutos, Vucinic abriu espaço, chutou e viu o goleiro Benassi dar rebote desnecessário para Matri marcar o único gol da partida. Matri que, aliás, tinha acabado de entrar no jogo. Quagliarella começou como titular, mas acabou sendo substituído após sentir dores na perna direita. Depois do gol, a Juventus se preocupou apenas em administrar o resultado e o jogo ficou chato. Com o resultado, a Juve permanece colada no Milan, dividindo a liderança da competição, e o Lecce continua com a lanterna na mão, com apenas dez pontos conquistados em 17 jogos.

Udinese 4x1 Cesena
A Udinese não desgruda dos líderes. Jogando em casa, fez um dos jogos mais movimentados do fim de semana, contra o Cesena. Logo no primeiro minuto de jogo, Floro Flores cruzou para Di Natale colocar os bianconeri em vantagem. Depois disso, os visitantes foram para cima e conseguiram levar algum perigo ao gol de Hadanovic, com Mutu e Éder, principalmente. A pressão deu certo e aos 39 minutos Eder empatou o jogo, dando nova esperança para o Cesena. Na volta do intervalo, porém, o time de Arrigoni pecou pela falta de atenção, mais uma vez, e levou outro gol logo no início: Asamoah chutou de longe e o goleiro Antonioli não conseguiu segurar, colocando o time da casa de novo no jogo. E o erro caiu como um balde de água fria no time, que conseguira se recuperar na primeira etapa. Lauro foi expulso um pouco depois, pelo segundo cartão amarelo, e terminou de desestabilizar o time. Basta e Di Natale, de novo, deram números finais ao jogo. A Udinese permanece apenas dois pontos atrás dos líderes e o Cesena não consegue sair da zona de rebaixamento.

Palermo 1x3 Napoli
Na Sicília, foi dia de o Napoli quebrar um tabu que já durava quase 43 anos: dentro do Renzo Barbera, os napolitanos não venciam o Palermo pela Serie A desde 1969. Em grande partida de todo o time, porém, não foi difícil deixar essa marca para trás. Os três homens de frente marcaram (Pandev, Cavani e Hamsik) e não deixaram dúvidas quanto à superioridade dos azzurri, que ocupam a sexta colocação, com 26 pontos. O belo gol de Cavani mereceu, inclusive, aplausos dos torcedores do Palermo, ex-time do uruguaio. A partida marcou também a estreia do treinador Mutti em casa. Começo não muito bom, uma vez que o Palermo tinha perdido apenas uma vez em seus domínios até aqui. Os gols do Napoli saíram aos 35 minutos do primeiro tempo e depois aos 9' e aos 15' da etapa final. Miccoli descontou para o Palermo já no fim. Com a derrota, o Palermo cai para a 10ª colocação e se distancia ainda mais das zonas de classificação para competições europeias.

Roma 2x0 Chievo
O crescimento da Roma continua com tudo. Contra o Chievo, neste domingo, o time de Luis Enrique venceu a terceira partida consecutiva e viu Totti marcar pela primeira vez na competição. E os torcedores não estão felizes só por conta dos dois gols de pênalti marcados pelo capitão. O futebol da equipe vem melhorando partida a partida e o trabalho do técnico espanhol começa a dar resultados. Sem Osvaldo, lesionado, e Borriello, cedido à Juventus, a Roma entrou em campo com o ataque formado por Lamela-Totti-Bojan e deu muito trabalho ao Chievo. Bojan fez sua melhor partida vestindo gialorosso até aqui. O espanhol, inclusive, foi protagonista de dois lances que poderiam ter dado mais dois gols para a Roma, em pênaltis não marcados pelo juiz. Grande partida também do goleiro Sorrentino, que salvou o time visitante algumas vezes. O Chievo só incomodou os donos da casa no início do segundo tempo, quando pressionou e não deixou a Roma fazer seu jogo. Com 27 pontos, o time da capital está próximo de entrar na zona de classificação para a Liga Europa. O Chievo tem 20 e permanece no meio da tabela.

Novara 0x3 Fiorentina
Apesar de ter superado o Novara sem grandes dificuldades, esse foi um jogo muito importante para a Fiorentina no campeonato. Primeiro, porque foi a primeira vitória fora de casa da equipe nesta Serie A. Depois, porque     Montolivo parece ter acordado. Depois de meses apresentando futebol bem abaixo da média, o meio-campista voltou a fazer um bom jogo e até marcou gol. Quem decidiu, porém, foi o mesmo de sempre: Jovetic. O montenegrino marcou dois gols e foi aplaudido por todo o estádio. Destaque também para a boa partida de Ljajic. Com time cada vez mais jovem, a Fiorentina vai se ajeitando e caminhando para uma competição sem perigos. O Novara não chutou a gol nenhuma vez e a Serie B deve mesmo ser seu destino em 2012-13.

Bologna 1x0 Catania (Murillo Moret)
Engana-se quem acredita que os problemas do Catania acabaram com a dispensa do goleiro Mariano Andújar. Vincenzo Montella escalou Andrea Campagnolo, mas os rossazzurri foram novamente derrotados. Perderam com duas falhas do arqueiro de 33 anos. Perderam, também, por conta de uma boa exibição de Alessandro Diamanti. Jogando em casa, o Bologna pressionou no primeiro tempo. As principais chances vieram com Di Vaio e Acquafresca. Gillet fez ótima intervenção no único perigo levado pelo Catania. Gols somente na etapa final. Diamanti cruzou na cabeça de Cherubin. O goleiro não soube se posicionar e acabou sendo vazado. Nos acréscimos, Di Vaio recebeu passe em profundidade, finalizou e Campagnolo devolveu o chute fraco nos pés do capitão, que não perdoou pela segunda vez e fechou o placar. O Bologna conseguiu se reestabelecer e deu uma respirada após a vitória - já contava duas derrotas seguidas. Próxima rodada tem Napoli x Bologna, no San Paolo, e Catania x Roma, no Angelo Massimino.

Cagliari 3x0 Genoa (Murillo Moret)
O jogo era de debute para Pasquale Marino, sucessor de Alberto Malesani como técnico do Genoa, e de Alberto Gilardino, principal contratação do mercado de inverno até aqui. O atacante foi escalado como titular por conta dos desfalques do lado grifone: Kaladze, Miguel Veloso e Palacio, protagonista, estavam de fora. Mas não foi um bom dia para eles. Mesmo sem Conti, o Cagliari foi para cima do Genoa e superou com certa facilidade o time visitante. O centroavante Larrivey, que substituiu Nenê, fez o primeiro: o pênalti de Kucka em Cossu foi discutível, mas a finalização forte e certeira de Larrivey não. Atrás no placar, o Genoa foi para cima e se abriu demais. As investidas, no entanto, foram sem sucesso. Os donos da casa continuaram mandando na partida. Ibarbo, em um excelente contra-ataque, ampliou para o Cagliari e Granqvist, contra, fechou o caixão. Os grifoni começaram a temporada sonhando com a Liga Europa, mas a 12ª posição em janeiro e as poucas duas vitórias nas últimas sete partidas não animam nem o torcedor mais otimista. Para piorar, a adversária na próxima rodada é a forte Udinese.

Clique aqui para ver todos os gols da rodada.

Para resultados, escalações e estatísticas da 17ª rodada, clique aqui.
Para relembrar os jogos de sábado, clique aqui.
Para relembrar a 1ª rodada, clique aqui.

Seleção da 17ª rodada
Sorrentino (Chievo); Danilo (Udinese), Juan (Roma), Thiago Silva (Milan); Álvarez (Inter), Nainggolan (Cagliari), Gargano (Napoli), Jovetic (Fiorentina); Destro (Siena), Milito (Inter), Ibrahimovic (Milan). Técnico: Claudio Ranieri (Inter).

domingo, 8 de janeiro de 2012

17ª rodada: Reinício animador

Diego Milito fez boa partida e, com dois gols, foi um dos destaques da goleada sobre o Parma (Getty Images)

O recesso de fim de ano parece ter feito bem para a Serie A italiana. Nos dois jogos que marcaram a volta dos times aos gramados, as redes balançaram nove vezes, em duas boas goleadas de Inter e Siena. O time de Milão venceu um fraco Parma por 5 a 0, alcançou os 29 pontos, e se estabeleceu na zona de classificação para a Liga Europa. Mais cedo, o Siena já tinha surpreendido a Lazio e derrotado o time da capital por 4 a 0, quebrando qualquer previsão. Assim, os bianconeri marcaram três pontos importantes para se afastar ainda mais da zona de rebaixamento. Vamos aos resumos dos jogos:

Inter 5x0 Parma
Um atropelo no Giuseppe Meazza. Contra um Parma (mal) montado no 4-4-2, a Inter não teve problemas para conquistar os três pontos. Milito, que não fazia boas partidas há tempos, voltou a jogar bem e marcou dois gols. No primeiro, aproveitou bom cruzamento de Alvarez para abrir o placar. Alvarez, inclusive, foi um dos destaques do time. Atuando como trequartista, soube tocar na hora certa, cadenciar o jogo e armar as principais jogadas ofensivas nerazzurri, se aproveitando do mau posicionamento da defesa rossoblù.. O segundo gol da Inter saiu dos pés de Thiago Motta, de fora da área, em um chute violento de canhota, que Mirante não teve chances de defender. Milito fez mais um antes das equipes saírem para os vestiários. 

O Parma, obcecado em tocar para Giovinco e torcer por uma jogada mirabolante do meia baixinho, nada fez. Floccari ficou muito isolado na frente e Giovinco não tinha opção de passe. Modesto e Biabany recuavam demais algumas vezes e atrapalhavam as investidas ofensivas do time. Pazzini e Faraoni - com um lindo gol - fizeram a Inter aproximar da Lazio na 4ª colocação, dando números finais ao jogo. O resultado dá moral para o dérbi da próxima rodada, contra o Milan. Assim, a Inter completou cinco jogos de invencibilidade. Neste meio tempo, sofreu apenas um tento. Do outro lado, os crociati não vencem há seis partidas. Franco Colomba precisa arrumar a defesa, pois a equipe foi vazada onze vezes nos últimos três confrontos. Na próxima rodada, encara o Siena.

Siena 4x0 Lazio
No Artemio Franchi, o Siena pouco sentiu as faltas de D'Agostino, suspenso, e Brkic e Vergassola, machucados. Nada mais justo do que o melhor jogador bianconero no campeonato marcar o primeiro gol do retorno da Serie A: Mattia Destro deixou para trás Stankevicius, em péssima partida, e Biava para finalizar cruzado e vencer Bizzarri. A Lazio chegou poucas vezes, e sem sucesso. Enquanto isso, a retaguarda do time da capital amedrontava os torcedores. Não por menos Gervasoni marcou pênalti de Stankevicius em Brienza (discutível, diga-se de passagem). Minutos depois, Bizarri foi expulso após outra infração - esta sobre Destro. Calaiò, em ambas, converteu. No segundo tempo, além de Destro dar números finais ao jogo, Sculli discutiu com Edy Reja ao ser substituído. O técnico laziale afirmou que o atacante estava muito tenso e preferiu sacá-lo.

Foi uma das piores partidas da Lazio na temporada. A defesa, com Scaloni e Stankevicius nos lugares de Konko e André Dias, sucumbiu diante de um time com poder de fogo pífio: nos últimos cinco jogos, o Siena não tinha marcado nenhum gol. E ainda saiu barato para os biancocelesti, que poderiam ter voltado para casa com um resultado ainda pior, tamanha a falta de organização na retaguarda. Desse modo, a Lazio fica parada nos 30 pontos e permite a aproximação da Inter, que agora está apenas um ponto atrás, na quinta colocação. No próximo fim de semana, o time enfrenta a boa Atalanta, para tentar recuperar a moral. O próximo desafio do Siena é contra o devastado Parma, fora de casa.

Para resultados, escalações e estatísticas da 17ª rodada, clique aqui.
Para relembrar a 1ª rodada, clique aqui.

*Texto de Murillo Moret