Subscribe Twitter Facebook

terça-feira, 30 de setembro de 2014

5ª rodada: Doce ilusão?

Há dois anos, Mazzarri usa mesmas justificativas para tropeços da Inter (Getty Images)
As três primeiras rodadas foram positivas para as equipes de Milão. Inter e Milan haviam jogado bem o suficiente para aparecerem como potenciais rivais para Juventus e Roma – sobretudo com a queda acentuada de Fiorentina e Napoli. Duas rodadas depois, a dupla milanesa já mostrou que vai precisar superar a irregularidade e diversas limitações para darem razão àqueles que apontaram nerazzurri e rossoneri como outsiders nesta Serie A. Serão apenas ilusões?

Um sonho bom, até o momento, é o vivido por Udinese e Sampdoria, gratas surpresas deste início de campeonato: com quatro vitórias em cinco jogos, os bianconeri ocupam a terceira posição, enquanto a Samp, ainda invicta, vem logo atrás, com três vitórias e dois empates. Para a Inter, certamente não faz bem ver Mazzarri receber pouco mais de 3 milhões de euros por ano enquanto Stramaccioni e Mihajlovic – que passaram por lá como técnico e auxiliar, respectivamente – ganham muito menos e, até agora, tem resultados mais expressivos. No Milan, Inzaghi ainda não pode ser avaliado com precisão, uma vez que iniciou seu trabalho há poucos meses e tem potencial de crescimento e cobranças menores. Acompanhe o resumo da rodada.
 
Inter 1-4 Cagliari
Nos últimos tempos, a Inter tem vivido alguns de seus piores resultados em toda a história. Colocações ruins na Serie A, recordes negativos e uma série de tropeços incríveis. Antes da chegada de Mazzarri e também depois que o toscano aportou em Milão. Neste domingo, a derrota para o Cagliari treinado por Zeman foi mais uma humilhação vivida pelos torcedores nerazzurri. O time ultraofensivo do treinador visitante ainda não tinha engrenado no campeonato, e nem dá para dizer que fez um jogaço. Mesmo assim, aproveitou falhas da defesa da casa e goleou. Goleou com três gols de um jogador – Ekdal – que tinha apenas cinco tentos em quase 200 partidas como profissional. Um feito incrível. E, com a cara de pau de quem não tem desculpas, Mazzarri ainda disse que executou mal o rodízio do elenco e que seus jogadores estavam cansados. Com menos de um mês de temporada realizado e apenas dois jogos nas pernas a mais que o adversário do fim de semana.

A humilhação sofrida por esta Inter irregular foi condicionada, é verdade, pela péssima atuação de Nagatomo. Primeiro, o lateral se atrapalhou e deu um presente para Sau abrir o placar. Osvaldo empatou pouco depois, mas Nagatomo achou interessante receber dois cartões amarelos em dois minutos – um deles, o crucial, por uma falta desnecessária no meio-campo. Com um a menos, a Inter logo sofreu o primeiro gol de Ekdal, em falha defensiva. Depois, Handanovic pegou o segundo pênalti nesta Serie A – ambos cometidos por Vidic, até agora um mau negócio para a Beneamata. Na sequência, outro erro da defesa resultou em mais um gol do sueco Ekdal. Para fechar a conta, Ibarbo passou como quis por Dodô e Vidic e só tocou para o volante marcar sua tripletta. No segundo tempo, os sardos tiveram pouquíssima dificuldade para administrar o jogo contra uma Inter que não acertava passes. (Nelson Oliveira)

Cesena 1-1 Milan
Depois do bom começo, o Milan sucumbiu mais uma vez frente a um time recém-promovido da segundona e não saiu do empate contra o Cesena. E assim como no jogo da última rodada, a equipe saiu atrás graças a vacilos defensivos. Logo aos dez minutos, Abbiati rebateu mal chute de Marilungo e Succi, livre da marcação de Zapata, só teve o trabalho de concluir ao gol e abrir o placar. A vantagem não durou muito. Leali foi bem na cobrança de falta de Honda, mas no escanteio originário da defesa, Rami subiu com propriedade e cabeceou no canto para empatar o jogo, aos 19’.

Apesar de Ménez e Torres pouco inspirados, o Milan seguiu melhor e criou chances, mas sem conseguir concluir com precisão. Os cavalos marinhos jogaram mais na segunda etapa e criaram boas chances, mas sem furar a zaga rossonera. A expulsão de Zapata quase complicou o jogo para o Milan, mas, mesmo com um a mais, a equipe da casa não conseguiu o segundo gol. Embora a distância para a Sampdoria, terceira colocada seja de apenas três pontos, os rossoneri já veem Roma e Juventus abrirem sete de vantagem na liderança, mostrando que a realidade da equipe é mesmo brigar pela vaga na Liga dos Campeões. Já o Cesena, pode dar-se por contente, pois tem cinco pontos, mas já encarou Lazio, Milan e Juventus. (Caio Dellagiustina)

Roma 2-0 Verona
No dia de seu 38º aniversário, Francesco Totti recebeu de seus companheiros como presente a quinta vitória da Roma na Serie A, resultado que mantém os giallorossi com 100% de aproveitamento e no encalço da Juve. Destro foi quem caprichou mais e colocou a cereja no bolo do capitão com um golaço histórico. O atacante da Azzurra dominou bola no peito perto do meio de campo, girou e mandou por cobertura, em chute de mais de 40 metros que balançou as redes de Gollini e fez a torcida explodia de alegria. Antes, Florenzi já havia aberto o placar.

A festa no Olímpico, porém, começou tarde. No primeiro tempo e no início da segunda etapa, os donos da casa encontraram dificuldades para furar o bloqueio do Verona e pouco incomodaram. Destro perdeu chances e o bom time de Mandorlini parecia que ia conquistar mais um bom resultado. Os pontos não vieram, mas, mesmo assim, a equipe de Verona subiu uma posição na tabela - por causa da derrota por goleada da Inter - e entrou na zona de classificação para a Liga Europa. Na vice-liderança, a Roma agora se concentra no difícil duelo contra o Manchester City, nesta terça, pela Liga dos Campeões. (Rodrigo Antonelli)

Atalanta 0-3 Juventus
A Juventus visitou a Atalanta em Bérgamo e venceu por 3 a 0, com mais uma ótima atuação de Tévez, sobretudo. O argentino marcou o primeiro gol da partida após boa jogada iniciada por Llorente e cruzamento de Lichtsteiner. Buffon ainda não tinha sido bastante exigido na Serie A até que Chiellini derrubou Estigarribia na área. O goleiro da Juve apontou o canto, defendeu o pênalti de Denis e a Velha Senhora chegou ao segundo tento no lance de contra-ataque. Após tocar a bola por um minuto, Tévez, de fora da área, acertou um chute no canto direito. Morata deu números finais ao confronto no Atleti Azzurri d'Italia.

O time bianconero é o primeiro a alcançar cinco vitórias nas rodadas iniciais sem ser vazado na Serie A. Marchisio chegou a comentar sobre o início da temporada e, mesmo falando que se considera um mezz'ala, afirmou que suas ótimas exibições como volante só são possíveis pela confiança dada pelo técnico Allegri. Na próxima rodada, a Juve encara a Roma, em casa; a Atalanta enfrenta a Sampdoria, no Luigi Ferraris. Antes, a Velha Senhora tem difícil confronto fora de casa na LC contra o Atlético de Madrid, atual vice-campeão do torneio. (Murillo Moret)

Udinese 4-2 Parma
Uma das partidas mais agradáveis desta Serie A até então aconteceu na segunda-feira. Em um estádio Friuli com reformas a todo vapor (e pouco público), Udinese e Parma fizeram uma partida interessante do ponto de vista técnico e do ponto de vista tático – são as duas equipes que melhor alternam esquemas com três e quatro defensores em toda a Itália. Dentro de campo, ótimo futebol jogado. Do lado bianconero, o goleiro Karnezis, o lateral direito Widmer, o zagueiro Heurtaux, os volantes Badu e Allan, além do interminável atacante Di Natale foram muito bem. Pelo lado do Parma, apesar de trapalhadas de Lucarelli, brilharam Cassano e José Mauri. Além dos veteranos Di Natale e Cassano (que, com quatro gols, lideram a artilharia do torneio, ao lado de Osvaldo e Tévez), vale destacar que Allan é o melhor brasileiro na temporada italiana, até então, e que o ítalo-argentino Mauri tem muito futuro e joga como um veterano.

A construção do resultado que manteve a Udinese com a terceira posição na Serie A, com 12 pontos, três atrás de Juventus e Roma, foi dura. Foi o Parma quem saiu na frente, depois que Cassano passou, Mauri penteou e bateu firme, no canto de Karnezis. Di Natale virou, após dois chutes de primeira, mas logo após a virada, Mauri sofreu pênalti. Cassano bateu com cavadinha e levou o jogo empatado para o intervalo. Após a pausa, porém, a Udinese voltou melhor para o gramado e, com meia-bicicleta, o zagueiro Heurtaux fez o terceiro. No final, depois de sofrer a pressão dos visitantes, o time friulano matou o jogo. Na verdade, foi suicídio: Lucarelli se enrolou na saída de bola e Théréau, esperto, aproveitou para fechar o placar. (NO)

Sassuolo 0-1 Napoli
Tardou, mas chegou. O Napoli acabou com o jejum de três partidas sem vitória ao bater o Sassuolo, no Città del Tricolore, por 1 a 0 - mas precisa agradecer a trave... Hamsík e Brighi tiveram boas chances antes de Callejón, aos 28 minutos, marcar o único gol da partida, depois de cruzamento de Higuaín.

O time da casa foi superior durante o resto da partida. Zaza foi bloqueado na hora da finalização por Koulibaly, Taïder não conseguiu acertar o gol de longa distância, Missiroli quase surpreendeu Rafael com um ótimo remate e Pavoletti parou em uma defesa incrível de Rafael. No fim da partida, um chute de Peluso desviado por Zuñíga bateu no travessão e saiu. Sorte que dá mais tranquilidade para Rafa Benítez trabalhar nos próximos dias. (MM)

Palermo 0-4 Lazio
Só três equipes ainda não conheceram o sabor da vitória nesse campeonato: Empoli, Sassuolo e Palermo. Os rosanero fizeram mais uma partida abaixo da média, nesta segunda-feira, e sofreram goleada de 4 a 0 para a Lazio, dentro de casa. Ainda assim, a equipe foi aplaudida pelos torcedores e deve ter mais algum tempo de tranquilidade para tentar se recuperar na competição. Do outro lado, uma Lazio arrasadora não desperdiçou chances e voltou a vencer na competição, chegando aos seis pontos ganhos, após duas derrotas consecutivas. Em boa hora para o técnico Pioli, cujo trabalho já vinha sendo questionado.

No primeiro tempo, os dois times pouco produziram até os 40 minutos de jogo. O Palermo teve as primeiras chances efetivas a cinco minutos do fim da etapa inicial, mas Vázquez e Dybala erraram. O atacante Djordjevic, pouco depois, não quis deixar sua chance passar e marcou o 1 a 0, no que foi seu primeiro gol na Serie A. O sérvio ainda balançou as redes mais duas vezes, mostrando oportunismo e qualidade, e comemorou a tripletta junto com Parolo. O meia marcou o quarto gol, já nos acréscimos, que selou a goleada laziale. (RA)

Genoa 0-1 Sampdoria
Os dérbis de Gênova são sempre partidas bastante emocionantes. Com uma riquíssima atmosfera na torcida e lindas camisas dentro de campo, é um dos clássicos de mais rivalidade na Itália. Desta vez, porém, apesar de o nível técnico do jogo no Marassi não ter sido alto – e de nem terem havido expulsões, fato raro no confronto –, valeu a pena assistir ao jogo.

Em campo, a partida foi bastante brigada, mas sem deslealdade. Entradas com mais vontade aconteciam, mas ninguém partia para a violência. O equilíbrio foi bastante grande, e as defesas levavam vantagem – com destaque para Roncaglia e Edenílson no lado rossoblù e do jovem Romagnoli, que barrou o capitão Gastaldello, no lado doriano. Na segunda etapa, o jogo pouco mudou, e aos 31 minutos, Gabbiadini cobrou falta diretamente no gol – porém, dois jogadores da Sampdoria estavam impedidos e atrapalharam Perin, o que deveria fazer o gol ser anulado. Após o apito final, o já folclórico novo presidente da Samp, o cineasta Massimo Ferrero, desceu para o campo e correu para saudar a torcida juntamente com os jogadores, em uma cena que ficará marcada na história do Derby della Lanterna. (NO)

Torino 1-1 Fiorentina
Os granata e os viola são duas das maiores decepções neste início de Serie A: estão no meio da tabela e inspiram pouca confiança. Se, por um lado, já se esperava que o Torino demorasse a entrar nos eixos após as perdas de Cerci e Immobile, não se imaginaria que a Fiorentina sofresse tanto com as novas lesões de Gómez e Rossi – afinal, os dois passaram grande parte de 2013-14 afastados. Desta vez, no entanto, os florentinos também não puderam contar com Cuadrado, o que limitou as ocasiões criadas, embora Mati Fernández tentasse. Jogando com o mesmo time que bateu o Cagliari por 2 a 1 no meio da semana, o Torino tentava responder, mas também criava pouco. 

No fim das contas, destaque para os goleiros Gillet e Neto, que apareceram quando exigidos, a não ser quando Quagliarella e Babacar foram mais espertos e finalizaram com precisão, marcando os gols da partida. Vale salientar, ainda, a boa partida do ex-santista Bruno Peres, que deu passe para o gol e vem sendo elogiado na Itália. Do lado da Fiorentina, o garoto Bernardeschi, destaque do Crotone na última Serie B, também apareceu bem nos poucos minutos em que esteve em campo e deu a assistência para o gol de empate violeta. (NO)

Chievo 1-1 Empoli
Pode-se dizer que o empate com gols ficou de bom tamanho pelo que as duas equipes davam a impressão de querer. Mesmo mal na tabela, tanto Chievo quanto Empoli foram a campo repletos de zagueiros. No primeiro tempo quase inútil, quem chegou mais perto – mas nem tanto – do gol foi o Chievo. Já os azzurri, embora com a mesma equipe que quase arrancou três pontos do Milan, pareciam perdidos em campo.

Na segunda etapa, um pouco de esperança para quem estava nas arquibancadas do Bentegodi. As trocas deram resultado e o Chievo saiu na frente. Após assistência de Paloschi, Meggiorini após uma ano e meio sem marcar, desencantou e colocou os veroneses em vantagem. A festa em Verona durou pouco e Maccarone, que também havia entrado no intervalo, deu linda assistência para Pucciareli empatar o jogo. E a virada só não veio porque o atacante perdeu uma chance incrível dentro da pequena área. (CD)

Relembre a 4ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Buffon (Juventus); Widmer (Udinese), Heurtaux (Udinese), Romagnoli (Sampdoria), Braafheid (Lazio); Florenzi (Roma), Ekdal (Cagliari), Ibarbo (Cagliari); Tévez (Juventus), Di Natale (Udinese), Djordjevic (Lazio). Técnico: Andrea Stramaccioni (Udinese).

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário