Subscribe Twitter Facebook

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

24ª rodada: O retorno da Inter?

Icardi marcou o gol que decidiu o confronto a favor da Internazionale (Corriere dello Sport)
Em uma rodada bastante picotada, com jogos de sexta a terça, a Serie A teve mais uma vez o distanciamento da Juventus sobre a Roma, algo que já vinha se desenhando nos últimos meses. No entanto, a notícia que mais pode ser considerada surpreendente nesta semana, que também teve adiamento do dérbi de Gênova e o da partida entre Parma e Udinese, é o crescimento da Inter, que começa a encostar no pelotão de cima da tabela. Acompanhe o resumo da rodada.

Cagliari 1-2 Inter
Pela primeira vez na temporada, a Inter conseguiu atingir a marca de três vitórias consecutivas – na verdade, pela primeira vez desde 2012. Após tanto tempo de irregularidade, triunfos em sequência são novidade para a equipe treinada por Mancini. O que não é novidade é que o time sofre demais na defesa, e por isso quase jogou no lixo os três pontos conquistados na Sardenha. De qualquer forma, o time evolui, e vai se mostrando cada vez mais apto para brigar por uma vaga em competição europeia. Hoje, a Inter ocupa a 8ª posição, quatro pontos atrás da Fiorentina, 5ª colocada. A vantagem pode diminuir na semana que vem, caso os milaneses vençam o confronto direto, no Giuseppe Meazza.

O primeiro tempo contra o Cagliari foi um dos melhores dos nerazzurri em toda a temporada. O time foi propositivo, dominou as ações e, mesmo que o Cagliari tenha importunado, foi a Beneamata que poderia ter aberto o placar, com Guarín, um impreciso Podolski e com Brozovic e Icardi, bloqueados por Brkic e Avelar. O gol chegou logo após o intervalo, quando Kovacic – de volta ao time titular após quatro jogos no banco – aproveitou sobra de bola e chapou para a rede. Se no primeiro tempo era Santon que dava trabalho a Dessena, na segunda etapa foi M'Poku, o melhor dos rossoblù, quem atordoou a defesa interista no segundo, sempre com jogadas de muita habilidade e perigo. Aos trancos e barrancos, a Inter se salvava, e Carrizo trabalhava bastante. Até que Icardi fez sua parte e marcou um golaço. Depois, os visitantes viram Longo chutar na trave e contar com as costas de Carrizo para descontar. O sofrimento foi grande, com uma enorme blitz do Cagliari, mas desta vez a Inter segurou o resultado até o fim – e ainda viu Hernanes carimbar a trave no último lance. (Nelson Oliveira)

Juventus 2-1 Atalanta
A expressão de Llorente durante os 35 minutos iniciais do jogo contra a Atalanta dizia tudo: o atacante, que teve mais uma oportunidade de começar a partida, perdia posses de bola em demasia e, quando concluía a gol, era freado pelo goleiro (no caso, Sportiello). O tento chorado aos 39 minutos do espanhol empatou o jogo. Pirlo, com uma finalização maravilhosa de fora da área, deixou a Juventus na liderança da partida antes do intervalo.

O segundo tempo teve uma intensidade menor em comparação aos outros 45 minutos. Mesmo assim, Sportiello negou os gols de Pogba e Coman, Masiello teve participação decisiva ao desarmar Morata dentro da área, em contra-ataque, e Boakye quase empatou o jogo na reta final do confronto. A Juve precisa se preocupar exatamente na bola parada. O gol sofrido no primeiro tempo, de Migliaccio, foi oriundo de uma cobrança de escanteio. Cuidado com o Borussia Dortmund, na Champions. (Murillo Moret)

Verona 1-1 Roma
A Roma não se cansa de empatar na Serie A. Nas últimas cinco rodadas, foram quatro igualdades no placar. Assim, a equipe da capital caminha em direção a mais uma temporada decepcionante para os torcedores. No início do campeonato, a briga pelo scudetto com a Juve parecia que seria acirrada, mas a Velha Senhora já soma nove pontos de frente e, cada vez mais, a briga da Roma parece ser para se garantir na zona de classificação para a Liga dos Campeões, uma vez que o Napoli está apenas três pontos atrás. Contra o mediano Verona, que vinha de quatro derrotas consecutivas, os giallorossi perderam a chance de retomar o bom momento e vislumbrar coisas melhores exatamente na rodada anterior ao confronto direto contra a Juve, que ocorre segunda-feira que vem.

O time de Rudi Garcia até jogou bem durante a maior parte do tempo, mas pecou na finalização. Foram 12 chutes contra o gol de Benussi e apenas um balançou as redes - um de Totti, em ótima finalização de fora da área. Enquanto isso, o Verona precisou de apenas duas tentativas para completar uma - com Jankovic - e ficar com o empate que lhe vale tanto. O ponto conquistado foi importante para deixar a equipe de Mandorlini a uma distância segura da zona de rebaixamento. São cinco pontos agora. Já a Roma se concentra para enfrentar a Juve, na próxima rodada, buscando uma vitória que pode não valer tanto quanto antes. (Rodrigo Antonelli)

Napoli 2-0 Sassuolo
A cada rodada o Napoli dá mais um passo para assumir a segunda colocação da Serie A. Aproveitando-se do tropeço da Roma, a equipe napolitana venceu, nesta segunda, o Sassuolo, por 2 a 0, no San Paolo e chegou aos 45 pontos, três a menos que a equipe da capital. Mesmo com as atenções divididas com a Liga Europa, Rafa Benítez entrou em campo com força quase máxima, o que não impediu que o primeiro tempo fosse fraquíssimo. Poucas oportunidades ofensivas e duas lesões nos defensores do Sassuolo representaram tudo o que foi a etapa inicial.

No segundo tempo, o Napoli voltou mudado e conquistou a vitória. Ocupando a vaga de Higuaín, suspenso, o sempre tão criticado Zapata abriu o placar. Aos 10, o colombiano recebeu na entrada da área, disputou com três defensores e na segunda oportunidade, chutou forte no canto de Consigli. Minutos depois, o próprio Zapata recebeu na área e deu belo passe para Hamsík, que ampliou o marcador. Depois de ter entrado bem na partida, Mertens cometeu falta tola e foi expulso, deixando o Napoli com um a menos nos minutos finais. Nada que fizesse o Sassuolo sequer ameaçar o gol de Andújar. (Caio Dellagiustina)

Lazio 2-1 Palermo
Após duas vitórias consecutivas, a Lazio já volta a sonhar com a Liga dos Campeões. Com a vitória sobre o Palermo, no Olímpico - e o empate da Fiorentina com o Torino, em casa -, a equipe de Pioli vai aos 40 pontos e pula para a quarta posição na tabela, cinco pontos atrás do Napoli, terceiro classificado à principal competição europeia, por enquanto. O Palermo, por sua vez, permanece na oitava colocação, com 33 pontos, e continua com esperanças de lutar pela Liga Europa, seu sonho máximo na temporada.

E os rosanero até saíram na frente no placar. Aos 26 minutos, Dybala contou com erro grotesto do brasileiro Maurício, superou Marchetti e fez 1 a 0 para os visitantes. A Lazio, porém, era melhor em campo e não demorou para empatar. Mauri, que voltava ao time, fez aos 33 minutos da etapa inicial. No segundo tempo, o Palermo tentou surpreender a Lazio, com início intenso, mas esbarrou em boas defesas de Marchetti. Depois, os donos da casa voltaram a dominar e conseguiram a vitória em grande lance de Candreva, aos 33 do segundo tempo. Melhor em campo, ele comemorou com a torcida e despejou esperanças de um fim de temporada mais emocionante para os laziale – apesar de ter se machucado na celebração. (RA)

Milan 2-0 Cesena
Sem show, mas também sem sustos. O time de Inzaghi, experimentando mais um sistema, dessa vez o 4-3-1-2, velho conhecido dos rossoneri, foi consistente na defesa, estreando a dupla Rami e Bocchetti, e criou oportunidades de gols a partir do talento e combinações de Poli, Montolivo, Bonaventura e Ménez. Aproveitando tropeços de Palermo e Torino, a vitória deixa o Milan com 33 pontos, mas ainda na indigesta 9ª colocação, a seis pontos da Fiorentina. E o Cesena, apesar das duas vitórias recentes e o empate com a Juventus, está cada vez mais próximo da Serie B, quatro pontos atrás do Cagliari, primeiro na zona de rebaixamento, e sete longe da Atalanta, primeira fora da zona.

Apesar do gol anulado de Poli logo no início, o jogo se arrastou e demorou para ter maiores emoções. E nem mesmo o gol de Bonaventura aos 22, após roubada de Antonelli e jogada de Ménez, serviu de ânimo, com o Milan se acomodando e o Cesena incapaz de levar grande perigo. Apenas no fim do primeiro tempo e início do segundo as oportunidades mais claras de gol apareceram, mas sem que as redes fossem balançadas. Isto só voltou a acontecer aos 90, após pênalti inexistente marcado a favor do Milan, convertido por Pazzini, que fez seu primeiro gol nesta Serie A. (Arthur Barcelos)

Fiorentina 1-1 Torino
O confronto de duas boas sequências na temporada não teve um vencedor: 1 a 1 entre Fiorentina, de 10 jogos sem derrota, e Torino, com 12. Os gols saíram apenas no segundo tempo, apesar da boa intensidade em todo o jogo, que teve chances para as duas equipes marcarem – na principal delas, Babacar perdeu pênalti aos 9 minutos de jogo. Próximo do final da partida, Salah combinou com Gilardino para sair na frente de Padelli e tocar na saída do goleiro. Dois minutos mais tarde, aos 87, Vives, no rebote de Tatarusanu em finalização de Maxi López, deixou tudo igual.

O goleiro da Fiorentina iniciou a partida longe de ter condições físicas ideais - ele sofre de uma lombalgia. O departamento médico do clube, após a partida, vetou a participação de Tatarusanu nos treinamentos durante os próximos 10 dias. Dessa forma, Neto foi reintegrado ao grupo. Em janeiro, o brasileiro não assinou a renovação de contrato - que termina em junho - e foi chamado de “traidor” pelo presidente Andrea Della Valle e o técnico Vincenzo Montella. (MM)

Sampdoria 1-1 Genoa
Primeiro, a frustração: por causa da chuva, o dérbi de Gênova, que deveria ter acontecido sábado, foi adiado para esta terça-feira. Depois, uma partida emocionante, como costumam ser as disputadas por Sampdoria e Genoa, mas sem o mesmo (grande) nervosismo de outros tempos. Uma partida que tem apenas dois gols marcados nos minutos iniciais e que não tem cartão vermelho não é bem a cara do confronto. Mesmo assim, não faltou emoção na partida que marcou o encontro da 6ª e 7ª colocadas, agora empatadas com 36 pontos.

Ainda no primeiro tempo, com menos de 20 minutos já haviam sido marcados dois gols. O Genoa, que começou melhor, saiu na frente com Iago, depois de boa jogada construída e cruzamento rasteiro de Niang. No lance seguinte, porém, Roncaglia deu um presente para Éder, que não desperdiçou. A partida foi parelha, mas logo depois de empatar, a Samp cresceu no jogo, e Okaka e Obiang perderam as mais claras oportunidades, na cara do gol – o atacante, pior, estava dentro da pequena área. No lance final do jogo, Regini cometeu falta desnecessária e quase viu seu time tomar gol, não fossem o travessão e Viviano. O técnico Mihajlovic, revoltado, quase agrediu o jogador após o apito final. (NO)

Empoli 3-0 Chievo
Depois de tantos tropeços, falta de gols e vacilos em casa, enfim o Empoli faz uma sequência de respeito, contra adversários grandes e exibições que geram bons resultados. Dessa vez, como contra o Cesena, vitória importante contra um adversário na briga contra o rebaixamento, que agora está a sete pontos distante. E o Chievo, que vinha de duas vitórias seguidas, sofre um baque, mas pode se tranquilizar porque quem está atrás perde tanto quanto, e todos tropeçaram nesta rodada.

Mais criativo, dominante e objetivo, o Empoli fez o jogo de sempre na Toscana, tendo o domínio da posse de bola, e sendo sempre superior e perigoso nas bolas paradas. Dessa vez, foi a jovem promessa Rugani, quase realidade após 24 jogos na Serie A, quem abriu o placar, em jogada que partiu dos pés de Valdifiori, que tem superado até Pirlo na temporada no número de assistências. Apesar de um Saponara muito agressivo, foi Maccarone quem ampliou e definiu a vitória. Primeiro logo após o intervalo, em grande jogada de Vecino, e depois novamente com assistência de Vecino. Com isso, o atacante chegou a sete gols, além de cinco assistências, em 21 partidas. (AB)

Parma-Udinese
Jogo adiado pela grave crise financeira do Parma.

Relembre a 23ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.
Seleção da rodada
Padelli (Torino); Rugani (Empoli), Rodríguez (Fiorentina), De Maio (Genoa); Candreva (Lazio), Acquah (Sampdoria), Pirlo (Juventus), Bonaventura (Milan); Maccarone (Empoli), Zapata (Napoli), Icardi (Inter). Técnico: Rafa Benítez (Napoli).

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário