Subscribe Twitter Facebook

terça-feira, 24 de março de 2015

28ª rodada: Sampglória

Fim de semana de gala para Éder: golaço e convocação para a Itália (Getty Images)
Final de semana agitado para os clubes que pretendem chegar às competições europeias na próxima temporada. Dos oito primeiros colocados, apenas dois não venceram: Napoli e Fiorentina, justamente os times que seguem vivos na Liga Europa. Bom para a Roma, que voltou a conquistar três pontos, e para as sonhadoras Lazio e Sampdoria, que fazem campanha acima do esperado. Acompanhe o resumo da rodada.

Sampdoria 1-0 Inter
Como disse o presidente Massimo Ferrero, a Sampdoria agora é Sampglória. Com o dinheiro do produtor cinematográfico e sob o comando de Mihajlovic, a equipe de Gênova se mantém no topo da tabela e agora, é a quarta colocada, com quatro vitórias consecutivas. Se a vaga em uma competição europeia vai se aproximando de ficar com uma das surpresas da temporada, fica mais longe da Inter. Mancini diz estar no início de um projeto, para o qual estaria construindo ainda sua base, e tem lutado para dar regularidade e equilíbrio à equipe, numa fase importante para o futuro nerazzurro. O time realmente necessita de resultados para alcançar o objetivo (vaga em competição europeia) para não só atrair jogadores ou investimentos, mas para terminar a temporada ao menos em um lugar mais digno.

Sempre dona da posse de bola e com domínio territorial, a Inter não foi capaz de converter isso em chances de gol e, claro, gols. O time de Mihajlovic, por sua vez, montou seu habitual “catenaccio”, com poucos espaços atrás e equilíbrio. Em resposta, foi bastante perigoso quando atacou com o trio Éder, Muriel e Eto’o, causando transtornos para uma desordenada defesa interista – nem mesmo com atuações regulares, Ranocchia e Vidic foram capazes de garantir maior estabilidade. Nas melhores chances não convertidas, Muriel limpou Ranocchia com lindo drible ao controlar a bola e bateu por cima do gol; Icardi carimbou o travessão e Éder cobrou falta acima do gol. O tento que defindiu o placar foi marcado justamente pelo agora ítalo-brasileiro Éder, recém-convocado por Conte para defender a seleção italiana na próxima data Fifa: com chute potente, em cobrança de falta, não deu chances a Handanovic. (Arthur Barcelos)

Juventus 1-0 Genoa
A Juventus deu o troco no Genoa com o mesmo placar do primeiro turno em 2014-15, quando os rossoblù provocaram a única derrota juventina nesta Serie A. Apesar do mando de campo da Velha Senhora, o Genoa teve a primeira oportunidade de gol na Arena quando Niang aproveitou um vacilo de Bonucci. Depois de um momento de pressão do Grifone, a Juve foi pra cima e definiu o resultado com um (mais um) golaço de Tévez, o 16º dele no campeonato. Nos acréscimos do primeiro tempo, Llorente parou em defesa de Perin e, no rebote, Chiellini acertou o travessão.

O goleiro do Genoa teve de deixar a partida logo no início da etapa seguinte com uma lesão no ombro. O substituto, Lamanna, defendeu cobrança de pênalti de Tévez. Na terceira apresentação do arqueiro nesta temporada, ele defendeu o segundo chute da marca da cal: ele já havia agarrado um pênalti de Ljajic, contra a Roma. Sturaro entrou no fim do jogo e quase completou o cruzamento de Pereyra para o gol, contudo, ele não conseguiu cabecear. A Juve segue 14 pontos a frente da Roma na liderança; apesar do marcador, o técnico Gasperini aprovou (bastante) o jogo do Genoa (10º) em Turim. (Murillo Moret)

Cesena 0-1 Roma
Aleluia! Depois de cinco tropeços seguidos, a Roma voltou a vencer e manteve a segunda posição na Serie A, evitando a ultrapassagem da rival Lazio. Contra um Cesena que vinha conquistando pontos contra equipes grandes, a equipe romana fez o básico e ficou com os três pontos. Dessa forma, a situação não se alterou para as equipes na tabela: continuam simétricas, na vice-liderança e na vice-lanterna.

Sem Totti, machucado, Garcia lançou novamente Doumbia desde o minuto inicial. O marfinense jogou mal de novo, mas dentre as novidades apresentadas pelo técnico francês, Uçan e o jovem Pellegrini tiveram atuações regulares. Para marcar o renascimento (será?) da Roma, o gol foi marcado por De Rossi, um dos jogadores mais criticados nos últimos meses, por viver péssima fase. O capitão da equipe na ausência de Totti finalizou após um cruzamento espirrado. (Nelson Oliveira)

Lazio 2-0 Verona
Seis vitórias consecutivas. Nenhum time vive fase tão esplendorosa quanto a Lazio nesta Serie A. E tudo se deve a Felipe Anderson e Candreva, justamente os autores dos gols no justo triunfo sobre o Verona. Hoje, o time biancoceleste, terceiro colocado um ponto atrás da Roma e quatro acima da Samp, é favorito a ocupar uma das duas vagas em jogo para a Liga dos Campeões – a outra, claro, é da Juve. Sem ambições, o Verona espera apenas somar mais alguns pontos para confirmar a permanência por mais um ano na elite.

A torcida laziale vibrou cedo. Aos 4 minutos, após cruzamento de Basta, Felipe Anderson meteu a cabeça na bola e marcou seu nono gol na temporada. Benussi não conseguiu segurar seu cabeceio e muito menos viu a bomba que Candreva mandou, de longe e no meio do gol, para ampliar o placar no final da primeira etapa. De resto, a Lazio ainda acertou duas vezes a trave, com Biglia e Felipe Anderson (voluntarioso, o brasileiro também ajudou demais na marcação), e teve outras oportunidades com Klose e Keita. O Verona só assustou no primeiro tempo, com cabeceio de Moras na trave. (NO)

Napoli 1-1 Atalanta
O Napoli voltou a tropeçar Na Serie A (quarto jogo sem vitória) e começa a se distanciar da zona de Champions League. Em casa, a equipe não saiu de um empate contra a ameaçada Atalanta e agora ocupa apenas a quinta colocação, cinco pontos atrás da Lazio. A partida teve a volta do técnico Reja de volta ao San Paolo, após quatro anos – o treinador da Atalanta foi o responsável por levar o Napoli da terceira à primeira divisão, nos anos 2000. Porém, o que marcará este duelo por algum tempo serão as polêmicas. Com a posse de bola, Henrique hesitou demais antes de recuar para Andújar, e perdeu a bola para Pinilla, que saiu na cara do gol e abriu o placar, na segunda etapa. O lance foi faltoso (houve a carga do chileno),  o que revoltou os napolitanos. Sobraram reclamações ao árbitro, o que levou à expulsão de Benítez ao fim do jogo. Técnico e diretoria napolitanos já vinham reclamando bastante da arbitragem em outros jogos, e este erro foi o estopim para uma revolta maior. O clube atacou os árbitros, e disse que os resultados estavam influenciando na tabela. As críticas se estenderam ao o presidente da FIGC, Carlo Tavecchio, por meio do Twitter oficial da equipe azzurra.

Antes de todo o bafafá, os bergamascos ficaram com um jogador a menos poucos minutos antes de abrirem o placar, após a expulsão de Gómez. O gol mexeu com o Napoli, que foi melhor e na primeira etapa teve duas boas chances para abrir o marcador. Denis salvou, em cima da linha, a cabeçada de Britos e a trave evitou o gol de Gabbiadini. A Atalanta se aproveitava dos vacilos defensivos de Henrique e Koulibaly para assustar nos contra-ataques. No segundo tempo, antes do gol, o Napoli continuava melhor e Sportiello evitou o gol napolitano em três oportunidades. Benítez lançou a campo Hamsík e Mertens, mas o gol só saiu nos minutos finais, quando Zapata escorou para as redes um cruzamento do eslovaco. (Caio Dellagiustina)

Udinese 2-2 Fiorentina
Depois de eliminar a Roma da Liga Europa, a Fiorentina foi até o Friuli e ficou no empate contra a Udinese, num dos jogos mais movimentados da rodada. Montella deu descanso a peças importantes, como Salah, Pizarro e Diamanti, mas contou com um Gómez inspirado. No lado bianconero, Stramaccioni perdeu Heurtaux, minutos antes da partida. Em seu lugar, Wagué assumiu a vaga na defesa e, no primeiro lance ofensivo da equipe, o malinês aproveitou sobra na grande área para abrir o placar.

O empate viola veio apenas na segunda etapa. Gómez aproveitou cruzamento de Ilicic e igualou o placar, de cabeça. Três minutos depois, o alemão voltou a balançar as redes. Após saída de bola errada friulana, recuperação de Badelj e outro bom passe de Ilicic, o alemão bateu na saída de Karnezis e virou o jogo. O empate bianconero poderia ter vindo na sequência, mas Guilherme não aproveitou o gol vazio, arriscando do meio campo. Porém, ao 17, Di Natale, de costas, cruzou na área e Kone apenas completou ao gol. A Fiorentina sofreu no final do jogo e contou com mais uma boa partida de Neto para segurar o empate, resultado que não foi bom para os toscanos, que saíram da zona classificatória da Liga Europa. Para a Udinese, apenas mais um ponto e estagnação no meio da tabela. (CD) 

Milan 3-1 Cagliari
Uma vitória, enfim. A nona em 28 jogos. E sempre com Ménez, agora vice-artilheiro do campeonato ao lado de Icardi. É muito graças ao francês que o Milan vai conseguindo lutar para não perder completamente a temporada. O time de Inzaghi segue desordenado e sem ideias claras do que fazer, e sente a falta um plano de jogo definido. Isso somado ao mau momento de alguns jogadores, mediocridade de outros, os velhos problemas físicos e a irregularidade. Mas os jogadores fizeram o bastante para bater e não sofrer tanto contra o Cagliari de Zeman, na luta cada vez mais dura contra o rebaixamento, a cada rodada e tropeço.

Em campo, um jogo que demorou para engrenar, se é que tenha engrenado alguma vez. O gol que abriu o placar veio aos 21, depois de Poli recuperar a bola e passar para Ménez acertar chute colocado no canto de Brkic. Fora dois lances protagonizados por Honda, não foram criadas mais oportunidades de gol claras até o intervalo. Mas logo no início do segundo tempo, um contra-ataque organizado por Ekdal e Sau terminou em gol de Diego Farias. O brasileiro marcou com estilo, após cortar Mexès e bater no canto oposto. Porém, no lance seguinte, o próprio Mexès recolocou o Milan na frente do placar, concluindo escanteio do compatriota Ménez com belo chute. Já aos 78, o camisa 7 rossonero voltou a aparecer para converter penalidade de Ceppitelli sobre Cerci. O árbitro Tagliavento e seus auxiliares erraram feio: a falta aconteceu fora da área e nem mesmo com o jogador indicando a marca no gramado deixada pelo carrinho a decisão foi acertada. (AB)

Parma 0-2 Torino
Em meio ao momento sofrível do adversário, o Torino conseguiu vencer o Parma no Ennio Tardini pela primeira vez desde a temporada 2001-02. Maxi López deu a vantagem ao time visitante aos 19 minutos, passando pelo capitão Lucarelli e chutando longe do alcance de Iacobucci - Mirante cumpriu suspensão. Ainda no primeiro tempo, o jogador do Parma deu uma cotovelada em Quagliarella, recebeu o cartão amarelo, reclamou e foi expulso por discutir com a arbitragem. Pegou gancho de três jogos.

O Torino estava bastante motivado para a partida apesar da derrota e eliminação da Liga Europa, entretanto, a partida teve pouquíssimas chances. A equipe da casa teve a oportunidade de passar à frente no marcador com Belfodil, duas vezes - ele chegou a acertar a trave quando a bola passou por Padelli. Basha deu números finais ao jogo após o cruzamento na medida realizado por Molinaro. O Torino continua bem, e até o momento tem aproveitamento superior ao da última temporada. Será que vem vaga na Liga Europa de novo por aí? (MM)
 
Chievo 1-0 Palermo
No jogo que abriu a rodada, um resultado um tanto surpreendente. Excelente para o Chievo, que vem em boa sequência (tirou pontos de Sampdoria, Milan, Roma e Genoa) e está próximo dos 40 pontos e de mais uma salvezza, para o desespero dos olhos dos fãs da Serie A. Pragmático e direto, o time da cidade de Romeu e Julieta não parece ter muita conexão com a tragédia de William Shakespeare e prefere não causar emoção em ninguém.

Paloschi faz temporada apagada, mas voltou a marcar e por pouco não repetiu a doppietta da semana passada. O atacante isolou um pênalti, o que incentivou o Palermo a atacar. Os rosanero, que estagnaram no torneio, esbarraram na defesa gialloblù e em mais um dia apagado de Dybala, mesmo com o sempre regular Vázquez perigoso ao lado de Barreto. Já são cinco jogos sem vencer, o que afasta definitivamente a utópica conquista de uma vaga europeia. (AB)

Empoli 3-1 Sassuolo
Bravíssimo Empoli, bravíssimo Sarri e bravíssimo Saponara. Apesar de ser o time que mais empata no campeonato e próximo de bater o recorde de igualdades em uma única temporada, o Empoli joga um futebol atrativo, propositivo, moderno e que felizmente tem chamado atenção na Itália. Esse mesmo futebol está garantindo uma boa e surpreendente temporada para a equipe toscana no retorno à primeira divisão. São oito jogos de invencibilidade e 33 pontos. A salvação está bem próxima. Assim como a do Sassuolo.

Dominante, o time de Sarri transformou o domínio em vantagem apenas na segunda etapa, quando todos os quatro gols saíram. O primeiro com menos de 30 segundos após a volta do intervalo, em jogada toda de Saponara. Porém, pouco depois, em bola cruzada por Berardi, Rugani acabou fazendo contra. O que não afastou os donos da casa do ataque: o Empoli voltou a frente do placar aos 60, de forma bem rápida. Primeiro, Mchedlidze, apenas 13 segundos após entrar no jogo, completou cruzamento de Saponara e fez seu primeiro gol na Serie A. No lance seguinte, Saponara novamente apareceu, dessa vez em jogada de Croce, e decretou a vitória azzurra. (AB)

Relembre a 27ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Neto (Fiorentina); Barzagli (Juventus), Astori (Roma), Moretti (Torino); Candreva (Lazio), Saponara (Empoli), Felipe Anderson (Lazio), Widmer (Udinese); Ménez (Milan), Gómez (Fiorentina), Éder (Sampdoria). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário