Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

2ª rodada: Nada será como antes

Pjanic e Dzeko marcaram e a Roma venceu uma Juventus irreconhecível (Getty)
A segunda rodada da Serie A deixou claro: nada será como antes. No principal jogo da rodada, a Roma não foi nem sombra do que vinha sendo nos últimos meses e foi implacável diante de uma Juventus que ainda não conseguiu superar a saída de peças importantes, mesmo que tenha se reforçado muito bem. Ao mesmo tempo, a Inter venceu de novo e é a única equipe entre as que devem brigar no topo da tabela a ter conseguido somar 6 pontos. Com 100% de aproveitamento também

Enquanto os grandes seguem tropeçando, como Napoli e Juventus, os pequenos e médios vão despontando. Quatro times somam 6 pontos, entre eles o Torino, que inicia de maneira espetacular a Serie A, buscando voltar às competições europeias – os outros além de interistas e grenás, são Chievo, Sassuolo e Palermo. A segunda rodada também reservou a primeira vitória do Milan e o tropeço da Lazio, que mostrou que o time sentiu a eliminação da Champions League.

Roma 2-1 Juventus
Pjanic e Dzeko (Falqué) | Dybala (Pereyra)

Tops: Pjanic (R) e Buffon (J) | Flops: Pogba e Evra (J)

Duas derrotas nos dois primeiros jogos. Um feito – negativo – que a Juventus não conseguia desde 1912. Na Serie A em pontos corridos, que existe desde 1929, isso nunca havia acontecido. Depois do tetracampeonato com folga, a Vecchia Signora mostra que sua realidade deve ser outra na Serie A: o campeonato dá pinta de que vai ser equilibrado e a equipe de Turim sai atrás dos rivais, ao menos na tabela. Só que o desempenho nos números, porém, nada mais é do que o reflexo do desempenho em campo. Contra a Roma, por exemplo, a Juve teve apenas uma finalização em todo o primeiro tempo. Apesar de ofensivo no papel, o time de Allegri foi inofensivo. Pogba ainda sente a falta de seus parceiros, sobretudo Marchisio, o único remanescente do meio-campo campeão – não adianta chorar pelas saídas de Vidal, Pirlo e Tévez. Perdido e nervoso, o francês pouco fez. E sem ele, Dybala e Mandzukic também quase não apareceram.

Sem querer se preocupar com os problemas alheios, a Roma mostrou outro futebol em relação à estreia e, principalmente, à última temporada. Com De Rossi na defesa, o meio-campo ganhou em mobilidade. Enquanto Keita controlava a saída de bola, Nainggolan e Pjanic eram os donos do jogo. Foi do bósnio, aliás, a melhor chance da primeira etapa: um chutaço na trave de Buffon. Estreante da tarde, Digne mostrou-se um excelente reforço e pode ser a solução para a lateral esquerda romana.

Apesar do bom jogo, faltava o gol para a Roma. Dzeko tentou, mas foi Pjanic quem acertou uma bela cobrança de falta, sem chance para Buffon. Se Rubinho já havia sido expulso, do banco de reservas, Evra foi expulso em campo – dois cartões em um curto espaço de tempo – e praticamente sacramentou a derrota juventina. Foi pelo setor do lateral que, um minuto depois de ficar com um jogador a mais, a Roma ampliou. Dzeko aproveitou cruzamento e subiu mais que Chiellini para fazer o segundo gol romanista. Dybala ainda conseguiu diminuir, aproveitando a boa jogada de Pereyra, que deu vida ao meio-campo desde que entrou. Mas era tarde e a história mais uma vez foi feita. Depois de uma derrota marcante na primeira rodada, a Juve tropeça novamente e Allegri já sente certa pressão.

Carpi 1-2 Inter
Di Gaudio | Jovetic e Jovetic (pênalti)

Tops: Ryder (C) e Handanovic (I) | Flops: Wallace (C) e Nagatomo (I)

Três gols e duas vitórias para a Inter. Jovetic mal chegou, mas assumiu o papel de protagonista que tinha na Fiorentina, mas que não conseguiu repetir na Inglaterra. O montenegrino, desta vez auxiliado por Guarín, anotou todos os gols interistas na atual temporada, colocando a equipe como única grande com duas vitórias nesta Serie A. Assim como na estreia, a torcida nerazzurra precisou esperar os minutos finais e contar com a boa apresentação de Handanovic para comemorar a vitória – um pênalti não marcado para os donos da casa ajudou, também. Já o Carpi, fez sua estreia em casa e mostrou um futebol muito diferente da primeira rodada, quando foi goleado pela Sampdoria. Dessa vez, jogou melhor, mas as finalizações complicaram uma melhor sorte da equipe novata na elite. Vale destacar, ainda, o chilique do brasileiro Wallace, que foi substituído e fez confusão com colegas e a comissão técnica.

Chievo 4-0 Lazio
Meggiorini, Paloschi (Meggiorini), Birsa e Paloschi (Birsa)

Tops: Meggiorini e Paloschi | Flops: Gentiletti e Lulic (L)

Depois da eliminação no play-off da Champions League, a Lazio caiu diante do líder da Série A. Sim, isso mesmo. O Chievo é o líder da primeira divisão italiana – e com o melhor ataque, sete gols marcados. Na próxima rodada, o invicto time de Verona enfrenta a cambaleante Juve. Quem imaginaria um cenário desses? Já se esperava que o Chievo desta temporada deixasse de lado o defensivismo histórico, mas não que tudo mudasse tão rápido. É provável que em breve o time ocupe uma posição da tabela mais próxima à sua realidade, mas este é um começo importantíssimo para o time de Maran, que visa cumprir o primeiro de seus objetivos: permanecer na elite. O placar foi definido logo na primeira etapa, com dois belos gols, diga-se (veja aqui e aqui), e com o 3 a 0 contra no placar, a Lazio, que não contava com sua força máxima, não teve poder de reação. Pressão sobre Pioli e a diretoria.

Napoli 2-2 Sampdoria
Higuaín (Insigne) e Higuaín (Allan) | Éder (pênalti) e Éder

Tops: Higuaín (N) e Éder (S) | Flops: Raúl Albiol (N) e Coda (S)

Depois de um primeiro tempo impecável, o Napoli sucumbiu na segunda etapa e chega ao final da segunda rodada ainda sem vencer na Serie A. Sarri mudou o time com as entradas de Allan e Callejón, e encontrou o acerto quase perfeito da equipe que dominou a primeira etapa – com excelente atuação de Insigne e bom poder de conclusão de Higuaín. No segundo tempo, dois minutos de apagão e duas bobeiras de Raúl Albiol, e a Samp igualou o placar duas vezes com Éder – o segundo gol foi uma pintura. Muriel, que está em ótima fase, ainda poderia virar, mas acertou o travessão. Ao fim do jogo, sobraram críticas e vaias à De Laurentiis.

Milan 2-1 Empoli
Bacca (Luiz Adriano) e Luiz Adriano (Bonaventura) | Saponara (Maccarone)

Tops: Luiz Adriano (M) e Saponara (E) | Flops: Nocerino (M) e Pucciarelli (E)

Na volta de Balotelli, o Super Mario viu do banco seus concorrentes balançarem as redes e garantirem a primeira vitória milanista na atual temporada. Apesar de jogar em casa, o que se viu do Milan foi mais do mesmo, como na última temporada, o que fez Mihajlovic dizer que foi uma "vitória com sabor de derrota". A diferença para os anos anteriores é que dessa vez os gols saíram. Bacca recebeu passe de Luiz Adriano e anotou o primeiro, mas na sequência, Saponara fez valer a lei do ex e anotou o empate do Empoli. Diego López, mais uma vez foi quem mais trabalhou e viu de longe o oportunismo de Luiz Adriano, que garantiu os três pontos.

Torino 3-1 Fiorentina
Moretti, Quagliarella (Bruno Peres) e Baselli | Alonso

Tops: Quagliarella (T) e Alonso (F) | Flops: Martínez (T) e Roncaglia (F)

Se a Juventus não vai bem no começo, o Torino ajuda a manter a cidade no topo da tabela e também quebrar um tabu que já durava 30 anos. Desde a temporada 1984-85 o Toro não ficava seis pontos a frente de sua rival. Num jogo dificílimo contra a Fiorentina, os granata saíram atrás do marcador com um gol de Alonso. O espanhol provocou e comemorou como se fosse um toureiro, ironizando à frente da torcida do Toro. Raivosos, os donos da casa reagiram no segundo tempo e, num espaço de dez minutos, anotaram três gols: dois, o de Moretti e segundo de Baselli na temporada, foram golaços; Quagliarella fez valer a lei do ex e também anotou. Destaque, ainda, para a estreia de Giuseppe Rossi na atual temporada. Será que dessa vez vai?

Bologna 0-1 Sassuolo
Floro Flores

Top: Sansone (S) | Flop: Destro (B)

Dois jogos e duas vitórias. Um começo que nem Juventus, Roma e Napoli conseguiram. O Sassuolo bateu o Bologna no clássico emiliano e é um dos líderes da Serie A. Num jogo de poucas oportunidades, a equipe de Di Francesco soube anular as raras chegadas do Bologna e aproveitou os rápidos contra-ataques. A três minutos do fim, Laribi teve passe interceptado e Floro Flores não desperdiçou a chance de anotar seu segundo gol na competição. Méritos para a continuidade do projeto da equipe, uma das mais organizadas da Serie A. O tradicional Bologna poderia aprender algumas dicas com os neroverdi.

Genoa 2-0 Verona
Pavoletti e Gakpé (Rincón)

Tops: Ntcham (G) e Juanito (V) | Flops: Pandev (G) e Rafael (H)

Partida de um time só no Luigi Ferraris. O Genoa foi dominante contra o Verona e cansou de desperdiçar oportunidades. Os gols só vieram na segunda etapa após dois vacilos da zaga veronesa. O destaque do Genoa foi, pelo segundo jogo seguido, o jovem Ntcham, emprestado pelo Manchester City. Pazzini entrou no segundo tempo e criou o lance de maior perigo dos visitantes.

Udinese 0-1 Palermo
Rigoni (Vázquez)

Tops: Zapata (U) e Sorrentino (P) | Flops: Merkel (U) e Struna (P)

Depois de vencer a Juventus, em Turin, a Udinese perdeu em casa para o Palermo e, mesmo pressionando o jogo inteiro e desperdiçou chances incríveis com Zapata e Edenílson. Tristeza para a torcida bianconera que não pode comemorar gol no reformado – e belo – estádio Friuli, reinaugurado neste fim de semana. Sem sofrer gol pelo segundo jogo, a defesa do Palermo é a única inviolada na temporada. 

Atalanta 2-0 Frosinone
Stendardo e Gómez

Tops: Moralez (A) e Leali (F) | Flops: Pinilla (A) e Blanchard (F)

Leali brilhou, mas não evitou a segunda derrota do Frosinone. O goleiro pegou pênalti e operou verdadeiros milagres. O atleta emprestado pela Juventus só não conseguiu impedir o toque de Stendardo depois do bate-rebate e o petardo de Gómez. Primeira vitória bergamasca, que reagiu após a derrota para a Inter na estreia.

Relembre a 1ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Szczesny (Roma); Baselli (Torino), Stendardo (Atalanta), Gonzalez (Palermo), Digne (Roma); Birsa (Chievo), Ntcham (Genoa), Pjanic (Roma); Éder (Sampdoria), Meggiorini (Chievo), Jovetic (Inter). Técnico: Rudi Garcia (Roma).

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário