Subscribe Twitter Facebook

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Guia da Serie B 2015-16

Olho nesse time: o Cagliari tem o elenco a ser batido na Serie B (Getty)
Neste sábado começa a Serie B! Fizemos um guia rápido para você se inteirar sobre quais times tem o maior potencial de jogarem a Serie A em 2016-17. Cinco times despontam entre os favoritos às três vagas, mas outros seis times podem abocanhar uma vaguinha e serem surpresas. Confira!

Os favoritos

Cagliari
Destaques: Marco Storari (goleiro) e Marco Sau (atacante)
Time-base: Storari; Balzano, Krajnc, Ceppitelli, Murru; Dessena, Di Gennaro, Fossati; João Pedro; Sau, Diego Farias (Melchiorri). Técnico: Massimo Rastelli.

Time mais rico e um dos mais tradicionais da segundona, o Cagliari é o único dos times do torneio que já venceu a Serie A em pontos corridos – a Pro Vercelli já faturou, mas quando o campeonato era em grupos. O time da Sardenha contratou Massimo Rastelli, de bom trabalho pelo Avellino, e ainda manteve boa parte do elenco que disputou a última Serie A – perdeu sete peças, mas repôs à altura, com jovens ou experientes jogadores da elite, como Cerri, Kranjc e Storari. Com elenco superior até a de alguns times da elite, é favorito não apenas ao acesso como para o título. O objetivo é não repetir o vexame do Catania da última temporada, que entrou como favorito e acabou rebaixado. O ataque, dos sonhos, terá Sau, Diego Farias e Melchiorri, além de Cerri. Por isso, o time deve marcar muitos gols e chamar a atenção.

Bari
Destaques: Gianluca Sansone (atacante) e Stefano Sabelli (lateral direito)
Time-base: Guarna; Sabelli, Di Cesare, Contini, Del Grosso; Porcari, Romizi, Defendi; Sansone, Maniero (Puscas), De Luca. Técnico: Davide Nicola.

O Bari faliu em 2013, ressurgiu das cinzas com o presidente Paparesta e não correspondeu às expectativas na última temporada. No segundo ano de trabalho de Nicola, briga pelo acesso, pois tem um elenco com muitos jogadores de experiência na elite (Contini, Porcari, Del Grosso, Valiani, Sansone e De Luca) e alguns jovens interessantes, como o lateral Sabelli, da sub-21 italiana e melhor da última temporada na B, e Puscas, Donkor e Camara, emprestados pela Inter. Os tradicionais galletti ainda contarão com a fanática torcida, que enche o estádio San Nicola para tentarem o retorno à elite.

Pescara
Destaques: Vincenzo Fiorillo (goleiro) e Hugo Campagnaro (zagueiro)
Time-base: Fiorillo; Campagnaro, Fornasier, Zuparic, Crescenzi; Memushaj, Verre, Benali; Valoti; Cocco (Lapadula), Sansovini. Técnico: Massimo Oddo.  

Somente uma família tem o orgulho de pai e filho terem treinado o mesmo time em toda a Itália: é a família Oddo, do pai Francesco e do filho Massimo, ambos pelo Pescara. O ex-lateral do Milan assumiu o time na última rodada da Serie B passada e quase conseguiu o acesso. Com um bom time em mãos e moral, Oddo tem a missão de mais uma vez batalhar pela volta dos golfinhos à elite. Ousado no mercado, o time biancoazzurro trouxe reforços de impacto, como Campagnaro e Cocco, e ainda outros bons nomes como Crescenzi, Mandragora, Lapadula e Valoti. Os experientes Memushaj e Sansovini também podem ajudar muito na conquista pela vaga na Serie A.

Cesena
Destaques: Emanuel Cascione (volante) e Antonino Ragusa (atacante)
Time-base: Agliardi; Mazzotta (Capelli), Magnússon, Lucchini (Caldara), Renzetti; Valzania, Sensi, Cascione; Molina, Ragusa (Djuric), Improta (Rossetti). Técnico: Massimo Drago.

O Cesena é um time completamente diferente daquele que foi rebaixado na última Serie A. Ficaram somente jogadores bem experientes, como Agliardi, Capelli, Lucchini e Cascione, e algumas outras peças importantes, como Djuric e Magnússon – os destaques, Carbonero, Rodríguez, Brienza e Defrel, se foram. Porém, as contratações feitas fazem com que o time se mantenha entre aqueles que devem brigar por uma vaga no play-off. Resta saber como os remanescentes irão assimilar a mudança de filosofia: antes, o Cesena era um time mais defensivo, e agora, com o ofensivo Drago, deve ter futebol mais envolvente.

Spezia
Destaques: Emanuele Calaiò (atacante) e Claudio Terzi (zagueiro)
Time-base: Chichizola; Martic, Postigo, Terzi, Migliore; Juande, Brezovec; De las Cuevas, Catellani (Nenê), Situm; Calaiò. Técnico: Nenad Bjelica.

A legião estrangeira da segundona pode dar resultados expressivos. Campeão simbólico da Serie A em um campeonato ocorrido na II Guerra Mundial, o Spezia é praticamente uma colônia croata no campeonato – até o diretor esportivo, o ex-atacante Igor Budan é de lá, assim como o técnico Bjelica e mais oito atletas do elenco. Os destaques, no entanto, são italianos: o grandalhão Calaiò, que concorrerá ao título de artilheiro da Serie B, e o zagueiro Terzi, que chegou após temporadas como titular do Palermo. Em 2014-15 os aquilotti caíram nos play-offs. Agora, sonham com algo mais: a estreia na elite, considerando a era dos pontos corridos – desde 1929.

Correm por fora

Pelo segundo ano seguido, Taddei ajudará o Perugia a buscar a promoção (Calcio FanPage)
Avellino
Destaques: Marcello Trotta (atacante) e Francesco Tavano (atacante)
Time-base: Frattali; Nica, Chiosa, Ligi, Visconti; D'Angelo, Arini, Gavazzi; Zito (Insigne); Trotta, Tavano. Técnico: Attilio Tesser.

Após brigar pelo acesso na última temporada, os irpini buscam uma nova surpresa. Frequentador da Serie A nos anos 1980, com brasileiros como Dirceu e Juary no elenco, o Avellino tenta retornar aos anos de ouro. A equipe continuará contando com jovens valores, como o bom zagueiro Chiosa, o atacante Trotta – titular da sub-21 italiana e formado por Napoli e Manchester City – e Roberto Insigne, irmão menos famoso de Lorenzo Insigne, que atua pelo Napoli. O experiente Tavano será responsável por marcar a maior parte dos gols do time. Para a batalha, os biancoverdi perderam o bom técnico Rastelli para o poderoso Cagliari e confiaram o trabalho para o experiente Tesser, que já conquistou o acesso pelo Novara.

Livorno
Destaques: Cristian Pasquato (atacante) e Andrea Luci (meia)
Time-base: Pinsoglio, Maicon, Ceccherini (Emerson), Vergara, Lambrughi; Schiavone, Luci, Cazzola (Aramu); Fedato, Vantaggiato, Pasquato. Técnico: Christian Panucci.

O Livorno bateu na trave e ficou fora dos últimos play-offs por critérios de desempate. Mesmo assim, o ex-romanista Panucci continuou no cargo e busca alcançar o acesso mais uma vez. A equipe não é favorita, mas pode voltar à Serie A depois de dois anos na segundona. Os amaranto mantém alguns jogadores que jogaram a elite em 2013-14, como Emerson e Luci, e se reforçaram com o jovem Aramu e Pasquato, atacante que finalmente conseguiu mostrar seu valor, depois de anos de incertezas. O ataque, ao lado de Vantaggiato e Fedato, promete mais gols do que rimas.

Latina
Destaques: Jefferson (atacante) e Raffaele Di Gennaro (goleiro)
Time-base: Di Gennaro, Esposito, Dellafiore, Brosco; Schiattarella (Marchionni), Moretti, Olivera, Minala, Calderoni; Corvia, Jefferson. Técnico: Mark Iuliano. 

Dois anos atrás, o Latina quase surpreendeu ao conquistar o duplo acesso e alcançar a elite logo em sua estreia na segundona. Agora, a equipe comandada pelo ex-zagueiro Iuliano terá uma temporada em que busca afirmar-se na Serie B. Isso significa que salvar-se é o objetivo principal, afinal a cadetteria sempre traz certames equilibrados. No entanto, como a equipe tem Di Gennaro, um ótimo goleiro, e gente experiente e que pode funcionar na segundona, como Marchionni, Olivera, Corvia e Dellafiore, pode beliscar uma vaguinha nos play-offs de acesso. Para isso, dependerá do brasileiro Jefferson, protagonista das campanhas de acesso da Lega Pro para a Serie B e da ótima arrancada que quase terminou em Serie A, em 2013-14. Após passagem apagada pelo Livorno, volta para buscar a redenção.

Perugia
Destaques: Matteo Ardemagni (atacante) e Rodrigo Taddei (meia)
Time-base: Rosati; Del Prete, Volta, Belmonte, Alhassan; Salifu, Della Rocca; Fabinho (Taddei), Di Carmine, Lanzafame; Ardemagni. Técnico: Pierpaolo Bisoli.

É a hora do Perugia? Na última temporada, os grifoni voltaram à Serie B e montaram um bom time, caindo apenas nos play-offs de acesso à elite. Para 2014-15, Andrea Camplone foi substituído por Pierpaolo Bisoli, que garantiu dois acessos com o Cesena. O elenco biancorosso mudou bastante, mas manteve a força e até melhorou em alguns setores, como no gol, onde terá o experiente Rosati. Vários dos titulares – mesmo os mias jovens – já jogaram a Serie A, e o mais experiente deles é o brasileiro Taddei, que dará uma mão para os umbros pela segunda temporada. Os gols ficam a cargo de Ardemagni, bomber que surgiu bem no Modena mas passou anos no ostracismo, ressurgindo a partir de janeiro, no próprio Perugia.

Vicenza
Destaques: Nicola Pozzi (atacante) e Michele Pazienza (volante)
Time-base: Vigorito; Sampirisi, Camisa, Mantovani, Brighenti; Modic, Pazienza, Gagliardini; Galano, Pozzi, Giacomelli. Técnico: Pasquale Marino.

Surpreendentemente, o tradicionalíssimo Vicenza foi terceiro colocado na última temporada, oe não voltou à elite de forma direta por causa de três pontos, sendo eliminado nos play-offs. O técnico Marino continuou no cargo, mas terá dificuldades de fazer a equipe repetir a façanha. Os lanerossi perderam alguns jogadores importantes – sobretudo o atacante Cocco, que será substituído por Pozzi, que faz seus gols, mas há muito tempo não atua com regularidade. O mesmo vale para Pazienza, outro destaque, e Mantovani. Chegar às eliminatórias já será um bom resultado.

Como
Destaques: Simone Scuffet (goleiro) e Osarimen Ebagua (atacante).
Time-base: Scuffet; Ambrosini, Borghese, Garcia; Madonna, Bessa, Sbaffo, Minotti, Marconi; Ganz, Ebagua. Técnico: Carlo Sabatini.

Tradicional time da Lombardia e com várias participações na primeira divisão, o Como voltou à Serie B. O principal objetivo é não ser rebaixado, mas a equipe treinada por Carlo Sabatini – irmão do diretor esportivo da Roma, Walter Sabatini – pode surpreender. No gol, Scuffet buscará solidificar sua carreira: dado como futuro craque da posição, mal jogou em 2014-15 e foi emprestado pela Udinese. Do meio para frente, os destaques são a solidez de Madonna, a juventude de Daniel Bessa, Minotti, Sbaffo e Ganz (filho de Maurizio Ganz, ex-Inter e Milan), além do artilheiro Ebagua.

Os outros
A Serie B é um campeonato bastante equilibrado. Basicamente, metade das equipes tem condições de surpreender e subir e outra parte está destinada a lutar na parte mais baixa da tabela. O nível, porém, é bastante parelho. Das 22 equipes, citamos 11 acima. O que significa que as outras 11 – Ascoli, Brescia, Crotone, Lanciano, Modena, Novara, Pro Vercelli, Salernitana, Ternana, Trapani e Virtus Entella – devem ficar do meio para baixo nessa classificação. Por terem mais estrutura, Ascoli, Brescia, Modena e Salernitana partem em leve vantagem na briga contra o rebaixamento.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário