Subscribe Twitter Facebook

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Decisão quase garantida

Morata voltou a marcar e colocou a Juve bem perto da final, provavelmente diante do Milan (ESPN FC)
Pra quem esperava boas partidas nas semifinais da Coppa Italia, muita decepção. Tanto na terça-feira, entre Alessandria e Milan, quanto na quarta, no Derby d'Italia, jogos fracos tecnicamente, sem grandes lances e oportunidades de gol, e nos quais as defesas se consagraram. Igualmente, através de pênaltis abriram o placar com dois jogadores que precisavam marcar para recuperar a confiança.

No Olímpico de Turim, o contexto esperado: Alessandria recuado, evitando, e muitas vezes com sucesso, dar espaço no seu campo, às vezes marcando um pouco mais alto para tirar vantagem da superioridade numérica e através de desarmes e interceptações encaixar um contra-ataque, o que pouco aconteceu. O time da casa, que embora estivesse a 100 km de distância da sua sede, ainda contou com o apoio de pouco mais de 20 mil torcedores, cerca de 20% da população da cidade homônima dos grigi.

O Milan, por sua vez, cheio de reservas no meio-campo e no ataque, teve as dificuldades de sempre contra adversários retrancados, gerindo mal a posse de bola e com dificuldade para girar o jogo, se movimentar no último terço e chegar ao gol. Ainda assim, Balotelli e Luiz Adriano perderam ótimas chances antes de Antonelli sofrer pênalti no final do primeiro tempo, convertido pelo camisa 45. Na segunda etapa, mais do mesmo e vitória garantida para o time de Mihajlovic, que tem a classificação para a final encaminhada e só jogará a volta em Milão no dia 1º de março.

No Juventus Stadium, o Derby d'Italia, entre Juve e Inter, também contou com os rivais com times modificados, dando espaço para alguns reservas. Em partida entre duas boas defesas, pesou a confiança e vontade de vencer da Velha Senhora, que mesmo sem jamais ter dominado a partida, a controlou muito bem e teve em Cuadrado seu ponto de desequilíbrio para sair vitoriosa e praticamente garantir a vaga na final.

Medíocre, sem ritmo e objetividade com a bola, que a teve em boa parte da partida, a Inter foi tão bem defensivamente quanto a Juventus, mas não conseguiu ativar Ljajic e Jovetic. E, também ao contrário da rival, sofreu com erros individuais, sempre por desatenção, criando oportunidades que os bianconeri muito bem aproveitaram. Além de reforçar o mau momento e o jogo ruim do time de Mancini, a derrota por 3 a 0 tira dos nerazzurri quase todas as chances de se recuperarem em março, já que além dos três gols a recuperar, não terá seus dois zagueiros titulares, suspensos.

Se Tagliavento não marcou erroneamente a penalidade de Medel, que interceptou a bola com o braço na própria área, foi preciso em marcar a falta de Murillo no compatriota Cuadrado, que arrancou com a bola após desatenção da defesa interista e e só foi parado na área. Sem marcar desde outubro, Morata converteu a penalidade com belo chute. O gol veio em momento importante, quando os donos da casa tinham diminuído o ritmo e deixaram de ter a posse da bola.

Com o mesmo contexto no segundo tempo, de ambas as equipes se sobressaindo defensivamente e criando pouco perigo ofensivamente, mais uma vez Cuadrado arrancou uma jogada individual que gerou gol pra Juventus. Depois de bate-rebate, Felipe Melo afastou mal e praticamente deu uma assistência para Morata aproveitar para marcar uma revigorante doppietta. Pouco depois, o golpe decisivo: contra-ataque novamente puxado por Cuadrado, de novo parado com falta pelo compatriota Murillo, amarelado pela segunda vez e expulso.

Mancini mexeu, mas de pouco adiantou, uma vez que seu time seguiu inofensivo com a bola e, agora com um a menos, deu mais espaços para o adversário contra-atacar. Nesse período, Dybala também entrou em campo, e o contexto lhe favoreceu bastante. Muito inteligente para ler o jogo, sempre encontra espaço para desequilibrar e criar gols. E, após cruzamento de Asamoah, se antecipou a D'Ambrosio e contou com rara falha de Handanovic, que sofreu o terceiro gol da noite. Muitas chances de termos um Juventus e Milan na final da copa.

2 Comentários:

Marcos Santos disse...

Se essa final realmente se confirmar, a Juventus é favorita. Mas obviamente, entrará em campo precavida contra qualquer suores que possa ter.

Marcos Santos disse...

Se essa final realmente se confirmar, a Juventus é favorita. Mas obviamente, entrará em campo precavida contra qualquer suores que possa ter.

Postar um comentário