Subscribe Twitter Facebook

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Juventus Football Creed

Herói improvável: Sturaro saiu do banco para completar reação contra o Bayern e dar à Juve final digno de roteiro hollywoodiano (Foto: SkySports)
Se o técnico Massimiliano Allegri for um adepto dos vídeos motivacionais, é certo que o filme Creed: Nascido para lutar, sucesso mundial no último mês, fez parte das palestras que antecederam o duelo contra o Bayern de Munique, pelas oitavas de final da Liga dos Campeões. Afinal, somente um grupo inspirado pela história do protagonista Adonis Creed para recriar a jornada do herói em apenas 90 minutos e levar a torcida juventina da descrença à esperança em tão pouco tempo. 

Assim como Creed - um boxeador amador que busca carreira de sucesso -, a Juve foi esmagada no primeiro ato, continuou apanhando no segundo, mas renasceu na parte final para sair de cabeça erguida e receber os aplausos dos fãs. O 2 a 2 no placar, após começar perdendo por 2 a 0, deixa o confronto aberto, ainda que com boa vantagem para os alemães, e mostra uma equipe cheia de personalidade e que não deixará a vaga escapar facilmente. 

Escalada no 4-4-2 para tentar segurar o Bayern de Guardiola, a Velha Senhora viu sua estratégia fracassar e mal tocou na bola na primeira etapa. Por cinco minutos, a posse dos visitantes bateu os 100%. Depois, caiu para números próximos de 80% e o goleiro Neuer continuou como mero espectador de luxo, sem ser exigido pelo ataque bianconero. Além disso, pela primeira vez na temporada, a boa zaga juventina concedeu ao adversário cinco chutes a gol em um único tempo. 

Assim sendo, até que demorou para que Buffon fosse vazado: só aos 43 minutos, Thomas Muller apareceu sozinho na marca do pênalti, após falha de marcação de Khedira, e fez 1 a 0. A pressão continuou no início do segundo tempo e o 2 a 0 saiu logo aos 10 minutos, em aula de contra-ataque iniciada por Thiago Alcântara e finalizada com a assinatua de Robben, com direito a corte para a esquerda e chute no canto. 

Nesse momento, porém, a Juve já demonstrava sinais de reação, com a boa entrada de Hernanes no lugar de Marchisio. O brasileiro desarmou muito e abriu espaços para a Velha Senhora sair jogando, se tornando peça fundamental para que o time da casa não entregasse os pontos e diminuísse a vantagem do adversário apenas oito minutos depois de sofrer o 2 a 0. Mandzukic, um dos melhores em campo, mostrou rapidez de raciocínio para aproveitar falha de marcação do improvisado Kimmich e deixar Dybala na cara para marcar seu primeiro gol na Liga dos Campeões. 

Pouco depois, foi a estrela de Allegri que brilhou. O treinador sacou Dybala e Khedira para dar lugar a Morata e Sturaro e as substituições não demoraram a fazer efeito. Aos 31 minutos, Morata recebeu boa bola de Mandzukic e tocou de cabeça para Sturaro, em nova falha de Kimmich, empurrar para as redes e igualar. Antes, Cuadrado e Pogba já tinham tido chances de empatar, dando grande prova de força. O que parecia que seria um massacre terminou com equilíbrio - a Juve chutou no alvo sete vezes, contra cinco do Bayern - e encheu de esperanças torcida e jogadores, que agora terão que esperar até 16 de março para o jogo de volta, na Allianz Arena, em Munique. 

Para Allegri, o sonho é possível, desde que o time parta na Alemanha de onde parou no segundo tempo na Itália. "Essa apresentação nos dá confiança. Agora, basta uma vitória para passarmos às quartas", disse o técnico em coletiva, pouco antes de posar a hashtag #iocicredo (eu acredito) em sua conta no Twitter. A notícia positiva para Allegri é que Chiellini e Alex Sandro já devem ter condições para a decisão do dia 16. Além disso, a boa atuação de Hernanes pode significar sua ressureição na Juve, o que pode dar boas opções para a equipe. O fator surpresa pode ser o que falta ao time de Turim para derrubar o mais forte na Alemanha e, aí sim, dar um final digno de Creed - ou Rocky, o pai da franquia - para essa história.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário