Subscribe Twitter Facebook

sexta-feira, 10 de junho de 2016

Serie B: Ajustes finais

Pescara contou com ótimo trabalho do técnico Oddo e do artilheiro Lapadula para subir (Corriere dello Sport)
Como não poderia deixar de ser, foi com muita emoção que o Pescara se tornou o terceiro time a subir para a Serie A 2016-17, se juntando a Cagliari e Crotone. Em um jogo brigado contra o Trapani, que teve muito apoio da torcida siciliana, o empate no jogo de volta garantiu o acesso dos golfinhos, vitoriosos na ida.

A final entre Trapani e Pescara foi um prêmio para os clubes, que chegaram a ser desacreditados em períodos do campeonato e cresceram na reta final, até mesmo se aproximando dos líderes Cagliari e Crotone. A destacar que o novato Massimo Oddo superou o veterano Serse Cosmi, que caiu ao prantos após o apito final, consolado pelo tetracampeão mundial com a Itália em 2006.

O clube do Adriático retorna à primeira divisão após três anos de ausência no ritmo do agora badalado Gianluca Lapadula, artilheiro do campeonato. O centroavante, que interessa a Napoli, Leicester e até a Ricardo Gareca, treinador da seleção do Peru – a mãe do jogador é peruana e ele tem direito à nacionalidade –, marcou 27 gols no campeonato regular e outros três nos play-offs, incluindo um no primeiro jogo da final. Marca melhor, inclusive, que a de Ciro Immobile, autor de 28 gols no goleador Pescara de Zdenek Zeman, em 2011-12.

Apesar da promoção inédita para a elite do futebol italiano não ter vindo, fica o registro da luta do time de Cosmi: o experiente treinador não vinha de grandes trabalhos e a equipe de investimentos modestos entrou na terceira temporada na Serie B sem grandes ambições, mas com bons resultados – este o melhor deles, evidentemente. Vittorio Morace, presidente e dono, reorganizou o clube de forma modesta e por muito pouco não comemorou a quarta promoção desde que assumiu o comando, há dez anos.

Trapani (3º colocado) e Pescara (4º) fizeram a final do play-off, mas outros quatro clubes chegaram a esta etapa da competição: o Bari (5º), enfrentou o Novara (8º) para decidir o rival do Pescara, enquanto Cesena (6º) e Spezia (7º) duelaram para definir o adversário do Trapani, com sucessos para os times posicionados mais abaixo na tabela. A decepção ficou por conta de Bari, Cesena e Spezia, times que investiram muito para a disputa do torneio. Bareses e spezinos registram outro ano batendo na trave na briga pelo acesso e tantos gastos sem retorno podem pesar nas finanças.

No play-out, a Salernitana não teve grandes dificuldades para superar o Virtus Lanciano por 5 a 1 no agregado, vencendo em casa por 4 a 1 e garantindo a permanência na segundona mesmo tendo passado 3/4 do torneio na zona de descenso. Um feito a ser comemorado para o clube campano.

O time de Claudio Lotito, também dono e presidente da Lazio, apesar do bom investimento, sofreu na primeira temporada na Serie B, mas conseguiu a salvezza. Fica a desilusão para o Lanciano, que sofreu com a má administração: atrasos no pagamento de salários e outras contas fizeram a equipe perder quatro pontos valiosos, que a livrariam do rebaixamento.

2 Comentários:

Anônimo disse...

E o Livorno, caiu mesmo pra terceira divisão? Muito triste.

George Carlos disse...

Da mesma maneira e pelo mesmo motivo do campeonato brasileiro à época de mata-mata, esse sistema da série B do italiano é injusto, pois nem sempre se dá melhor o time que fez melhor campanha na fase de pontos corridos. No caso, o Trapani (3°) que terminou a fase de pontos corridos melhor colocado do que o pescara (4°) perdeu a vaga por um injusto sistema (play-offs). Respeito as opiniões contrárias.

Postar um comentário