Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Jogadores: Alen Boksic

Em sete anos de Itália, Boksic foi um dos grandes coadjuvantes de luxo do campeonato (Corriere della Sera)
A expressão "brasileiros da Europa" é utilizada para alguns povos, como o italiano, pelo estilo caloroso e desorganizado, ou mesmo o irlandês, pela fanfarronice. No futebol, a alcunha é dada para os naturais da antiga Iugoslávia e, mais especificamente para croatas e sérvios, que tratam bem a bola. Um destes bons exemplos de técnica refinada foi Alen Boksic, ex-atacante de Lazio e Juventus.

Nascido no litoral da Croácia, Boksic começou a carreira em um clube de bairro de sua cidade e, quando ainda era juvenil, transferiu-se ao maior clube da região, o Hajduk Split. Em 1987, quando tinha 17 anos, o atacante foi integrado ao elenco profissional do maior time da Dalmátia e, precocemente, começou a mostrar suas habilidades. Muito técnico, ambidestro, finalizador nato e sempre bem posicionado, Boksic fez 174 partidas pela equipe, com 60 gols marcados e dois terceiros lugares da primeira divisão iugoslava conquistados. O atacante ainda fez o gol decisivo para a conquista da última Copa da Iugoslávia pelo Hajduk, em 1991. Meses depois, a Croácia e outras repúblicas se tornariam independentes.

Com o título na bagagem, o atacante assinou com o Cannes e foi para a França. No entanto, um empecilho que iria atrapalhá-lo durante toda sua carreira o atrapalhou: sérias lesões o impediram de entrar em campo mais do que uma vez pelo clube do sul do país. Mesmo assim, o gigante Olympique Marseille o levou para o Vélodrome e o viu explodir.

Com a camisa branca e azul do OM, Boksic marcou 23 gols na campanha do título francês, depois revogado, por causa de corrupção ativa do presidente Bernard Tapie. Além de artilheiro do campeonato local, o croata foi um dos vice-artilheiros da Liga dos Campeões, com seis gols, atrás apenas de Romário, então no PSV. Ou seja, com participação ativa do croata, o Marseille conquistou o maior título de sua história e levantou a "orelhuda", batendo o Milan na final.

Boksic começou a temporada 1993-94 em Marselha e ainda fez 12 jogos pelos phocéens até dezembro, quando ficou em quarto lugar na Bola de Ouro – atrás de Roberto Baggio, Dennis Bergkamp e Éric Cantona. Naquele momento, os marselheses já sabiam que iriam ser rebaixados por causa da fraude de Tapie e, em crise, acertaram a venda do croata para a Lazio por cerca de 15 bilhões de velhas liras.

O novo reforço disputou 21 partidas e anotou quatro gols em seus primeiros meses em Roma, nos quais montou um belo trio de ataque com Pierluigi Casiraghi e Giuseppe Signori. A Lazio acertou com o técnico Zdenek Zeman para a temporada 1994-95 e o tridente ofensivo continuou em alta, aditivado pelo futebol ultraofensivo do checo.

O grande artilheiro era Signori, enquanto Boksic e Casiraghi eram seus assistentes. O croata, apesar de atuar como centroavante, se notabilizou pelo estilo dinâmico e por uma movimentação que desbaratava defesas. Mesmo não sendo o principal terminal ofensivo laziale, Boksic fez 13 gols em dois anos (nove no primeiro e quatro no segundo), ajudando a Lazio a alcançar o vice-campeonato em 1995 e a terceira posição em 1996. Foram as melhores campanhas dos biancocelesti desde o scudetto, conquistado em 1974.

Croata teve curta passagem pela Juve e não convenceu Marcello Lippi (Goal)
Destaque da Serie A, Alen Boksic seguiu o caminho natural dos melhores jogadores do país e foi vendido à Juventus. O atacante croata conquistou três títulos com a camisa da Velha Senhora – Supercopa Uefa, Mundial Interclubes e Serie A –, além de ter sido vice-campeão da Liga dos Campeões, mas não impressionou o técnico Marcello Lippi. Boksic marcou somente três gols na Serie A, mas foi o artilheiro da Juve na Champions. Assim mesmo, não continuou em Turim para a temporada 1997-98.

Boksic retornou para a Lazio, que viveria nos próximos anos o seu período mais glorioso. Sob o comando do sueco Sven-Göran Eriksson o croata teve sua melhor temporada, em termos de gols marcados: ajudado por Pavel Nedved e Roberto Mancini, ele balançou as redes 10 vezes na Serie A – e anotou alguns golaços, como este contra a Sampdoria. A equipe da Cidade Eterna ficou apenas na sétima posição no Italiano, mas foi finalista da Copa Uefa e venceu a Coppa Italia.

Nos dois anos seguintes a Lazio montou um esquadrão e o time, que já tinha Boksic, Nedved, Mancini e Alessandro Nesta, contratou nos anos seguintes Sinisa Mihajlovic, Dejan Stankovic, Diego Simeone, Juan Sebastián Verón, Marcelo Salas, Christian Vieri, Hernán Crespo, Simone Inzaghi e Claudio López. A concorrência no ataque aumentou, mas Boksic continuou com papel de destaque e foi importante para as conquistas do vice italiano, da Recopa e da Supercopa Europeias, em 1999, e do segundo scudetto celeste, que o time romano levantou em 2000, ano de seu centenário.

Boksic posa ao lado de Paul Gascoigne, em sua primeira passagem pela Lazio (Pinterest)
Após conquistar mais um título italiano, Boksic decidiu deixar a Lazio e, surpreendentemente, assinou com o Middlesbrough, que o adquiriu por cerca de 2,5 milhões de libras esterlinas. O atacante croata teve algumas lesões em sua passagem por Merseyside, mas também marcou muitos gols: em 2000-01 foram 12 na Premier League. Tentos que o fizeram ser eleito o jogador do ano para a torcida do Boro. O croata fez oito gols no ano seguinte, mas voltou a ser vítima de sérias lesões. Até que, em janeiro de 2003, pouco antes de completar 33 anos, entrou em acordo com os smoggies e decidiu se aposentar.

Boksin talvez seja menos reconhecido do que deveria porque não conseguiu brilhar em torneios de seleções. Tudo começou em 1990, quando o atacante chegou a representar a Iugoslávia na Copa do Mundo da Itália, mas não foi utilizado pelo técnico Ivica Osim na competição, preterido por Darko Pancev e Zlatko Vujovic. Logo depois, enquanto vivia um de seus melhores momentos, o jogador não tinha uma seleção para atuar, já que a Croácia estava se separando da república iugoslava e só foi admitida em competições Fifa após a Copa de 1994.

Boksic atuou com os xadrezes na Euro 1996, mas, dois anos depois, ficou de fora do Mundial de 1998, a grande competição da história croata: vivia grande fase e poderia formar uma dupla de ataque fortíssima, ao lado de Davor Suker, mas se machucou outra vez perto do início do torneio e não participou da campanha do terceiro lugar.

O ex-jogador da Lazio e da Juventus só foi estrear em uma Copa do Mundo em 2002, quando tinha 32 anos, mas a Croácia não foi bem. Boksic jogou 40 partidas pela seleção e marcou 10 gols – nenhum deles em Euro ou Copas. De qualquer forma, o eslavo tem garantido para si o posto na lista dos melhores atacantes da década de 1990.

Veja todos os gols de Alen Boksic na Serie A.



Alen Boksic
Nascimento: 21 de janeiro de 1970, em Makarska, Iugoslávia (atual Croácia)
Posição: atacante
Clubes como jogador: Hajduk Split (1987-91), Cannes (1991-92), Marseille (1992-93), Lazio (1993-96 e 1997-2000), Juventus (1996-97) e Middlesbrough (2000-03)
Títulos: Liga dos Campeões (1993), Mundial Interclubes (1996), Supercopa Uefa (1996 e 1999), Recopa Uefa (1999), Serie A (1997 e 2000), Coppa Italia (1998 e 2000) e Copa da Iugoslávia (1991)
Seleção iugoslava + croata: 40 jogos e 10 gols

1 Comentário:

Phillippo Gallucci disse...

Cadê a continuação do Top 100 Séria A ?

Postar um comentário