Subscribe Twitter Facebook

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Top 100 Serie A: 10-1


Chegamos à hora da verdade: as figurinhas mais especiais da nossa lista com os maiores craques da Serie A dos últimos 50 anos se encontram aqui. Complete o álbum!

Top 100 Serie A




Posição: lateral esquerdo
Clubes na Serie A: Inter (1960-78)

Homem de um time só, Facchetti foi um dos maiores laterais esquerdos da história e, pela forte relação com a Inter, clube que também presidiu, teve sua camisa 3 aposentada – somente Javier Zanetti recebeu a mesma honra nerazzurra. Facchetti foi um dos jogadores mais dinâmicos do catenaccio de Helenio Herrera e se destacou como o primeiro lateral ofensivo do futebol: muito rápido, o ex-atleta dos 100 metros rasos era muito forte no apoio e, até hoje, é o defensor com mais gols na Serie A, com 60 tentos anotados. Capitão da seleção italiana por 11 anos, Facchetti ganhou uma Euro (1968) pela Nazionale e nove títulos pela Inter, incluindo o tetracampeonato da Serie A e o bi europeu e mundial.



Posição: meio-campista
Clubes na Serie A: Brescia (1994-95, 1997-98 e 2001), Inter (1998-99 e 2000-01), Reggina (1999-2000), Milan (2001-11) e Juventus (2011-15)

Pirlo talvez seja o maior exemplo de jogador que entra em campo sob o som de música clássica, vestido com um terno de grife e com uma taça de um caro vinho em mãos – não à toa, é apelidado de Professor, Arquiteto ou Mozart. O lombardo começou a carreira como trequartista e já foi bem, por Brescia e Reggina, mas a Inter não viu futuro nele e o negociou com o Milan. Carlo Ancelotti o transformou em regista e lhe deu a possibilidade de se tornar um dos maiores jogadores da história da Itália. Mais recuado, Pirlo pode usufruir de sua enorme visão de jogo e de seu senso tático para criar chances para seus times. Dessa forma, atuou 10 anos com protagonismo no Milan e outros quatro da mesma forma na Juve, além de ter sido central para o tetracampeonato da Itália, em 2006. O regista tem seis títulos italianos e ainda detém o recorde de maior número de gols de falta na competição: 28, juntamente a Sinisa Mihajlovic.



Posição: zagueiro
Clubes na Serie A: Milan (1977-97)

Um dos maiores líberos da história do futebol, ao lado de Franz Beckenbauer e Gaetano Scirea, Baresi superou a baixa estatura (1,76m) e o físico franzino no início de carreira para se tornar um verdadeiro monstro na posição. Em sua carreira, só vestiu o vermelho e preto do Milan e o azul da Itália. Com qualquer uma das camisas, sempre demonstrou uma leitura de jogo fantástica, senso de antecipação e poder de recuperação muito acima da média, além de soberania nos desarmes. Um gênio tático, que tudo enxergava em campo e cobria com perfeição. Baresi se tornou capitão do Milan com apenas 22 anos e, com a mesma idade, foi tricampeão mundial em 1982 – mesmo sem entrar em campo, já que era reserva de Scirea. Viveu seu auge com Arrigo Sacchi, época em que foi segundo colocado na Bola de Ouro. No total, Franco fez 719 partidas pelo Milan e conquistou 21 títulos, inclusive sendo hexacampeão da Serie A. Quando se aposentou, teve a camisa 6 aposentada pelos rossoneri.



Posição: meia-atacante
Clubes na Serie A: Alessandria (1958-60) e Milan (1960-77)

Gianni Rivera, o "Golden Boy". Um fantasista no melhor sentido da palavra, talvez o trequartista mais impactante e genial que o futebol italiano já viu. Comparado a Giuseppe Meazza e Juan Alberto Schiaffino, o jogador saiu do modesto Alessandria com apenas 16 anos, após ótima Serie A, e desfilou sua classe pelo Milan por quase duas décadas, de 1960 a 1979. Nesse período, disputou 658 jogos, fez 164 gols e ganhou 12 títulos – três séries A. Dono da camisa 10, teve o auge sob o comando de Nereo Rocco e seu catenaccio, sendo o principal organizador e cabeça pensante de um time que se fechava atrás e abria espaços para o craque aparecer com passes precisos, jogadas incríveis, dribles e poder de decisão.  Foi um dos grandes jogadores do futebol mundial nos anos 1960 e 1970, sendo vice na Bola de Ouro em 1963 e conquistando-a em 1969. Rivera foi o craque que levou o Milan a iniciar a projeção mundial que tem hoje.



Posição: meia-atacante
Clubes na Serie A: Juventus (1982-87)

Platini ganhou todos os títulos possíveis e foi protagonista em todas as cinco temporadas que jogou em Turim: pela Juventus, o francês de origem italiana anotou 103 gols em 222 partidas e conquistou sete títulos na década mais mágica da Serie A – foram duas taças do Italiano. A despeito de um início conturbado com Giovanni Trapattoni, por não sei encaixar muito bem no sistema do treinador, Platini superou as desavenças para se tornar um dos grandes da história da Velha Senhora: foi por três vezes consecutivas Bola de Ouro e artilheiro da Serie A. Segundo o próprio, só não fez mais pelos problemas físicos, táticos e por falta de motivação. Michel Platini se aposentou em 1987, quando tinha apenas 32 anos.

5º - Javier Zanetti


Posição: lateral direito
Clubes na Serie A: Inter (1995-2014)

O Trator. Assim ficou conhecido Javier Zanetti ao longo de sua grande carreira, por passar pelos rivais com força, velocidade e muita destreza. Foi assim também que o maior lateral direito argentino superou diversas bandeiras na história da Inter se tornou um dos maiores jogadores da história do clube: é o o que com mais títulos conquistados (16), o que mais vezes vestiu a camisa nerazzurra (858 vezes) e o que mais jogou consecutivamente como titular (137 vezes). Ainda é o jogador estrangeiro com mais jogos pela Serie A e o segundo que mais vezes entrou em campo no total (615 partidas), atrás apenas de Paolo Maldini. Símbolo de lealdade, longevidade, respeito e qualidade técnica, Pupi foi aclamado pelo mundo do futebol e até mesmo por adversários.

4º - Francesco Totti


Posição: meia-atacante
Clubes na Serie A: Roma (1992-hoje)

No Totti, no party. O lema dos torcedores da Roma cabe perfeitamente aqui, uma vez que o Pupone marcou época no futebol. Com 39 anos, Totti continua importante para seu clube do coração, que nunca cogitou deixar. Do jogador que estreou em 1993, restam a classe, a visão de jogo, os toques imprevisíveis e o fortíssimo chute de fora da área. Mas Totti se reinventa a cada dia: trequartista ou segundo atacante no início da carreira, começou a jogar mais próximo do gol com Luciano Spalletti, em 2006, e aumentou bastante a sua média de gols. Nos últimos 10 anos, marcou 123 vezes apenas na Serie A. Hoje, o capitão da Roma tem 248 tentos anotados na Serie A e é o segundo colocado na classificatória geral, abaixo apenas de Silvio Piola (274). Interminável, Totti ainda é o terceiro atleta com mais partidas no campeonato (601).



Posição: meia-atacante
Clubes na Serie A: Napoli (1984-91)

Desde a chegada em Nápoles, Maradona mostrou que a sua passagem pela cidade seria inesquecível. À época, contratado por um valor recorde, foi apresentado ao San Paolo lotado, mas foi brilhar mesmo depois de conquistar a Copa do Mundo de 1986 com a Argentina. Ao lado de Bruno Giordano e Careca, os outros dois componentes do trio MaGiCa, conseguiu levar o Napoli a dois scudetti e ainda conseguiu títulos de Copa Uefa, Coppa Italia e Supercopa Italiana, além de dois vices nacionais. Um dos maiores craques da história, El Diez foi o grande jogador da história do Napoli, é o maior artilheiro da história azzurra, com 115 gols e, teve sua camisa 10 aposentada pelo clube. Maradona conseguiu uma idolatria difícil de ser comparada com qualquer outra: foi capaz de fazer os napolitanos vaiarem até mesmo o hino de seu próprio país, na Copa de 1990. Até hoje camisas do Pibe d'Oro e diversas referências a ele são encontradas no sul da Bota.



Posição: atacante
Clubes na Serie A: Juventus (1993-2012)

Del Piero é o maior jogador da história da Juventus. Seus números pela Velha Senhora são irretocáveis: seis títulos da Serie A, quatro Supercopas e uma Liga dos Campeões, além de ser o goleador máximo da história da do clube (188 gols na elite, 290 ao todo) e o atleta que mais atuou com a camisa bianconera (790 jogos). Chamado de Pinturicchio, o atacante também é um dos 10 maiores artilheiros da história e o único jogador italiano a marcar mais de 10 gols em 16 temporadas. Só isso já bastaria para considerá-lo como um dos maiores de todos os tempos. Mas ele foi mais: considerado herdeiro de Roberto Baggio, Del Piero sempre demonstrou características similares às do "professor": excelente visão de jogo, qualidade nas finalizações e magistrais cobranças de falta. Na Itália, um de seus modos preferidos de marcar gols virou verbete futebolístico: um gol "à Del Piero" é aquele em que o jogador acerta uma bola no ângulo oposto ao do chute, tirando a bola do goleiro com efeito.



Posição: zagueiro e lateral esquerdo
Clubes na Serie A: Milan (1984-2009)

Mito do futebol, Maldini construiu uma  inigualável carreira como um dos maiores defensores da história e virou sinônimo de Milan e Itália no mundo inteiro.  Com apenas 17 anos já era o dono da lateral esquerda e da mítica camisa 3 rossonera, que a partir de 1985 passaria a ser só sua – está aposentada até outro Maldini entrar em campo pelo clube. O milanista tem a lateral como função e origem, mas nunca teve problemas em atuar no centro da defesa. Em ambas as posições, foi um dos melhores da história: versátil, técnico, forte e inteligente, com boa velocidade, classe e marcação implacável. Acumulou taças e também recordes, algo que fazem os terceiros lugares na Bola de Ouro, em 1994 e 2003, parecerem detalhes. Pelo Milan, foram incríveis 902 jogos realizados e 26 títulos conquistados em absurdos 25 anos de carreira como profissional. Maldini ainda é, e dificilmente deixará de ser, o jogador com mais partidas e taças pelo Diavolo. O defensor também é o recordista de jogos na história da Serie A, com 647 partidas, e em competições Uefa, com 174 jogos.

4 Comentários:

Anônimo disse...

costacurta não entra na lista

Thiago Mafra disse...

Grande analise de cada jogador, lista sempre têm sua divergências mais o mais rico são as analises.
Hoje um liga menos badalada mais não menos apaixonante.
Gostei da lista por levar critérios de títulos e gols que acabam super valorizando alguns e deixando esquecidos outros que permaneceram fieis, como Totti que mesmo tendo ganho poucos títulos, seu futebol é gigantesco.
Parabéns pelo trabalho.

Matheus Ferreira disse...

Acho que apesar de não ter o mesmo número de títulos,Totti foi melhor que Del Piero na Serie A. Mas enfim,belíssimo trabalho com a qualidade já conhecida.

Pensei aqui um XI : Buffon;Fachetti-Baresi-Maldini-Zanetti;Pirlo-Ancelotti-Maradona-Del Piero-Platini;Totti(tentei dar alguma coerência tática)

Roberto Maschio disse...

Tirar Baggio do top 10 e colocar o Zanetti e esse ainda à frente de um gênio da defesa como o Baresi é no mínimo incoerente, entre pérolas como Totti que foi pouco vitorioso na posição em que foi inserido ...

Postar um comentário