Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

4ª rodada: O matador de velhinhas

Icardi marcou contra sua vítima favorita e fez a Inter quebrar jejum contra a Juve (LaPresse)
Em 2004, quando fizeram o satírico filme "Os matadores de velhinhas", os irmãos Joel e Ethan Coen jamais poderiam imaginariam que inspirariam o título de uma crônica esportiva. Pois bem, um dos maiores clássicos do futebol italiano, o Derby d'Italia, disputado entre as gigantes Inter e Juventus, teve um personagem que permitiu explorarmos este potencial: Mauro Icardi, a peça fundamental para dar a vitória e um pouco de renovação de moral aos nerazzurri – sem falar na liderança, que caiu no colo do Napoli. Acompanhe o resumo da rodada, que ainda teve um importante partida entre Fiorentina e Roma e vitórias do novo líder, do Milan, da Lazio e do Sassuolo.

Inter 2-1 Juventus
Icardi (Banega), Perisic (Icardi) | Lichtsteiner (Alex Sandro)

Tops: Icardi e João Mário (Inter) | Flops: Asamoah e Mandzukic (Juventus)

Há tempos o jogo que mexe com toda a Itália não era tão equilibrado. A supremacia da Juventus nos últimos anos coincidiu com a decadência da Inter, um time que tem prometido renascer após o investimento do grupo chinês Suning. Um bom passo para que isso possa acontecer foi a vitória sobre a grande rival, justamente em um momento de muita contestação – vale lembrar que os nerazzurri deram vexame na quinta, contra o Hapoel Be'er Sheva. Desde 2012 a Beneamata não batia a Velha Senhora pela Serie A e desde 2010 não a vencia em casa. E, em todo este período, não conseguiu ser páreo à pentacampeã, muito menos demonstrar superioridade. Palmas para De Boer, que organizou o time a partir de João Mário e Banega.

Porém, a equipe de Milão precisava de algo mais que uma equipe arrumada para superar o jejum. Era necessário uma espécie de exorcista, um especialista em fulminar a Juventus. Icardi, que tem na Velha Senhora a sua vítima preferida (são sete gols sobre os bianconeri), fez uma de suas melhores partidas com a camisa interista: o capitão se movimentou muito, buscou jogo fora da área, acertou a trave e foi o artífice da virada da Inter. Graças ao artilheiro, a equipe surpreendeu e não sentiu o gol de Lichtsteiner, que balançou as redes aproveitando a deficiência do time da casa nas laterais, justo em um momento em que a Beneamata era melhor. A resposta imediata de Icardi, que marcou de cabeça, foi apenas o prelúdio para sua belíssima assistência de trivela para o gol de Perisic, que definiu o Derby d'Italia e tirou a invencibilidade juventina.

Fiorentina 1-0 Roma
Badelj (Tomovic)

Tops: Badelj (Fiorentina) e Strootman (Roma) | Flops: Kalinic (Fiorentina) e Perotti (Roma)

Nas últimas temporadas, Fiorentina e Roma apresentaram futebol bastante agradável, entre os mais bem jogados da Itália. Por isso, quem esperava que a partida entre as duas equipes fosse exuberante, se decepcionou: faltou criatividade e intensidade tanto para os comandados de Paulo Sousa quanto para os de Spalletti.

O time visitante teve mais a bola e a manteve no campo de ataque, mas a noite apagada de Bruno Peres, Perotti, Salah e Dzeko contribuiu para que a Roma pouco ameaçasse Tatarusanu – o fez só no final, após a entrada de Totti, graças a um chute na trave de Nainggolan. Muito sólida no meio-campo, graças às boas atuações de Badelj e Sánchez, a viola controlou o ímpeto romano e tentou marcar com Milic e Kalinic, mas Szczesny estava bem colocado para defender. Já nos minutos finais, polêmica: Badelj arriscou de fora da área e acertou o canto do arqueiro polonês, mas o gol poderia ter sido anulado pelo impedimento de Kalinic, que estava na trajetória da bola.

Napoli 3-1 Bologna
Callejón (Insigne), Milik (Hamsík), Milik | Verdi

Tops: Milik e Callejón (Napoli) | Flops: Krafth e Gastaldello (Bologna)

Higuaín? Milik já tem mais gols do que jogos com a camisa do Napoli e faz a torcida ter mais facilidade para esquecer o Pipita. Com seis gols em cinco jogos – quatro na Serie A – o polonês saiu do banco para decidir a partida para os azzurri. O domínio total do Napoli sobre o Bologna no primeiro tempo, graças à ótima interação entre Zielinski, Hamsík, Callejón e Insigne, resultou em um gol prematuro, marcado pelo atacante espanhol após uma inversão de jogo do baixinho napolitano. Embora os partenopei tivessem criado o suficiente para ampliar o placar ainda antes do intervalo, uma falha de Reina permitiu o empate bolonhês nos primeiros minutos da segunda etapa – foi aí que Milik apareceu e tranquilizou a torcida no San Paolo, anotando um deles com o primeiro toque na bola e outro em muito oportunismo. Com os resultados, o Napoli termina a 4ª rodada na liderança da Serie A, com 10 pontos.

Sampdoria 0-1 Milan
Bacca (Suso)

Tops: Muriel (Sampdoria) e Bacca (Milan) | Flops: Skriniar (Sampdoria) e Bonaventura (Milan)

Aquela que poderia ser a primeira crise de bastidores do Milan foi resolvida dentro de campo. Para a visita a seu antigo time, o técnico Montella decidiu barrar Bacca (considerado pouco participativo) e deu uma chance como titular a Lapadula, artilheiro da última Serie B. Não deu certo: apagado em campo, muito por causa da má partida de Bonaventura, o ítalo-peruano foi substituído no segundo tempo pelo seu concorrente e viu ele colocar fogo no jogo. Bacca entrou acertando uma bola na trave, logo respondida pelo compatriota Muriel, que também balançou o poste, com um chute rasteiro. A Sampdoria, que teve dois gols bem anulados, acabou cedendo: um erro do jovem Skriniar possibilitou a roubada de bola de Suso, que só ajeitou para que Bacca, no finalzinho, marcasse o gol da segunda vitória milanista no campeonato.

Lazio 3-0 Pescara
Milinkovic-Savic (Felipe Anderson), Radu (Cataldi), Immobile (Keita)

Tops: Immobile (Lazio) e Caprari (Pescara) | Flops: Djordjevic (Lazio) e Memushaj (Pescara)

Quem assistiu só o primeiro tempo de Lazio e Pescara e acabou dando um cochilo ou tendo que sair para um compromisso pode ter dificuldades de assimilar o resultado final da partida. O equilíbrio dos times resultava em um jogo ofensivo e agradável: de um lado, os romanos tiveram uma bola na trave e um gol anulado de Immobile, além de uma incrível chance desperdiçada por Parolo, enquanto a equipe treinada por Oddo (ex-ídolo da Lazio) assustou com Caprari e perdeu pênalti com Memushaj, que cobrou muito mal. No segundo tempo, porém, os aquilotti definiram tudo em nove minutos e após a entrada de Keita. O senegalês substituiu o apagado Djordjevic e pôs fogo no jogo, decidido por dois gols de cabeça, de Milinkovic-Savic e Radu, e um bonito tento de Immobile.

Sassuolo 2-0 Genoa
Politano (pênalti), Defrel (Peluso)

Tops: Consigli e Defrel (Sassuolo) | Flops: Orbán e Pavoletti (Genoa)

Mesmo sem as peças que consagraram o Sassuolo nos últimos anos, o time de Di Francesco mantém o seu padrão. Dias depois de triturar o Athletic Bilbao pela Liga Europa, o time neroverde recebeu o Genoa e mostrou um pouco de cansaço, mas soube resolver o jogo porque se mantém fiel à proposta do treinador. A primeira etapa foi fraca e o time da casa só chegou com perigo com Duncan, que acertou a trave. Depois do intervalo os genoveses voltaram melhores, iluminados por Miguel Veloso, mas Consigli respondeu com boas defesas. Até que, aos 12 minutos, Defrel costurou na área e foi ingenuamente derrubado por Orbán – Politano converteu o pênalti. O francês voltou a incomodar Perin, que também fez um milagre no rebote, em chute de Ricci, e deixou o dele poucos minutos depois, completando cruzamento. As duas equipes estão com 6 pontos.

Cagliari 3-0 Atalanta
Borriello (João Pedro), Sau (Isla), Borriello

Tops: Borriello e Rafael (Cagliari) | Flops: Paloschi e Berisha (Atalanta)

Dia de alegria para o Cagliari desde antes de a partida começar. A torcida homenageou o brasileiro Nenê, estrela do scudetto conquistado em 1970, que faleceu no início do mês, e aplaudiu muito a lenda Riva e outros jogadores daquele time, que estiveram presentes na cerimônia. Dentro de campo, Borriello deu mais um show na temporada – já marcou oito gols, quatro na Serie A – e mostrou como é cruel com os times em que já jogou. Ele, que atuou em oito times diferentes no campeonato, só balançou as redes contra equipes nas quais foi referência. A boa partida defensiva dos sardos, com ótima atuação da dupla Bruno Alves-Ceppitelli, foi suficiente para barrar Kessié, Gómez e Paloschi. Quando teve chance, o artilheiro atalantino desperdiçou pênalti, defendido por Rafael.

Crotone 1-1 Palermo
Trotta (Falcinelli) | Nestorovski (Aleesami)

Tops: Palladino (Crotone) e Aleesami (Palermo) | Flops: Capezzi (Crotone) e Goldaniga (Palermo)

O campeonato nem bem começou, mas esta partida já marcava o confronto de dois futuros desesperados. Crotone e Palermo serão times que brigarão contra o rebaixamento e que já partem tendo de correr atrás do prejuízo: os calabreses somaram seu primeiro ponto na Serie A, ao passo que os palermitanos empataram pela segunda vez no certame. O Crotone – que mais uma vez jogou em Pescara, uma vez que seu estádio ainda está em reforma – saiu na frente depois que uma enfiada de Palladino originou o gol de Trotta, mas o Palermo cresceu no segundo tempo e empatou, com Nestorovski. Resultado justo para uma partida em que os times se equilibraram em seu baixo nível técnico.

Udinese 1-2 Chievo
Zapata (Hallfredsson) | Castro (Pellissier), Cacciatore (Castro)

Tops: Hallfredsson (Udinese) e Castro (Chievo) | Flops: Wagué (Udinese) e Inglese (Chievo)

Almoço indigesto para a Udinese. Jogando em casa, a equipe friulana foi inferior ao Chievo durante toda a partida, mas ainda assim ia conseguindo a vitória até os minutos finais. Apesar das atuações negativas de Théréau e De Paul, os bianconeri abriram o placar aos 25 minutos, quando Zapata aproveitou um cruzamento de Hallfredsson e fulminou, com belo cabeceio. O gol chamou o Chievo para cima, mas Karnezis não efetuou defesas complicadas até a reta final do jogo. Foi aí que um cruzamento de Hetemaj foi desviado por Pellissier e empurrado para as redes por Castro, que empatou o jogo. Os clivensi continuaram com a carga e, no quinto minuto de acréscimo, uma jogada similar acabou com o gol do lateral Cacciatore.

Torino 0-0 Empoli

Tops: Boyé (Torino) e Saponara (Empoli) | Flops: Iago (Torino) e Gilardino (Empoli)

São apenas quatro jogos na Serie A, mas o Torino de Mihajlovic (suspenso e substituído por Lombardo nesta rodada) ainda não engrenou. A equipe grená sentiu muito a falta do artilheiro Belotti nos últimos dois jogos, nos quais conseguiu apenas um pontinho. O primeiro tempo do Toro foi bom, mas a equipe não conseguiu capitalizar as chances criadas em gol: Obi e Boyé pararam em Skorupski e Acquah cabeceou para fora. Após o intervalo, o Toro caiu muito de rendimento por falta de preparo físico, mas o Empoli não conseguiu aproveitar, embora Saponara buscasse jogo. A partida negativa de Gilardino manteve o zero no placar, mas os toscanos se deram por satisfeitos pelo empate.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 3ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Consigli (Sassuolo); Cacciatore (Chievo), Miranda (Inter), Bruno Alves (Cagliari), Radu (Lazio); João Mário (Inter), Badelj (Fiorentina); Borriello (Cagliari), Defrel (Sassuolo), Milik (Napoli); Icardi (Inter). Técnico: Frank De Boer (Inter).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

3 Comentários:

George Carlos disse...

Antes de comentar alguns jogos da rodada, desejo fazer um esclarecimento. Dias antes de iniciar cada rodada, todos os times devem enviar à FGIC (federação italiana de futebol) a escalação para o jogo daquela rodada. Mas na 2° rodada o Sassuolo escalou um jogador contra o pescara, no estadio Mapei stadium em Reggio Emmilia (onde o sassuolo manda seus jogos), que nao estava na mencionada lista. Em campo o resultado final foi 2x1 para o sassuolo, mas a FIGC, como punição ao sassuolo, criou e determinou um placar de 3x0 para o pescara. Assim, a classificação oficial (da federação italiana) leva em conta o resultado determinado pela punição (3x0 pescara) e nao resultado de campo (2x1 sassuolo), muito embora varios sites se baseiem no resultado de campo.

George Carlos da Siva disse...

Numa rodada que foi marcada pela queda de mais dois invictos (Juventus e Roma), o Nápoli mostrou que a soberania da Juventus nunca esteve tão ameaçada. Sim, o time do san paolo conta com um excelente trio formado por insigne (excelente ponta sempre convocado para o time de Ventura,) calejon e milik (centroavante rápido e aguerrido). Este vai fazer a torcida esquecer logo do mercenário Higuain. Não vi incompetência do Bologna, mas sim um super ataque do nápoli (ate porque não é vergonha perder do napoli em seus domínios). No Olimpico de Roma, a Lázio provou que a defesa do chievo verona é muito fraca,principalmente por cima. Um excelente Immobile que mostrou porque é sempre convocado para a squadra nazionale. E a goleada seria maior se Parolo não tivesse perdido sozinho um gol de cabeça. No Giuseppe Meazza a juventus perdeu de virada, mas não decepcionou, pois perdeu para uma reforçada e decisiva Inter em seus domínios. Com Icardi inspiradíssimo, Vimos um Eder limitado, tanto que com sua saída a inter ganhou maior versatilidade e objetividade no ataque. por outro lado, Chiellini continua falhando infantilmente, desta feita, falhou grave e individualmente, motivo pelo qual Icardi chuta no pau direito de Buffon e quase marca. No Luigi Ferraris, um resultado injusto: a sampdoria (que mereceria no minimo o empate) pressionou muito mais, mas esbarrou no excelente arqueiro Donnarruma. por outro lado, não entendo como um tecnico pode deixar um jogador como Bacca no banco. sem criticas a Lapadulla, se Bacca começasse jogando, o resultado para o milan certamente seria mais elástico. No Artemio Franchi, eu esperava a Roma voltar pra casa com pelo menos um ponto na bagagem, mas não é fácil enfrentar uma fiorentina em seus domínios embalada pela apaixonada torcida violeta. Enfim, já podemos sentir que a briga pelo titulo mais uma vez ficará entre juventus e napoli com Inter e roma correndo logo atras. Fiquemos de olho na lazio, que deve sempre frequentar a zona de classificação para a Uefa (4ª e 5ª posições). Já na parte de baixo da tabela,nenhuma novidade no Z4 e nas primeiras posições logo acima, que sempre contará com Pescara, Empoli, Atalanta, Palermo e crotone.



George Carlos da Siva disse...

Corrigindo: A federação italiana de futebol é a FIGC (Federazione Italiana Gioco Calcio);
Na verdade não é Z4, mas sim Z3, pois caem apenas três;
O 4º e 5º colocados garantem vaga na liga Europa, que é a antiga copa da Uefa;
O chute de Icardi foi na trave esquerda de Buffon e não na direita, como falado antes.

Postar um comentário