Subscribe Twitter Facebook

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Italianos na Europa, semana 6: Os vereditos

Com grande participação de Mertens, Napoli definiu liderança em seu grupo (Foto Mosca)
A última rodada das fases de grupos da Liga dos Campeões e da Liga Europa chegou com muitos vereditos já confirmados ou próximos da definição. Para os times italianos, também: a Juventus, classificada, estava com a faca e o queijo para ficar com a primeira posição de seu grupo na LC, enquanto a Roma já a garantira, na EL. Ao passo que Inter e Sassuolo já estavam eliminados, apenas Napoli e Fiorentina precisavam de mais esforços para ficarem com a liderança. E assim foi: quatro times italianos avançaram com a soberania em suas chaves.

O cenário da Liga dos Campeões
Quem entrou em campo primeiro foi o Napoli, na terça, e com a mais complicada missão. Os azzurri poderiam ter se classificado às oitavas da Champions na terceira rodada, mas acumularam tropeços e chegaram ao último jogo precisando vencer o Benfica, em Lisboa – caso contrário, precisariam torcer por uma vitória do eliminado Dynamo Kyiv contra a sensação Besiktas. A vida dos campanos ficaria resolvida porque os ucranianos contaram com a ajuda da arbitragem e duas expulsões dos turcos para enfiarem um inesperado 6 a 0 no Olimpiyskiy – 4 a 0 ainda antes do intervalo. Mas o time de Sarri foi em busca da liderança do Grupo B e venceu os encarnados.

No curso do primeiro tempo os dois times já haviam sido informados do placar em Kiev, mas a partida foi parelha. O Benfica teve uma chance clara após uma lambança de Hamsík e Albiol, enquanto o Napoli teve gol bem anulado. O time italiano que voltou com mais garra do descanso e quase abriu o placar no início da primeira etapa com um chute colocado de Gabbiadini, que Luisão desviou para escanteio. Minutos depois, foi Callejón quem perdeu uma chance cara a cara com Éderson, após bela enfiada de Insigne.

O Napoli crescia no jogo, mas só conseguiu ser mais concreto após a entrada de Mertens. Primeiro, o belga encontrou Callejón com um passe açucarado e o espanhol, cara a cara com o goleiro, só deu uma cavadinha para abrir o placar. 20 minutos depois, Mertens recebeu na entrada da área, driblou Luisão e bateu no cantinho, encaminhando a vitória italiana – Raúl Jiménez descontou, após erro crasso de Albiol, mas já era tarde.

No outro jogo envolvendo italianos na Liga dos Campeões, deu Juve, como esperado. A Velha Senhora ocupava a primeira posição do Grupo H e, para continuar lá, precisava bater o fraco Dinamo Zagreb – sem pontos no torneio – para não depender de um resultado favorável entre Lyon e Sevilla. O empate na França acabaria por ser suficiente, mas a Juventus venceu os croatas por 2 a 0, com gols de Higuaín e Rugani. O destaque da quarta ficou para a estreia do brasileiro Neto na Champions e para o fim do jejum do Pipita.

Chaveamento do sorteio
Pote 1: Arsenal, Napoli, Barcelona, Atlético de Madrid, Monaco, Borussia Dortmund, Leicester e Juventus.
Pote 2: Paris Saint-Germain, Benfica, Manchester City, Bayern Munique, Bayer Leverkusen, Real Madrid, Porto e Sevilla.

Bernardeschi foi um dos poucos titulares que jogaram pela Fiorentina nesta quinta (Massimo Sestini)
O cenário da Liga Europa
Nesta quinta, somente a Fiorentina não cumpria tabela entre os times italianos – mas quase isso. Para perder a primeira posição no Grupo J, a equipe toscana precisaria de uma combinação de resultados bem improvável, o que fez Paulo Sousa poupar jogadores para a longa viagem ao Azerbaijão e utilizar muitos jogadores que não vinham tendo chances, como Olivera, Cristoforo e Vecino. Os reservas deram conta do recado e a viola venceu o Qarabag.

Embora a Fiorentina tivesse mais controle da bola, os azeri quase marcaram um gol oriundo de um chutão da zaga. Ndlovu estava atento e ganhou na corrida de Rodríguez (o capitão argentino vive péssimo momento) e bateu no cantinho, mas Tatarusanu desviou com a ponta dos dedos e a bola explodiu na trave. Na sequência, blitz viola: Bernardeschi recebeu na marca do pênalti e girou de canhota, mas a pelota também explodiu no poste e voltou para Vecino finalizar com perigo, no rebote.

Os gols surgiram no segundo tempo: aos 60, Kalinic costurou e deixou para Vecino, na entrada da área, abrir o placar, graças a um desvio na zaga. Aos 73, o brasileiro Reynaldo – substituto do trapalhão Ndlovu –, recebeu belo passe de Dani Quintana e deu esperança ao Qarabag. Um fio de positividade que durou pouco, pois três minutos depois, a defesa dos atlilar errou feio e deu a chance para Chiesa dar números finais ao jogo. Foi o primeiro gol como profissional de Federico, filho do ex-atacante Enrico. Ele acabou sendo expulso minutos depois, mas a festa estava garantida.

Já classificada e com a primeira posição no Grupo E, a Roma viajou para a Romênia com um elenco cheio de jovens e de atletas que geralmente entram no segundo tempo. Contra o Astra Giurgiu, Spalletti deu vagas no time titular a Totti, Gerson, Vermaelen, Iturbe e Seck, mas só o brasileiro mostrou serviço. Gerson tem jogado mais recuado do que nos tempos de Fluminense e, nesta quinta, se destacou pela combatividade e pelas roubadas de bola, além de sua habitual qualidade nos passes. O Astra até marcou um gol (anulado de forma polêmica), mas se classificou graças ao empate por 0 a 0 e ao triunfo do Viktoria Plzen sobre o Austria Vienna.

Eliminada, a Inter recebeu o Sparta Praga, líder e classificado no Grupo K, em um Giuseppe Meazza praticamente vazio (menos de 15 mil presentes) e com faixas de protesto da torcida. Pioli escalou uma equipe alternativa, escalada em um inédito 3-4-3 e com jogadores da base e outros reservas, como Andreolli, capitão nesta quinta. Entre os novatos, quem aproveitou bem a chance foi o garoto Pinamonti, de 17 anos: ele disputou sua primeira partida oficial com os nerazzurri e participou do gol de Éder com um belo domínio e ajeitada. 

Após abrir o placar, a Beneamata pouco agrediu e mal foi incomodada pelos espartanos, que ainda assim empataram. O meia Dockal aproveitou um erro de Ansaldi, improvisado como volante, e cruzou na cabeça de Marecek – deixado livre junto a dois colegas, marcados à distância por Murillo. O Sparta Praga quase virou com Dockal, mas o meia checo desperdiçou um pênalti cometido de forma infantil por Andreolli, que mostrou estar totalmente sem ritmo de jogo. Carrizo, surpreendentemente, acertou o canto e fez uma boa defesa. Nos minutos finais, Ansaldi passou para Éder marcar o seu segundo no jogo e decretar o placar final: 2 a 1. O curioso é que Inter e Southampton, favoritos à classificação, foram eliminados por Sparta Praga e Hapoel Be'er Sheva.

O também eliminado Sassuolo cumpriria tabela diante do Genk, mas a frequente neblina que encobre a Emília-Romanha nesta época do ano atrapalhou. A partida foi adiada para amanhã (sexta, 9/12) e, graças ao empate entre Rapid Vienna e Athletic Bilbao, valerá a liderança do grupo. Os belgas ainda podem ultrapassar os bascos.

Chaveamento do sorteio
Pote 1: Fenerbahçe, APOEL, Saint-Étienne, Zenit, Roma, Athletic Bilbao ou Genk, Ajax, Shakhtar Donetsk, Schalke 04, Fiorentina, Sparta Praga, Osmanlispor, Kobenhavn, Lyon, Tottenham e Besiktas.
Pote 2: Manchester United, Olympiacos, Anderlecht, AZ Alkmaar, Astra Giurgiu, Genk ou Athletic Bilbao, Celta de Vigo, Gent, Krasnodar, Paok, Hapoel Be'er Sheva, Villarreal, Mönchengladbach, Rostov, Legia Varsóvia e Ludogorets.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário