Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

22ª rodada: O esquadrão zebrado

Allegri montou linha de frente poderosa e fez a Juve voltar a jogar bem (LaPresse)
Durou pouco o período em que Roma e Napoli comemoravam a diminuição da vantagem da Juventus na liderança. Em um único final de semana, a ofensiva equipe da Velha Senhora teve vida tranquila diante do Sassuolo e ainda contou com os tropeços de suas adversárias para ganhar terreno na briga pelo inédito hexacampeonato. A rodada ainda foi boa para a Inter, que se aproximou de uma vez por todas da zona Champions. Na semana que vem, teremos o Derby d'Italia: quem rirá por último?

Sassuolo 0-2 Juventus
Higuaín (Alex Sandro) e Khedira (Higuaín)

Tops: Higuaín e Mandzukic (Juventus) | Flops: Cannavaro e Aquilani (Sassuolo)

Sem drama, novamente a Juventus garantiu mais uma vez vitória nos primeiros minutos. A experiência com o 4-2-3-1 super ofensivo, com Pjanic, Cuadrado, Dybala, Mandzukic e Higuaín continua produtiva para quebrar o marasmo das últimas partidas da Velha Senhora, além de resgatar o equilíbrio e a solidez do time de Allegri. Nesse cenário, Mandzukic tem sido protagonista pela grande quantidade de trabalho que tem tido, atuando com muita dedicação na ponta esquerda e com bom aproveitamento em roubadas de bola e na criação de jogadas.

Contra o Sassuolo, o croata se manteve como alvo dos passes longos de Bonucci e Pjanic e gerou o primeiro gol, quando fez trabalho de pivô e tocou para a ultrapassagem de Alex Sandro, que cruzou na medida para antecipação de Higuaín, aos nove minutos – foi o 15º gol do Pipita, artilheiro do campeonato junto a Icardi e Dzeko. Não muito depois, outra boa trama ofensiva juventina garantiu a vitória, quando Higuaín recebeu na esquerda e passou para o corta luz de Dybala – esperto, o argentino percebeu a chegada de Khedira, que ampliou a vantagem. Na segunda etapa, os anfitriões chegaram a ameaçar o gol de Buffon, mas o aniversariante fez duas defesas à queima-roupa para manter a tranquilidade bianconera e garantir a ampliação da vantagem na liderança. Agora, a Velha Senhora tem quatro pontos à frente da Roma e um jogo a menos.

Sampdoria 3-2 Roma
Praet (Muriel), Schick (Muriel) e Muriel | Bruno Peres e Dzeko (Emerson)

Tops: Muriel e Praet (Sampdoria) | Flops: De Rossi e Vermaelen (Roma)

Faltava aquela romada para começar o ano. Depois de três vitórias por 1 a 0, a Roma resgatou seu espírito ao ceder o triunfo em duas oportunidades e ainda levar a virada de uma Sampdoria que não sabia o que era vencer havia seis jogos e quase dois meses. Os giallorossi não tem bom retrospecto no Marassi e foi justamente no estádio que a defesa romana, inviolada em 2017, sofreu logo três gols de uma vez. A pequena vingança doriana – a equipe genovesa foi goleada pelos capitolinos na Coppa Italia, dez dias atrás – teve Muriel com papel decisivo. O colombiano recuperou a forma e participou de simplesmente todos os gols dos blucerchiati, com passes para os empates de Praet e Schick, além do gol da virada, em cobrança de falta. A boa partida de Dzeko e a participação dos alas brasileiros Bruno Peres e Emerson foi insuficiente diante das atuações discretas de Nainggolan e Perotti e a terrível exibição de De Rossi. Assim, os romanos voltam a ficar mais longe da Juventus, enquanto a Samp voltou ao meio da tabela.

Napoli 1-1 Palermo
Mertens (Zielinski) | Nestorovski (Rispoli)

Tops: Mertens (Napoli) e Posavec (Palermo) | Flops: Allan (Napoli) e Goldaniga (Palermo)

Quem diria que o Napoli tropeçaria em pleno San Paolo para o Palermo? Mas aconteceu, e o time de Sarri saiu bastante frustrado em uma partida cheia de contradições. O goleiro Posavec, por exemplo, foi protagonista para evitar uma goleada com quase dez defesas, porém falhou retumbantemente no gol de empate de Mertens – engoliu um frango clássico, após um chute fraco. Já o belga decidiu com o empate, foi bastante participativo, mas também perdeu chances claras. O gol de Nestorovski em cruzamento de Rispoli logo aos seis minutos condicionou o jogo, e os anfitriões tiveram que correr atrás do empate. A tarefa foi dificultada por Posavec e pela boa atuação dos zagueiros palermitanos, bem posicionados pelo novo técnico Diego López, ex-defensor. O Napoli igualou o marcador muito tarde, apenas na metade da segunda etapa e nem mesmo a entrada de Pavoletti deu maior presença na área adversária, já que Insigne e Callejón estiveram bastante imprecisos. Com o tropeço, os partenopei diminuíram a diferença para a Roma, mas viram a Juventus voltar a abrir vantagem na liderança. Enquanto isso, a Inter se aproximou ainda mais.

Inter 3-0 Pescara
D'Ambrosio (Brozovic), João Mário (Perisic) e Éder (Icardi)

Tops: João Mário e Brozovic (Inter) | Flops: Bruno e Coda (Pescara)

Parece que enfim a Inter tem um meio-campo. Na vitória protocolar sobre o lanterna Pescara, foi essa a principal impressão do time de Pioli, que poderia ter tido vantagem maior no marcador, mas se deu por satisfeita por tomar a quarta posição e chegar aos sete triunfos consecutivos na Serie A. Com Kondogbia poupado para não correr risco de perder o Derby d'Italia, Gagliardini, Brozovic e João Mário pela primeira vez jogaram juntos desde o início e confirmaram a expectativa com atuação dominante no setor. Não à toa, foram decisivos para os dois gols que garantiram a vitória interista ainda no primeiro tempo. O gol de D'Ambrosio, após cobrança de escanteio, acalmou um jogo que começou frenético, ao passo que João Mário foi coroado, no final da primeira etapa, ao finalizar bela jogada que começou com o próprio e ainda teve participação de Icardi e Perisic. Na etapa final, o Pescara bem que tentou pressionar a saída nerazzurra, mas sem solidez. Gabriel e Éder ainda participaram bem da parte final do jogo, com mais um gol anotado pelo catarinense.

Udinese 2-1 Milan
Théréau (Hallfredsson) e De Paul (Jankto) | Bonaventura (Suso)

Tops: Théréau e Hallfredsson (Udinese) | Flops: Locatelli e Bacca (Milan)

Enfim de volta à vitória. No mais uma vez lotado Friuli, a Udinese contou com grande atuação e o apoio da sua torcida para bater o Milan de virada. Sempre em alto ritmo, os bianconeri não sofreram com o gol de Bonaventura logo aos oito minutos, quando o rossonero completou grande cruzamento de Suso e aproveitou a falha da marcação no segundo pau. Aliás, a saída de Bonaventura, lesionado aos 27, sim, foi um baque, mas para o seu time: depois da saída de Jack, o Milan atacou muito pouco e teve atuação insuficiente dos espanhóis Suso e Deulofeu. O empate da equipe de Delneri veio logo após a substituição: Théréau aproveitou roubada de bola de Hallfredsson, em novo erro crucial de Locatelli – que foi expulso contra a Juventus. Os anfitriões não perderam o ritmo como o esperado e seguiram em busca da vitória, que veio aos 73 com forte finalização de De Paul – pouco antes, o argentino deveria ter sido expulso, por falta que deixará De Sciglio no estaleiro até março. Aos 87, Lapadula quase empatou, mas a bola foi na trave e a Udinese assegurou sua primeira vitória em 2017, enquanto o Milan perdeu pela segunda vez e não aproveitou tropeço da Lazio, se mantendo três pontos atrás.

Lazio 0-1 Chievo
Inglese (Gobbi)

Tops: Sorrentino e Inglese (Chievo) | Flops: Strakosha e Djordjevic (Lazio)

Quando você menos espera, o Chievo vai lá e te surpreende. Depois de um início de temporada confortável, o time de Maran vinha de quatro derrotas consecutivas (para Roma, Atalanta, Inter e Fiorentina) e conseguiu um grande feito fora de casa. Adversários superiores, como era a Lazio no primeiro jogo da rodada, mas os gialloblù voltaram a vencer em pleno Olímpico. Os visitantes não foram fantásticos e nem mesmo defenderam bem, considerando o domínio físico de Parolo e Milinkovic-Savic no meio-campo e as corridas de Felipe Anderson e Lulic em vários contra-ataques. No entanto, Sorrentino foi decisivo ao parar os chutes dos anfitriões, que certamente sentiram a falta de Immobile e Keita. O gol fatal do time do Vêneto veio pouco antes do apito final, quando Gobbi desceu com facilidade na esquerda e cruzou para Inglese se antecipar e pela primeira vez chutar ao gol, marcando graças a um desvio na zaga. Não poderia haver pior cenário para os laziali, que já vinham de derrota para a Juventus e perderam a quarta posição para a Inter.

Torino 1-1 Atalanta
Falqué (Barreca) e Petagna (Kurtic)

Tops: Barreca (Torino) e Petagna (Atalanta) | Flops: Valdifiori (Torino) e Freuler (Atalanta)

No confronto entre as sensações do campeonato, um frustrante empate para ambas as equipes. Pior para o Torino, que perdeu o fôlego nas últimas rodadas, com apenas uma vitória em nove partidas, e vê o próprio treinador Mihajlovic incrédulo: ele não acredita que a equipe deixe o meio da tabela. De qualquer forma, os anfitriões começaram melhor e poderiam ter tido sorte e pontaria melhor. Se a defesa esteve firme, o ataque produziu algumas jogadas mesmo após Falqué abrir o placar em cruzamento perfeito de Barreca. A Atalanta de Gasperini foi competitiva, mas demorou para encaixar seu jogo. Quando o fez, após a entrada de Kessié no intervalo, Petagna ganhou na pequena área contra dois adversários e empatou. Na sequência, os visitantes mantiveram o ritmo na busca pela virada, mas Hart finalmente foi decisivo e manteve a situação controlada para os granata. Placar mantido, os bergamascos não aproveitaram o tropeço da Lazio para voltarem à zona europeia, enquanto o Torino também perdeu oportunidade de se aproximar de Fiorentina e Milan.

Fiorentina 3-3 Genoa
Ilicic (Sánchez), Chiesa (Kalinic) e Kalinic (Bernardeschi) | Simeone (Taarabt), Hiljemark (Taarabt) e Simeone (pênalti)

Tops: Kalinic (Fiorentina) e Simeone (Genoa) | Flops: Sportiello (Fiorentina) e Lamanna (Genoa)

Pazza Fiorentina. Em 21 partidas no campeonato, 13 tiveram pelo menos três gols. Mais uma vez a equipe de Paulo Sousa protagonizou jogo bastante movimentado e também acabou frustrada com o novo tropeço, considerando os vacilos dos adversários em briga por vaga europeia. Por outro lado, a partida de sacrifício e recuperações dá um gás para o Genoa de Juric, que vem de longa sequência sem vencer. O jogo maluco começou estranho logo na escalação, com Ilicic começando a partida no lugar do destaque Bernardeschi: e o esloveno aproveitou bem a oportunidade ao abrir o placar aos 17 minutos. Chiesa acertou a trave no lance seguinte e a viola pressionou em busca da vitória, mas ficou com apenas um gol no primeiro tempo. Na volta do intervalo, o filho de Enrico voltou a marcar pela Serie A depois de muita pressão. Mas Simeone, filho de Diego, outro craque do futebol italiano nos anos 1990, não deixou barato e conduziu seu time à recuperação. Em passe do estreante Taarabt, o centroavante descontou. Na sequência, outro estreante grifone apareceu: Hiljemark aproveitou novo passe de Taarabt. Seguindo o ritmo louco, logo depois Kalinic voltou a colocar os anfitriões na frente do placar. Bernardeschi, que entrou na etapa final e foi protagonista do terceiro gol, fez pênalti já nos minutos finais e ainda foi expulso. Na cobrança, Simeone marcou novamente e decretou o placar final. Ufa.

Cagliari 1-1 Bologna
Borriello | Destro (Krejci)

Tops: Borriello e Tachtsidis (Cagliari) | Flops: Viviani e Krafth (Bologna)

Foi por muito pouco que o Bologna não saiu do Sant'Elia com uma vitória, que seria a terceira consecutiva no campeonato. No meio do caminho tinha Borriello: o veterano centroavante novamente foi decisivo para o Cagliari, empatando a partida já nos acréscimos, em cobrança de falta. Embora o empate só tenha acontecido depois que o Bologna estava com nove em campo, pela expulsões de Viviani e Krafth, não foi por falta de tentativa que os anfitriões tropeçaram em casa, afinal o time de Rastelli pressionou bastante em busca do primeiro gol, com direito a bola na trave. Pelo lado dos visitantes, vale destacar que Destro voltou às redes após dois meses e oito partidas sem marcar, completando cruzamento de Krejci. O empate não mudou a situação das equipes, que seguem no meio da tabela com a mesma pontuação.

Crotone 4-1 Empoli
Stoian (Palladino), Falcinelli (Barberis), Falcinelli (pênalti) e Falcinelli (Rohdén) | Mchedlidze (Marilungo)

Tops: Falcinelli e Stoian (Crotone) | Flops: Croce e Dimarco (Empoli)

Se com 22 rodadas a situação na parte de baixo da tabela parece definida, isso não quer dizer que o Crotone não pode se divertir na sua curta passagem pela Serie A. Em busca da vitória contra o primeiro time acima da zona de rebaixamento, o time da Calábria foi com tudo para cima do Empoli e aproveitou até o último minuto para garantir o triunfo em casa. Com Falcinelli liderando os ataques, os anfitriões abriram o placar aos 24 minutos com Stoian, mas os visitantes empataram ainda no primeiro tempo com Mchedlidze. Coube então ao centroavante emprestado pelo Sassuolo decidir: na volta do intervalo, voltou a colocar sua equipe na frente e, já nos acréscimos, decretou a goleada com mais dois gols. Apesar da vitória, a diferença entre os clubes segue grande: são oito pontos, com 16 rodadas por jogar – os novatos ainda têm um jogo a menos contra a Juventus.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 21ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Sorrentino (Chievo); D'Ambrosio (Inter), González (Palermo), Chiellini (Juventus), Barreca (Torino); Brozovic (Inter), Hallfredsson (Udinese), João Mário (Inter); Muriel (Sampdoria), Falcinelli (Crotone), Mandzukic (Juventus). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

2 Comentários:

George Carlos da Siva disse...

Foi uma das rodadas em que houve mais zebras. Quem apostava nas vitórias de Sampdória sobre a Roma; da Udinese sobre o Milan; do chievo sobre a lazio e do magro empate do Napoli em casa com o penúltimo colocado palermo? Acho que pouquíssimos amantes do Calcio. Ressaltando que Napoli (3º) e Roma (2ª) brigam desesperadamente pelo titulo e para alcançar a squadra de Allegri. Napoli que perdeu muitas oportunidades (as quais, contudo, simplesmente, não ganham jogo) contra um palermo que resistiu e foi bravo o jogo inteiro. E uma roma que baixou a cabeça para uma samp que ocupa apenas a 13ª posição, deixando a juve rindo a toa. O prejuízo da squadra de Spaletti só não foi maior porque Napoli empatou e lazio perdeu. Mas o prejuízo desses dois grandes times (roma e Napoli) não ficaram só por aí não: permitiram uma chegada muito próxima da Inter, que fez uma recuperação fantástica, chegando ate a me surpreender. Sim uma inter com Joao Mario muito inspirado nas ultimas rodadas e com um Eder que evoluiu muito seu futebol nas ultimas 5 giornatas. No mesmo compasso de Napoli e inter, eu apostei todas as minhas fichas na lazio de Simone inzaghi que, na capital da Bota, além de não ter marcado nenhum gol, cedeu a vitória ao simples 11º colocado Chievo. Pra mim foi o maior vexame da rodada. A Roma pelo menos jogou fora de seus domínios (no Luigi Ferraris). Concluindo a parte superior da tabela, creio muito no hexa da vecchia signora, ate porque a mesma está voando alto nos gramados, seus adversários estão tropeçando num momento do campeonato em que não poderiam e, enfim, porque ainda tem um jogo a menos, ao contrário de seus concorrentes diretos.
Apenas uma observação interessante quanto á Atalanta: jogou fora a oportunidade de assumir a 5ª colocação (segunda vaga da liga europa), já que a lázio perdeu. Mas de qualquer modo, o time de Bergamo vem fazendo uma campanha esplendorosa, colocando-se no meio ou na cola dos 7 grandes da Italia. Enquanto isso, o milan perde mais uma e vê sua crise aumentar ainda mais, não acreditando eu que o mesmo vá conquistar uma das 2 vagas para a europa league (no momento disputadas por inter, lazio e Atalanta).
Já na parte debaixo da tabela, o grande prodígio, ao meu ver, foi do Palermo que, sendo o penúltimo lugar da serie a TIM e jogando fora de casa, atrapalhou muito o napoli na perseguição deste à roma e à Juventus. Estes dois agradecem. Além disso, se aproxima da liderança da zona de rebaixamento, a qual é ocupada pelo crotone com 13 pontos. Este também está de parabéns, pois reduz a diferença do bloco dos desesperados para o primeiro acima da zona vermelha (empoli), além do fato de ter se afastado da lanterna, da qual estava a apenas 1 ponto ( e está agora a 4). Enquanto isso, não é nenhuma vergonha o pescara dobrar-se à Inter no Giuseppe Meazza, ainda que sucumbindo por 3x0, crotone e palermo lhe agradecem.

Unknown disse...

O pessoal do Quattro Tratti tá maluco em não dá a atenção a falta criminosa em De Sciglio, mas tudo bem, Montella tem problemas na lateral esquerda sem De Sciglio Calabria e Antonelli não foram bem, talvez chegue a hora do Vangioni,com oxigênio renovado no ataque após o mercado, a busca da vaga na Champions continua viva.

Postar um comentário