Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 17 de abril de 2017

32ª rodada: Thriller milanês e uma páscoa em HD

Riso ou choro? Inter saiu na frente, mas permitiu empate do Milan e viu rival rir por último no dérbi (LaPresse)
Rodada de páscoa significa jogos ao sábado na católica Itália. A 32ª jornada da Serie A começou bem cedo, com um emocionante clássico entre Inter e Milan, no qual os rossoneri conseguiram um resultado mais interessante, mas ficou marcado mesmo pelo aumento da vantagem da Juventus na ponta. A Velha Senhora bateu o lanterna Pescara com facilidade e ainda pode se deliciar, simultaneamente, com um tropeço da Roma contra a sensação Atalanta – com isso, agora são oito pontos de distância para o segundo colocado. Se o hexacampeonato da Juve está bem próximo, os romanos que se cuidem, pois o Napoli está tentando dar o bote e tomar-lhe a vaga direta nos grupos da Liga dos Campeões. Confira o resumo pascal.

Inter 2-2 Milan
Candreva (Gagliardini) e Icardi (Perisic)

Tops: João Mário (Inter) e Zapata (Milan) | Flops: Éder (Inter) e De Sciglio (Milan)

O dérbi dos recordes. Bastante especial a partida que abriu a rodada de páscoa da Serie A: no confronto entre milaneses, o grande destaque foi para a maior audiência da história do campeonato (cerca de 862 milhões de espectadores ao redor do mundo) e para a maior renda (4,2 milhões de euros, superando o Derby d'Italia de setembro). O inédito horário de 12h30 no clássico, para atender ao mercado chinês (cada vez mais importante para os milaneses, já que os dois times tem donos nascidos no país asiático) teve alguma resistência dos mais conservadores – especialmente dos ultras, que espalharam faixas pelas arquibancadas, em protesto –, mas o San Siro mais uma vez esteve lotado e trouxe um ótimo ambiente para uma partida emocionante. Outro fato raro na história do confronto foi a utilização de uniforme reserva por parte de uma das equipes – o Milan jogou de branco.

O próprio Milan começou melhor e levou bastante perigo com Suso e Deulofeu, com bola na trave e defesas importantes de Handanovic. A Inter demorou para reagir, mas quando conseguiu encaixar seu jogo, foi fatal. Liderados por João Mário, os nerazzurri atacaram muito bem os espaços do adversário, que mantinha a posse de bola e defendia alto, mas não tinha profundidade e sofria com o caos a cada perda de bola. Exatamente assim saíram os gols dos nerazzurri, com Gagliardini lançando Candreva nas costas de De Sciglio e com Icardi finalizando com precisão uma bonita tabela com Perisic. foi o primeiro gol do argentino contra o Milan, então único time da Serie A que não tinha vitimado. Icardi ainda se igualou na artilharia história interista a Facchetti e seus compatriotas Milito e Cruz.

A vantagem deu bastante tranquilidade para os interistas e o contexto seguiu o mesmo na segunda etapa, mas a tranquilidade se tornou excessiva e Perisic e Éder perderam chances de ouro para ampliarem. Foi a deixa para o crescimento rossonero: Montella ordenou que a equipe partisse ao ataque, mesmo sem organização, fez seu adversário recuar ainda mais, e ocupando mais o campo rival, conseguiu o empate em jogadas de bola parada e muita desatenção da Beneamata. Depois de escanteio curto, Suso cruzou para Romagnoli se antecipar e descontar aos 82. Nos acréscimos, depois de a Inter enrolar bastante, o Milan chegou ao empate graças a Zapata e à tecnologia, que validou seu gol, no último lance da partida. Orsato deu cinco minutos a mais no tempo extra, mas prolongou por outros dois justamente pelos consecutivos atrasos dos interistas, que vacilaram outra vez e seguem atrás do rival na tabela. O empate foi ruim para ambos, mas menos mal que os concorrentes pelas últimas vagas europeias também tropeçaram.

Pescara 0-2 Juventus
Higuaín (Cuadrado) e Higuaín

Tops: Higuaín e Cuadrado (Juventus) | Flops: Coda e Muntari (Pescara)

Higuaín ao resgate. Quem disse que a artilharia estava entre Belotti e Dzeko? O argentino tem crescido no momento mais decisivo da temporada e aumentou bastante sua cota de gols, e agora está a apenas dois tentos dos artilheiros do campeonato – já são 23. Contra o Pescara de Zeman, o Pipita encontrou uma presa fácil e, após sua doppietta, deixou até mesmo que seus companheiros pudessem descansar no segundo tempo. Vale ressaltar a opção de Allegri de descansar toda a defesa titular antes do jogo decisivo contra o Barcelona na Catalunha, apesar de o ataque ter sido o titular. Isso, inclusive, pode ter atrapalhado os planos do treinador, uma vez que Muntari fez sua primeira vítima no retorno à Serie A. Dybala precisou sair de campo após seguidas entradas do ganês, mas aparentemente não sofreu nada grave e teve apenas que ser substituído. Não surpreenderia, porém, que La Joya começasse a partida do Camp Nou no banco.

Roma 1-1 Atalanta
Dzeko (Salah) | Kurtic (Conti)

Tops: Dzeko (Roma) e Kurtic (Atalanta) | Flops: Strootman (Roma) e Petagna (Atalanta)

Dzeko está impossível. Dessa vez, porém, não evitou o tropeço da Roma depois de quatro vitórias consecutivas. Um tropeço que certamente tira os giallorossi da corrida pelo scudetto, se é que ela existia: como o próprio Szczesny disse, não há como tirar da Juventus uma desvantagem de oito pontos em seis rodadas. O time da capital ainda viu o Napoli voltar a se aproximar  da vice-liderança, colocando pressão no técnico Spalletti. Em campo, o time capitolino enfrentou uma Atalanta menos agressiva do que de costume com a bola, mas os anfitriões custaram para atacar, mesmo com a larga posse de bola e os 20 chutes: apenas cinco foram ao alvo e Dzeko acabou tendo poucas oportunidades. Em uma delas, fez o gol de empate logo após o intervalo, já que Kurtic abriu o placar na primeira etapa. Por fim, um jogo aquém das expectativas, e melhor para a Dea, ainda que tenha cedido o empate. O time bergamasco poderia ter terminado a rodada em melhor condição, mas conseguiu um grande resultado contra o segundo melhor mandante da Serie A: foi apenas o segundo tropeço da Roma no Olímpico, depois da derrota para o Napoli há um mês.

Napoli 3-0 Udinese
Mertens (Jorginho), Allan e Callejón

Tops: Jorginho e Allan (Napoli) | Flops: Adnan e Heurtaux (Udinese)

Salve, Jorginho. Não é de hoje que o ítalo-brasileiro não está muito bem, o que inclusive lhe fez perder a posição em jogos importantes para o garoto Diawara. Nas últimas semanas, porém, o catarinense tem dado boa resposta e contra a Udinese talvez tenha feito não só sua melhor partida pelo Napoli, como a mais impactante de um mediocentro na Serie A nesta temporada. 13,5% do jogo napolitano passou pelo camisa 8, que recuperou a confiança de Sarri e teve 176 toques na bola e 161 passes completados – nas maiores ligas europeias, ninguém efetuou mais passes do que ele. Foi de Jorginho, aliás, o passe para Mertens abrir o placar logo após o intervalo e arquivar um primeiro tempo difícil para os anfitriões contra a competitiva Udinese de Delneri. Emprestado pelo Napoli, Zapata acertou a trave e quase empatou, mas Adnan falhou e Allan, que também estava em má fase e cresceu nas últimas semanas, ampliou. Dez minutos depois, Callejón fechou a conta na vitória que praticamente assegurou a vaga na Liga dos Campeões: a briga agora é com a Roma, para definir quem pega a vaga direta para a fase de grupos.

Dupla HD mais uma vez levou a Juventus à vitória e a aproximou do hexa (LaPresse)
Genoa 2-2 Lazio
Simeone e Pandev (Lazovic) | Biglia e Luis Alberto

Tops: Lamanna (Genoa) e Luis Alberto (Lazio) | Flops: Strakosha e Immobile (Lazio)

O presidente Zamparini, ex-Palermo, saiu da Serie A, mas seu espírito continua no campeonato: o promissor Juric foi demitido precipitadamente pelo também incontrolável Preziosi, mas o time foi muito mal sob o comando de Mandorlini. Então, o sérvio voltou ao clube pelo qual foi ídolo como jogador e fez o time ser mais competitivo diante de uma equipe muito forte e que ainda tem objetivos no campeonato, ao contrário dos grifone, que somente cumprem tabela. A surpresa da vez foi a atuação do inconstante Lamanna, que perdeu a posição para Rubinho nas últimas rodadas, mas voltou bem à meta genoana. O goleiro fez defesas importantes para segurar o resultado e até Pandev ressurgiu das cinzas para encerrar jejum de mais de dois anos sem balançar as redes e marcar o gol que seria o da vitória contra seu ex-clube. Não foi, porque nos acréscimos outro desaparecido foi decisivo: Luis Alberto evitou a derrota em Gênova com belo gol. Mas nada muda para a Lazio, já que Atalanta, Milan e Inter também empataram.

Fiorentina 1-2 Empoli
Tello (Valero) | El Kaddouri e Pasqual (pênalti)

Tops: El Kaddouri e Pasqual (Empoli) | Flops: Tatarusanu e Kalinic (Fiorentina)

Que hora para o Empoli voltar a vencer. Depois de quase quatro meses desde seu último triunfo, ainda em janeiro, os toscanos bateram justamente a rival Fiorentina, em pleno Artemio Franchi. Três pontos fundamentais para o time de Giovanni Martusciello respirar depois de sequência muito negativa, que aproximou o time da zona de rebaixamento – agora vez cinco pontos distante. Para os anfitriões, o duro tropeço no clássico da Toscana praticamente acaba com as chances de brigar pela última vaga europeia: são seis pontos para tirar do Milan, faltando justamente seis rodadas. O romeno Tatarusanu novamente falhou, enquanto os poucos destaques do time de Paulo Sousa não tiveram boa exibição. Ironia do destino o gol da vitória ter sido marcado pelo ídolo viola Pasqual. O veterano lateral, ex-capitão da Fiorentina, teve muito estômago e concentração para converter um pênalti discutível, aos 92 minutos.

Sassuolo 2-1 Sampdoria
Ragusa (Pellegrini) e Acerbi (Pellegrini) | Schick (Silvestre)

Tops: Pellegrini e Acerbi (Sassuolo) | Flops: Politano (Sassuolo) e Bruno Fernandes (Sampdoria)

Férias, que nada. Sassuolo e Sampdoria não têm muito o que disputar, mas nem por isso deixaram de fazer um bom jogo no Mapei Stadium. Os dorianos, que brigam pela primeira parte da tabela e já têm boa vantagem sobre os concorrentes, buscaram mais o jogo e inclusive abriram o placar com Schick, em jogada bastante confusa, no primeiro tempo. Porém, o time de Giampaolo voltou mal do intervalo e pagou caro por isso: em seis minutos os anfitriões viraram, com Ragusa e Acerbi, ambos em assistências de Pellegrini, mais um jovem italiano que tem chamado atenção dos grandes. A Roma, clube em que cresceu, deseja repatriá-lo, mas enfrenta concorrência dos rivais Inter e Juventus.

Torino 1-1 Crotone
Belotti (pênalti) | Simy (Nalini)

Tops: Belotti (Torino) e Cordaz (Crotone) | Flops: Hart e Maxi López (Torino)

Se ainda almejava a salvação, um tropeço em Turim não era uma opção para o Crotone, mesmo porque, simultaneamente, o Empoli venceu. Apesar de ser um bom resultado olhando de longe, na prática o empate deixou a equipe da Calábria cinco pontos distante dos toscanos, devido à improvável vitória azzurra em Florença. Isso porque o grandalhão Simy evitou o pior com gol no final do jogo, em outra falha clamorosa de Hart, que só fica atrás de Posavec como o goleiro com mais erros cruciais no campeonato - o inglês ainda encabeça a quarta pior defesa do torneio. Estacionado no meio da tabela, longe da briga por vaga europeia, o Torino ainda assim entrou bastante ofensivo e Cordaz acabou sendo o grande nome do jogo, com sete defesas, não evitando apenas o gol de pênalti de Belotti. A briga pela artilharia do Gallo, disputada tento a tento com Dzeko, é o que ainda mantém o time de Mihajlovic competitivo.

Cagliari 4-0 Chievo
Borriello, Sau (João Pedro), João Pedro e João Pedro

Tops: João Pedro e Sau (Cagliari) | Flops: Seculin e Dainelli (Chievo)

É, o Chievo definitivamente entrou no modo piloto automático. Como sempre, o time de Maran faz um bom primeiro turno, assegura a salvezza e depois cai nos braços de Morfeu no final do campeonato. Na Sardenha, o time levou uma sapatada do Cagliari. Ou melhor, quatro. Com show de João Pedro, Sau e Borriello, autores dos gols, os rossoblù inclusive empataram com os gialloblù na tabela e estacionaram no meio da tabela. Destaque também para a péssima atuação do goleiro Seculin, que tomou a vaga de Sorrentino nas últimas semanas e falhou nos dois gols do brasileiro. O antigo titular, um dos melhores goleiros do campeonato, dessa vez nem mesmo foi relacionado para a partida.

Palermo 0-0 Bologna
Tops: Fulignati e Sunjic (Palermo) | Flops: Jajalo (Palermo) e Pulgar (Bologna)

Na estreia de mais um treinador, Diego Bortoluzzi (velho braço-direito de Francesco Guidolin, inclusive com uma passagem pela Sicília como auxiliar), o Palermo não perdeu a chance de decepcionar mais uma vez sua torcida e se aproximar mais do rebaixamento. Faltando seis rodadas, são dez pontos de desvantagem para o Empoli, que voltou a vencer. Em campo, o time até atacou e teve mais a bola, mas raramente ameaçou o gol dos visitantes, que, com um a menos desde a expulsão de Pulgar aos 24 minutos, ainda levaram muito mais perigo, colocando bola na trave e obrigando o goleiro Fulignati e o zagueiro Sunjic a fazerem boas partidas.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 31ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Cordaz (Crotone); Conti (Atalanta), Zapata (Milan), Acerbi (Sassuolo), Pasqual (Empoli); João Mário (Inter), Jorginho (Napoli), Pellegrini (Sassuolo); João Pedro (Cagliari), Callejón (Napoli); Higuaín (Juventus). Técnico: Massimo Rastelli (Cagliari).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário