Subscribe Twitter Facebook

terça-feira, 25 de abril de 2017

33ª rodada: A "insuportável e defensiva" Serie A

Procurando quem ainda despeja este clichê por aí: Fiorentina protagonizou
jogo maluco com a Inter e ainda vê possibilidade de vaga na Liga Europa (Getty)
Realmente, não dá para aguentar um campeonato chato desses. Um campeonato que tem uma rodada com 48 gols marcados – o maior número desde outubro de 1992 –, uma partida com nove tentos anotados e uma outra com oito. Uma rodada em que só uma equipe passou em branco. Um campeonato que tem seis jogadores com mais de 20 gols marcados, fato que aconteceu somente outras três vezes, em 1950, 1951 e 1998. Um campeonato com um time incrível, como é a Juventus, e outros com futebol vistoso, como Roma e Napoli, e que mostra (que o digam Milan e Inter) que essa história de que a camisa pesa sempre pode ser uma balela enorme. Um campeonato em que até mesmo um time ofensivo, como o Pescara, acaba rebaixado sem dó. Confiram abaixo mais uma prova de como a Serie A é insuportável e defensiva.

Fiorentina 5-4 Inter
Vecino (Milic), Astori (Borja Valero), Vecino (Borja Valero), Babacar (Vecino) e Babacar (Salcedo) | Perisic (Candreva), Icardi (João Mário), Icardi (Perisic) e Icardi (Candreva)

Tops: Vecino (Fiorentina) e Icardi (Inter) | Flops: Sánchez (Fiorentina) e Gagliardini (Inter)

Por incrível que pareça, a última vaga na Liga Europa continua em aberto e um confronto direto com nove gols marcados colocou fogo no campeonato – e adicionou querosene ao já explosivo ambiente da Inter. Depois de três meses quase perfeitos, os nerazzurri chegaram a cinco partidas sem vitória (somaram apenas dois dos últimos 15 pontos) e dessa vez quem aproveitou a má fase foi a Fiorentina, que agora vislumbra a possibilidade de ultrapassar a dupla de Milão e se classificar para uma competição continental: em 6º, o Milan tem 58 pontos, contra 56 da Inter e 55 da Fiorentina. Para reabrir uma disputa que parecia já definida, além do tropeço dos rossoneri, os viola e os nerazzurri fizeram uma partida louca, com a marca da Serie A mais mesmerizante dos últimos anos.

O confronto teve a pressão anfitriã nos primeiros minutos premiada pelo gol de Vecino, em boa trama pela esquerda e cruzamento de Milic. Pouco depois, a Inter conseguiu a virada em um espaço de cinco minutos, com Perisic e Icardi, em jogadas de Candreva e João Mário, e ficou à frente no placar até o intervalo. No entanto, o time visitante não conseguia controlar o jogo e corria riscos a todo momento, pois atacava sem equilíbrio. E se faltou precaução depois da virada, sobrou preguiça na etapa final: Handanovic salvou pênalti muito mal cobrado por Bernardeschi, mas em oito minutos os viola não apenas empataram, como viraram e abriram vantagem. Borja Valero conduziu a virada, com cruzamento para Astori e participação na doppietta de Vecino, ao passo que o uruguaio puxou contra-ataque e acionou Babacar, que só colocou no canto de Handanovic. O senegalês tem estrela contra a Inter (anotou quatro vezes em cinco partidas) e marcou mais uma vez dez minutos depois, após receber passe de Salcedo em posição irregular. No final, Icardi conseguiu uma tripletta e a Beneamata quase igualou o placar: Astori salvou em cima da linha o chute de Brozovic que levaria ao incrível empate.

Lazio 6-2 Palermo
Immobile (De Vrij), Immobile (Milinkovic-Savic), Keita (De Vrij), Keita (pênalti), Keita (Immobile) e Crecco | Rispoli e Rispoli

Tops: Keita e Immobile (Lazio) | Flops: Strakosha (Lazio) e Posavec (Palermo)

Com muito prazer, a pior defesa da Serie A. O Palermo se despediu virtualmente da Serie A de forma humilhante e honrando seus números negativos: agora, o time rosanero tem 13 pontos a menos que o Empoli e, com apenas 15 pontos em disputa, precisa de um verdadeiro milagre para escapar da segundona. Na capital, em pouco mais de 25 minutos, o placar já marcava cinco gols para a Lazio, que praticamente confirmou sua vaga na Liga Europa e até mesmo na fase de grupos da competição – uma vez que agora os celestes estão oito pontos à frente do Milan.

O show no primeiro tempo teve grandes atuações de Immobile e Keita, que mostraram grande sintonia e simplesmente passaram por cima da defesa siciliana – o pobre Posavec, goleiro mais vazado e com mais erros do campeonato, nem teve culpa desta vez. Com a vantagem, o time relaxou depois do que seria o quarto de Keita, corretamente anulado por impedimento e, depois do intervalo, desligou-se até demais. Nos erros dos holandeses De Vrij e Hoedt, Rispoli aproveitou para marcar duas vezes, mas sem iniciar uma verdadeira reação. No final, o garoto Crecco ampliou a goleada em mais um erro adversário.

Atalanta 3-2 Bologna
Conti (Gómez), Freuler (Petagna) e Caldara (Cristante) | Destro (Di Francesco) e Di Francesco (Dzemaili)

Tops: Spinazzola (Atalanta) e Di Francesco (Bologna) | Flops: Rafael Tolói (Atalanta) e Da Costa (Bologna)

O jogo que abriu esta rodada repleta de gols só poderia ter sido uma loucura também. Com 15 minutos, o marcador já contava três gols e a Atalanta acabou surpreendida por um Bologna que saiu das férias por alguns minutos. Inclusive, o time de Gasperini esteve muito mal, atacando menos do que o comum e se defendendo de forma desorganizada – talvez pela vantagem construída prematuramente, com os gols de Conti e Freuler, ambos com a participação de Gómez. Na jogada seguinte, contudo, Rafael Tolói cochilou na linha de impedimento e Destro voltou a marcar depois de um mês. Mesmo assim os anfitriões seguiram em ritmo lento e sofreram o empate na segunda etapa, depois de grande jogada de Di Francesco, uma das poucas boas notícias de uma apagada dos felsinei. E se Petagna não põe a bola para as redes adversárias, Caldara está lá para resolver os problemas: com sete gols, é o segundo maior artilheiro da equipe e o defensor com mais gols no campeonato. La Dea está cada vez mais próxima da Europa e talvez nem precise passar pela dramática fase preliminar. Mérito incontestável.

Milan 1-2 Empoli
Lapadula (Sosa) | Mchedlidze (El Kaddouri) e Thiam (Maccarone)

Tops: Skorupski e El Kaddouri (Empoli) | Flops: Zapata e Suso (Milan)

Quem diria que depois de três meses sem vencer e sete derrotas consecutivas o Empoli bateria Fiorentina e Milan em sequência? Pois é, depois de ver o Crotone reagir, os toscanos cresceram justamente contra os adversários mais improváveis. Depois do 2 a 1 em Florença, o placar foi repetido em Milão com outra atuação gigantesca de Skorupski, autor de onze defesas (incluindo um pênalti muito mal batido por Suso), e nova participação determinante de El Kaddouri no centro do campo – o marroquino construiu as jogadas dos gols de Mchedlidze e Thiam. Lapadula foi o jogador mais perigoso dos rossoneri e o autor do único gol, mas nem ele, o chute na trave de Ocampos e os sete minutos de acréscimos de Gavillucci foram suficientes para evitar um tropeço muito pesado para o Milan. Uma derrota que poderia ter sido pior, não fosse defesaça de Donnarumma sobre Maccarone e a intervenção do goleiro contra Thiam nos acréscimos. O Diavolo poderia ter ampliado a vantagem sobre a Inter, mas agora ganhou também a concorrência da Fiorentina pela última vaga na Liga Europa. Pelo visto, ela ficará entre os três.

Juventus 4-0 Genoa
Muñoz (contra), Dybala (Khedira), Mandzukic, Bonucci

Tops: Bonucci e Mandzukic (Juventus) | Flops: Muñoz e Burdisso (Genoa)

Em meio à chuva de gols deste fim de semana, somente a melhor defesa do campeonato não foi vazada. Além disso, a fortíssima Juventus se deu ao luxo de poupar Buffon, Chiellini, Daniel Alves, Cuadrado e Pjanic e mesmo assim não tomou conhecimento do Genoa, vingando a derrota sofrida para os rossoblù no primeiro turno. Aos 18 minutos, a Velha Senhora já vencia por 2 a 0, graças ao azar de Muñoz, que marcou contra, e a mais um golaço de Dybala: La Joya tabelou com Khedira e, de surpresa, finalizou no canto de Lammana. Mandzukic mais uma vez mostrou grande espírito coletivo e foi premiado por isso. Depois de desarmar ataque adversário no campo de defesa, deu início à jogada que ele mesmo concluiu, ampliando o placar. Com os três pontos garantidos e pouco pressionada pelo Genoa, a Juve manteve o ritmo alto e fez 4 a 0 com Bonucci. O defensor avançou sozinho da defesa e, na entrada da área, acertou um chute de rara felicidade no ângulo do goleiro genoano. Suficiente? Não para Marchisio, Higuaín e Asamoah, que ainda acertaram a trave antes do fim do jogo.

Pescara 1-4 Roma
Benali (Memushaj) | Strootman (El Shaarawy), Nainggolan (Dzeko), Salah (El Shaarawy), Salah (El Shaarawy)

Tops: Salah e El Shaarawy (Roma) | Flops: Coda e Caprari (Pescara)

A Roma visitava o velho conhecido Zeman com a expectativa de sair com uma fácil vitória do Adriatico e ampliar a vantagem para o Napoli para quatro pontos, aumentando as chances de assegurar uma vaga direta na próxima Champions League. Assim foi, embora os primeiro gols tenham saído somente no fim da primeira etapa – na verdade, Salah balançou as redes aos 2 minutos, mas a arbitragem anulou a jogada, corretamente, por impedimento. A goleada foi construída principalmente pelas incursões em velocidade do egípcio e do ítalo-egípcio El Shaarawy, os melhores em campo. No entanto, os dois primeiros gols, anotados logo antes do intervalo, saíram dos pés de Strootman e Nainggolan, que apareceram bem no ataque, como de costume. Após o intervalo, a dupla de ases romanistas não encontrou resistência para ampliar e decretou o rebaixamento do Pescara. Benali, um dos poucos que se salvaram no time biancoazzurro, descontou e deixou o Genoa como único time sem gols neste final de semana. Menos mal para o ofensivo Zeman, que comandava o Foggia naquele outubro de 1992 e também deixava o campo goleado por 4 a 1 – para o Brescia.

Roma venceu o Pescara e, além de abrir vantagem na vice-liderança, rebaixou o adversário (Getty)
Sassuolo 2-2 Napoli
Berardi e Mazzitelli (Ragusa) | Mertens (Callejón) e Milik (Albiol)

Tops: Cannavaro (Sassuolo) e Mertens (Napoli) | Flops: Lirola (Sassuolo) e Hamsík (Napoli)

Não exatamente de férias. Depois de sequência de derrotas, o Sassuolo chegou à terceira partida de invencibilidade e novamente frustrou um time da parte de cima da tabela. Dessa vez provou novamente ser a asa negra do Napoli, que contou com grande presença da sua torcida, mas não esteve bem tecnicamente e vacilou feio na briga por uma vaga direta na fase de grupos da próxima Liga dos Campeões. Não foi por falta de oportunidade, porque os visitantes levaram bastante perigo: abriram o placar somente após o intervalo, em jogada iniciada por Hamsík e com cruzamento de Callejón completado com cabeçada de Mertens. O capitão partenopeo, porém, falhou feio e entregou o gol do empate para Berardi, graças a um erro em recuou com a cabeça. Mertens e Insigne, então, pararam na trave duas vezes e os visitantes levaram a virada no gol de Mazzitelli, depois de nova desatenção em bola parada. Milik, que entrou logo depois da desvantagem, voltou às redes após sete meses e amenizou a situação. Por fim, o ídolo napolitano Cannavaro acabou sendo algoz e salvou, com uma cabeçada providencial, o gol da virada nos acréscimos.

Chievo 1-3 Torino
Pellissier (Inglese) | Ljajic (Falqué), Zappacosta e Falqué (Belotti)

Tops: Ljajic e Zappacosta (Torino) | Flops: Hetemaj e Radovanovic (Chievo)

Havia pouca coisa valendo para Chievo e Torino, mas os times incorporaram bem o espírito da rodada na volta do intervalo. Os visitantes foram bastantes agressivos (como de costume), enquanto os anfitriões buscaram os contra-ataques, e ambos levaram algum perigo assim. Melhor para o time de Mihajlovic, que abriu o placar com Ljajic, o craque dos jogos inúteis, e ampliou com chutaço de Zappacosta. Pellissier guardou seu oitavo gol no campeonato e até ameaçou a vitória do Torino, que, contudo, ampliou com Falqué. O artilheiro Belotti não balançou as redes, mas participou com uma assistência e ajudou a deixar a equipe em boa situação para terminar a temporada na primeira parte da tabela. Por outro lado, a série de derrotas do Chievo só cresce: agora são cinco e apenas os últimos quatro perderam mais que os gialloblù no campeonato.

Sampdoria 1-2 Crotone
Schick (Quagliarella) | Falcinelli (Trotta) e Simy (Falcinelli)

Tops: Schick (Sampdoria) e Simy (Crotone) | Flops: Silvestre (Sampdoria) e Ferrari (Crotone)

Para confirmar um lugar na primeira parte da tabela e até para valorizar seus jogadores, a Sampdoria vinha em boa pegada nas últimas semanas, em especial por causa de Schick, que assumiu a titularidade. À Bergkamp, o talentoso atacante checo abriu o placar com um dos gols mais bonitos do campeonato, entortando o perdido Ferrari e finalizando sem chances para Cordaz. Praet acertou a trave na sequência, porém o time doriano perdeu o pique e demorou para reagir: relaxou no segundo tempo e acabou levando a virada, que mantém a equipe calabresa na briga contra o rebaixamento. São três vitórias em quatro rodadas, mas os squali ainda estão longe do Empoli, que venceu as últimas duas. Se o Crotone ainda está na briga pela salvezza, muito disso passa por Falcinelli: o atacante empatou, com seu 12º gol no campeonato, e deu passe para o grandalhão Simy novamente decidir. O nigeriano fez gol decisivo também diante do Torino, na última rodada.

Udinese 2-1 Cagliari
Perica e Angella (Perica) | Borriello (Isla)

Tops: Perica e Angella (Udinese) | Flops: Théréau (Udinese) e João Pedro (Cagliari)

Ainda em busca de um lugar entre os dez melhores do campeonato, a Udinese segue com boa pegada para terminar o ano em uma posição mais digna. No Friuli, pressionou bastante o Cagliari, perdeu pênalti com Théréau e somente com o jovem Perica chegou ao gol: o croata abriu o placar com chute de fora da área e desviou cobrança de escanteio, fornecendo assistência para o segundo, marcado por Angella. Os sardos descontaram com Borriello: o ex-Milan, Roma e Juventus tem 16 gols, e está a apenas três do seu recorde; os 19 anotados em 2007-08 pelo Genoa.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 32ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Skorupski (Empoli); Zappacosta (Torino), Cannavaro (Sassuolo), Bonucci (Juventus), Spinazzola (Atalanta); Vecino (Fiorentina); Keita (Lazio), Immobile (Lazio), El Shaarawy (Roma); Babacar (Fiorentina), Icardi (Inter). Técnico: Massimiliano Allegri (Juventus).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário