Subscribe Twitter Facebook

terça-feira, 23 de maio de 2017

37ª rodada: A maior de todas

Buffon, recordista de scudetti, ergue a taça: a Juve é hexacampeã italiana (LaPresse)
Ao menos numericamente, a atual Juventus é a maior equipe da história da Serie A. Nunca um time tinha conquistado um hexacampeonato consecutivo na Itália até os bianconeri de Antonio Conte e Max Allegri aparecerem para criar uma dinastia inesquecível. Um clã cujo líder é Gianluigi Buffon, um dos maiores vencedores de scudetti: são oito, ao lado dos também juventinos Giovanni Ferrari, Giuseppe Furino e Virginio Rosetta – seriam 10, não fossem os dois retirados por causa do Calciopoli. Acompanhe como foi a 37ª rodada de uma Velha Senhora que ainda está sedenta por títulos, num fim de semana de festa também para Atalanta, Milan e Genoa.

Juventus 3-0 Crotone
Mandzukic (Cuadrado), Dybala e Alex Sandro (Dybala)

Tops: Dybala e Alex Sandro (Juventus) | Flops: Rosi e Cordaz (Crotone)

Seis. Pela primeira vez, seis. Nunca antes na história da Serie A um clube havia conquistado seis vezes consecutivas o campeonato, e a Juventus segue quebrando recordes. Depois de mais um título da Coppa Italia, a Velha Senhora enfim festejou outro scudetto – chegando à terceira dobradinha nacional em sequência – e lotará sua camiseta da próxima temporada com insígnias relativas aos triunfos. Além disso, poderá adicionar mais "patches" ao manto bianconero, pois buscará o inédito Triplete no dia 3 de junho.

Diante de um Crotone que vinha de sete rodadas de invencibilidade em busca da salvezza, o time de Allegri não vacilou e jogou sério: assegurou a vitória já no primeiro tempo. Dani Alves, Pjanic e Dybala foram os protagonistas do controle do jogo, e Mandzukic abriu o placar atropelando - no bom sentido - o lateral Rosi e completando um cruzamento preciso de Cuadrado. No final do primeiro tempo, o próprio Dybala guardou o seu, o 10º no campeonato, em mais uma cobrança de falta espetacular. A surpresa foi Alex Sandro, que coroou sua excelente temporada e ampliou a vantagem na etapa final com gol de cabeça em escanteio de Dybala.

Chegou a haver uma brincadeira sobre a partida: dizia-se que toda a Itália torceu para o Crotone, com exceção da Calábria, terra dos crotoneses, que torceu para a Juventus. Não deixa de ser verdade, já que a concentração de bianconeri no sul da Bota é enorme e é comum que torcedores de times menores tenham a Juve como sua segunda agremiação. Bem, os torcedores do Crotone já imaginavam que não seria contra a Juventus o time sairia da zona de rebaixamento. Os calabreses vinham invictos há sete jogos, mas a reação demorou demais para acontecer e agora a tabela joga contra – ainda que os pitagóricos já tenham superado isso com grandes resultados desde abril. A equipe fechará o campeonato contra uma Lazio desfalcada, mas que, ainda assim, tem um time muito superior. Os rossoblù ainda terão que torcer contra o Empoli, que enfrenta o já rebaixado Palermo - que pode muito bem tentar levar mais um para o buraco.

Chievo 3-5 Roma
Castro (Inglese), Inglese (Birsa) e Inglese (Pellissier) | El Shaarawy (Fazio), Salah (Strootman), El Shaarawy (Strootman), Salah (Dzeko) e Dzeko (Nainggolan)

Tops: Inglese (Chievo) e El Shaarawy (Roma) | Flops: Gamberini (Chievo) e Manolas (Roma)

Acordou o Faraó. El Shaarawy caminhava para mais uma temporada sem grande destaque, mas nas últimas semanas tem sido o melhor jogador da Roma e vinha sendo vital para manter a equipe giallorossa na briga pelo scudetto. Na abertura da penúltima rodada, o ítalo-egípcio deu contribuição decisiva juntamente com seus companheiros de ataque Salah e Dzeko para evitar um fracasso contra o Chievo, que fez jogo duro contra a vice-líder e contou com ótimas participações de Castro, Birsa e Inglese.

O centroavante, aliás, provou sua qualidade nesta temporada e, com a doppietta sobre a desastrosa defesa de Spalletti chegou a 10 gols na Serie A. Agora, 31 jogadores alcançaram dois dígitos na artilharia do campeonato, um recorde no campeonato. O primeiro tempo no Bentegodi foi lá e cá, com uma chuva de gols: Castro abriu o placar, El Shaarawy empatou, Inglese recolocou os anfitriões na frente e Salah voltando a empatar antes do intervalo – ufa. Na etapa final, El Shaarawy fez o gol da virada e a porteira da defesa centenária do Chievo abriu: Salah fez o quarto e Dzeko guardou o seu para seguir na artilharia isolada do certame, com 28 tentos. Deu tempo até para Inglese marcar pela segunda vez em mais um jogo de muitos gols na Serie A mais cheia de redes balançando dos últimos anos.

Napoli 4-1 Fiorentina
Koulibaly, Insigne (Mertens), Mertens e Mertens | Ilicic (Tello)

Tops: Mertens e Insigne (Napoli) | Flops: Tatarusanu e Rodríguez (Fiorentina)

Dono da maior invencibilidade atual (11 rodadas), o Napoli não deu chance para o azar contra a Fiorentina e dominou completamente o time toscano. Afinal, a equipe sabia que não poderia vacilar depois da vitória da Roma mais cedo, uma vez que ainda está em busca do segundo lugar e da vaga direta na fase de grupos da Liga dos Campeões. Diante da desorganizada defesa viola, o time de Sarri nem mesmo precisou ter a bola, como habitual, e aproveitou também as entregadas de Tatarusanu. Como não poderia deixar de ser, Mertens mais uma vez foi o protagonista de mais uma goleada napolitana e encostou em Dzeko na busca da artilharia – agora tem 27 gols, graças à doppietta no sábado. Entre erros na bola parada, saída de jogo e falhas do goleiro, a Fiorentina do San Paolo foi o retrato do que foi em toda temporada: bastante decepcionante. O quase desaparecido Ilicic foi o único a causar algum desconforto aos anfitriões, inclusive marcando o único gol da equipe. Antes, Koulibaly aproveitou rebote em escanteio para abrir o placar, Insigne ampliou, após erro de Cristoforo, e Mertens fez o terceiro após outro escanteio e falha de Tatarusanu. O belga voltou a se redimir do gol incrível perdido no início do jogo em boa trama com Hamsík e aproveitando novo rebote.

Sobrou até para Allegri na festa da campeã (Getty Images)
Empoli 0-1 Atalanta
Gómez (Freuler)

Tops: Gómez e Masiello (Atalanta) | Flops: Maccarone e Pucciarelli (Empoli)

Em festa pela convocação inédita para a seleção principal da Argentina, Papu Gómez conduziu a Atalanta para sua 20ª vitória no campeonato. Seu time segue batendo recordes, assegurou matematicamente a vaga inédita na fase de grupos da Liga Europa e ainda tentará ficar com a quarta posição na Serie A – o que seria sua melhor colocação na história. Artilheiro, capitão e melhor jogador nerazzurro, o camisa 10 chegou a 15 gols no campeonato (recorde na sua carreira), com um belo chute de fora da área. Este foi o único gol do jogo, já que Skorupski fez quatro defesas para evitar que os bergamascos ampliassem e Masiello fez dois cortes em cima da linha, tirando o gosto do empate do Empoli. A equipe azzurra segue na briga contra o rebaixamento, com apenas um ponto de vantagem para o Crotone: enquanto os calabreses terão a Lazio em casa na última rodada, os toscanos visitam o Palermo na Sicília. Na última rodada, a Atalanta recebe o Chievo, em Bérgamo, e tem boas chances de conseguir seu enorme feito, já que os laziali estão bastantes desfalcados e enfrentam um adversário cheio de gás.

Milan 3-0 Bologna
Deulofeu (Mati Fernández), Honda e Lapadula (Mati Fernández)

Tops: Deulofeu e Mati Fernández (Milan) | Flops: Mirante e Destro (Bologna)

De uniforme novo, o Milan precisava de uma vitória para assegurar matematicamente a vaga na Liga Europa. E assim foi, mas depois de muito drama. Mais uma vez com três zagueiros, o time de Montella atacou bastante, mas teve contra si a falta de pontaria de Lapadula, que perdeu quatro oportunidades em 30 minutos. Além disso, contaram negativamente a pequena participação de Bacca e o fato de Deulofeu, escalado como ponta do 3-5-2, atuar muito longe do gol. Somente no segundo tempo, depois das entradas de Mati Fernández e Honda, a equipe conseguiu chegar ao gol. Primeiro com Deulofeu em boa jogada de Pasalic e Fernández, e na sequência com Honda, que se despediu dos rossoneri com um gol em cobrança de falta. Já nos acréscimos, em mais uma assistência de Mati, finalmente Lapadula foi às redes. No final da partida, Montella foi aos braços dos jogadores para comemorar o retorno à Europa depois de três temporadas.

Lazio 1-3 Inter
Keita (pênalti) | Andreolli (Perisic), Hoedt (contra) e Éder

Tops: Santon e Andreolli (Inter) | Flops: Vargic e Hoedt (Lazio)

Não havia muito em jogo entre Lazio e Inter, e o reflexo disso foi uma partida muito fraca tecnicamente e com poucas emoções. Ainda assim, as equipes protagonizaram outra partida com muitos gols e com duas expulsões do lado dos anfitriões. De início, o jogo foi inteiro dos laziale, que chegaram ao gol através de pênalti cobrado por Keita – Murillo, autor da falta e amarelado, acabou lesionado no lance e deu lugar a Santon. Na formação com três zagueiros de Vecchi, dois eram laterais, e a cria de Interello acabou fazendo grande partida após quatro meses sem jogar. Aos trancos e barrancos, sem qualquer qualidade, os visitantes empataram com outra cria nerazzurra, o veterano Andreolli, com cabeceio firme em escanteio de Perisic. E pouco depois, dessa vez em jogada do ex-laziale Candreva, Hoedt colocou contra seu próprio gol. Entre perdas de posse e poucos ataques, o jogo se encaminhou assim até o final, e se Immobile acertou a trave, do outro lado Lombardi precisou salvar em cima da linha. Éder finalmente marcou depois de algumas oportunidades desperdiçadas, aproveitando mais uma falha adversária, e deu números finais ao amistoso de luxo.

Genoa 2-1 Torino
Rigoni (Miguel Veloso) e Simeone | Ljajic

Tops: Miguel Veloso e Simeone (Genoa) | Flops: Hart e Belotti (Torino)

Depois do susto contra o rebaixado Palermo, o Genoa não voltou a decepcionar sua torcida e conquistou a salvezza mais tarde do que o planejado. O time de Juric não teve grande desempenho, mas fez o bastante para conseguir a vitória contra um cabisbaixo Torino, que não reagiu nem mesmo para ajudar Belotti, que está sem marcar há quatro rodadas (um mês) e ficou de fora da briga pela artilharia da Serie A. Rigoni surgiu livre na primeira trave para desviar cruzamento de Miguel Veloso e abrir o placar no primeiro tempo, enquanto Simeone voltou às redes depois de mais de um mês para fazer o gol da vitória. Ljajic descontaria no final do jogo em mais um gol de falta, seu terceiro (de dez ao todo) no campeonato.

Udinese 1-1 Sampdoria
Théréau (Zapata) | Muriel (pênalti)

Tops: Théréau (Udinese) e Muriel (Sampdoria) | Flops: Danilo e De Paul (Udinese)

O que esperar de um jogo sem nada em disputa? Cenas lamentáveis, é claro. A partida em si não teve muitas faltas e encontros, e foi jogada em ritmo lento por sua equipes sem objetivos no campeonato há meses. No entanto, tivemos três expulsões e brigas em campo e no vestiário. De Paul foi expulso logo depois do intervalo, deixando a Udinese com um a menos depois de ter aberto o placar logo no início com Théréau, o 12º do veterano francês. A reação da Sampdoria tardou e o empate veio somente após a expulsão, com gol de pênalti de Muriel. Ex-promessa da Udinese, o colombiano comemorou o gol provocando a torcida e o capitão bianconero Danilo foi tirar satisfação com o atacante, o segurando pelo pescoço. O jovem árbitro Pinzani prontamente expulsou ambos, mas a confusão seguiu no vestiário. Em campo, aparentemente nenhum dos times estava com vontade em seguir jogando e a partida se encaminhou assim até o apito final.

Sassuolo 6-2 Cagliari
Magnanelli (Berardi), Berardi, Politano (Berardi), Borriello (contra), Iemmello (pênalti) e Matri (Lirola) | Sau (Isla) e Ionita (Tachtsidis)

Tops: Magnanelli e Berardi (Sassuolo) | Flops: Rafael e Borriello (Cagliari)

Que hora para o Sassuolo acordar. Em uma temporada decepcionante, depois de muita expectativa sobre sua primeira experiência na Europa e a sequência do bom desempenho em 2015-16, os neroverdi tiveram meses de má fase, especialmente após a lesão de Berardi, mas agora tem a segunda maior série de invencibilidade (sete rodadas). Contra a desastrosa defesa do Cagliari, segunda mais vazada do campeonato, o ataque do time de Di Francesco fez a festa e protagonizou mais uma goleada. Berardi aproveitou para aumentar em mais alguns milhões a sua avaliação de mercado, e participou dos três primeiros gols, que saíram com pouco mais de dez minutos. Magnanelli abriu o placar em chute de fora da área após escanteio rasteiro, Berardi aproveitou erro do goleiro Rafael para ampliar e Politano fez o terceiro, sempre de fora da área e em passe de Berardi. Sau descontou para os visitantes aos 25, mas pouco depois o artilheiro Borriello desviou cobrança de falta de Sensi e matou Rafael. A festa não tinha acabado e o atacante voltou a protagonizar outro lance contra seu time, fazendo pênalti, que foi convertido por Iemmello. Na cobrança de falta de Tachtsidis, Ionita voltou a descontar para os sardos. E se Magnanelli salvou o terceiro gol visitante, Matri ampliou já no final em cruzamento de Lirola.

Pescara 2-0 Palermo
Muric (Caprari) e Mitrita (Brugman)

Tops: Fiorillo e Caprari (Pescara) | Flops: Bruno Henrique e Aleesami (Palermo)

O único lugar em que você vai ler algo em português sobre essa partida será aqui. A partida entre os dois rebaixados não valia nada além da honra do Pescara, que queria vencer seu último jogo em casa para se despedir da Serie A com alguma dignidade. E isso aconteceu, com gols de Muric e Mitrita. Fim.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 36ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Scuffet (Udinese); Daniel Alves (Juventus), Masiello (Atalanta), Koulibaly (Napoli), Alex Sandro (Juventus); Mati Fernández (Milan), Magnanelli (Sassuolo); Berardi (Sassuolo), Mertens (Napoli), El Shaarawy (Roma); Dzeko (Roma). Técnico: Maurizio Sarri (Napoli).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário