Subscribe Twitter Facebook

segunda-feira, 29 de maio de 2017

38ª rodada: O discurso do rei

Foi lindo enquanto durou: Totti se despediu da Roma neste fim de semana (Ansa)
Despedidas são sempre emocionantes e as lágrimas não poderiam deixar de rolar antes, durante e depois da última partida de Totti e do emocionante discurso do oitavo rei de Roma. Por isso, chorosos, trazemos poucas palavras na introdução do resumo desta rodada. O fim de semana teve como destaques, além das homenagens ao Pupone, a classificação da Roma para a fase de grupos da Liga dos Campeões e do Napoli para os play-offs, o recorde da Atalanta e a salvação do Crotone, com a consequente queda do Empoli para a Serie B.

Roma 3-2 Genoa
Dzeko, De Rossi (Dzeko) e Perotti (Dzeko) | Pellegri (Lazovic) e Lazovic (Laxalt)

Tops: Dzeko (Roma) e Lazovic (Genoa) | Flops: Manolas e Salah (Roma)

Certos amores não terminam nunca, mesmo que a passagem de uma etapa para outra seja marcada por um rio de lágrimas. A despedida de Totti, é claro, merece um destaque à parte (leia sobre a última partida do capitão aqui e aqui), mas foi ela que dominou o pano de fundo da partida contra o Genoa. Afinal, o oitavo rei de Roma não poderia deixar a equipe da Cidade Eterna com uma derrota ou um resultado que não garantisse os giallorossi na fase de grupos da Uefa Champions League. Para os romanistas, na medida do possível, a saga de Totti como jogador do clube foi concluída com um final feliz. Afinal, como deixou claro a Curva Sud, "Totti é a Roma".

O choro dos torcedores nas tribunas era o termômetro do estado emocional de todos os romanistas do Olímpico. A desatenção dos jogadores ficou nítida diversas vezes, como nos gols do jovem Pellegri (primeiro atleta nascido em 2001 e o terceiro mais jovem de toda a história anotar na Serie A) e de Lazovic, ou quando o sérvio obrigou Szczesny a desviar no susto e apenas torcer para a pelota se chocar com a trave. De Rossi, o capitão futuro (agora, presente), também sentiu a despedida do grande amigo e parece ter ganhado confiança apenas a partir da entrada de Totti, já na segunda etapa: foi do volante o gol da virada, graças a um passe de Dzeko. O artilheiro do campeonato, com 29 gols, decidiu a partida, já que deixou o dele, no primeiro tempo, e ainda ajeitou a bola para Perotti classificar a Roma para os grupos da UCL, aos 89 minutos. A catarse, no entanto, ficaria guardada para a homenagem a Totti, minutos depois – confira aqui a cobertura completa.

Sampdoria 2-4 Napoli
Quagliarella (Schick) e Álvarez (Schick) | Mertens, Insigne (Hamsík), Hamsík (Callejón) e Callejón (Insigne)

Tops: Insigne e Hamsík (Napoli) | Flops: Barreto e Regini (Sampdoria)

O Napoli fez o máximo que pode, mas não conseguiu a vaga direta na Liga dos Campeões e terá de enfrentar os play-offs de acesso ao torneio. Ao menos, a torcida pode valorizar mais uma vez o grande futebol da equipe treinada por Sarri, que simplesmente atropelou mais uma adversária – desta vez a Sampdoria, em pleno Marassi. Os partenopei chegaram a incríveis 86 pontos e 94 gols na temporada graças a seu quarteto ofensivo mais uma vez: Callejón, Hamsík, Insigne e Mertens, cada um deles deixou um golzinho.

A farra começou com o belga, que chegou aos 28 na Serie A e foi o vice-artilheiro da competição, e seguiu com uma pintura de Insigne (ele encobriu Puggioni de fora da área) e um gol de cabeça de Hamsík. Quagliarella até descontou, com a lei do ex, mas Callejón restabeleceu a tranquilidade para os napolitanos. No final, sobrou tempo para Álvarez diminuir e para o torcedor do Napoli se perguntar: o que seria conquistado se o time tivesse jogado assim antes de dezembro e não tivesse demorado a se achar após a lesão de Milik?

Crotone 3-1 Lazio
Nalini (Rohdén), Falcinelli (Barberis) e Nalini (Ferrari) | Immobile (pênalti)

Tops: Nalini e Falcinelli (Crotone) | Flops: Bastos e Felipe Anderson (Lazio)

A grande história de superação da reta final da Serie A teve final feliz: contra todos os prognósticos, o pequeno Crotone ratificou o crescimento das últimas rodadas e conseguiu escapar do rebaixamento. Os calabreses somaram míseros nove pontos no primeiro turno e chegaram à 28ª rodada fadados ao descenso, com 14 pontinhos e segurando a penúltima posição, mas dali em diante só perderam para a campeã Juventus e alcançaram a salvezza.

No histórico jogo contra a Lazio – a sexta vitória nos últimos nove jogos –, o destaque foi o esterno Nalini, mas não poderia ter faltado o gol do bomber Falcinelli. O ex-atacante do Sassuolo balançou as redes 13 vezes na temporada, foi o grande responsável pelo milagre pitagórico e, na despedida, jogou com mais fome do que Immobile, Felipe Anderson e todo o time laziale somado. O técnico Davide Nicola prometeu: cruzará a Itália de bicicleta e só vai parar em Turim, quase 1300 quilômetros distante de Crotone. Será um esforço certamente inferior ao empregado para a salvação dos squali em sua primeira participação na elite.

Palermo 2-1 Empoli
Nestorovski (Rispoli) e Bruno Henrique | Krunic (Thiam)

Tops: Nestorovski e Fulignati (Palermo) | Flops: Maccarone e Dioussé (Empoli)

"Se eu cair, eu levo você junto". Poderia ser uma ameaça do cacique político Eduardo Cunha, mas é mesmo uma metáfora para o papel do Palermo na última rodada da Serie A. Já rebaixado, o time siciliano jogou com seriedade perante sua torcida e venceu o Empoli, que acabou amargando o retorno à segundona após três temporadas. A aposta no estreante técnico Martusciello para comandar um elenco inferior ao que Sarri e Giampaolo tiveram à disposição era arriscada e a conta acabou chegando nas rodadas finais. Neste período, as vitórias contra Fiorentina e Milan, fora de casa, foram um oásis diante de tantos resultados negativos. A salvezza chegou a ser dada como muito provável, mas o crescimento do Crotone não recebeu dos toscanos uma resposta à altura.

No Renzo Barbera, a equipe se mostrou muito pressionada e cometeu muitos erros na cara do gol, sobretudo com Maccarone, e também parou no jovem goleiro Fulignati. Atrás, o jovem volante Dioussé também cometeu um erro cabal e permitiu a Bruno Henrique fazer o gol que decidiu a peleja, por cobertura. A reconstrução dos azzurri na segundona será mais delicada que a dos rosanero.

Atalanta 1-0 Chievo
Gómez (Cristante)

Tops: Gollini e Cristante (Atalanta) | Flops: Birsa e Inglese (Chievo)

Bravo, Atalanta. A equipe bergamasca já havia garantido seu retorno à competições continentais após mais de 20 anos de ausência, mas a rodada final ainda lhe reservou uma alegria a mais. Com 72 pontos, a Dea ficou com a quarta colocação da Serie A, a melhor da história centenária do clube. A vitória que definiu o recorde da equipe de Gasperini teve direito a boa parte dos ingredientes que fizeram a receita do treinador ser saboreada pela torcida: gol do decisivo Papu Gómez e atuações sólidas de Rafael Tolói e Caldara na defesa. Vale destacar ainda a participação de Cristante, que substituiu Gagliardini no segundo turno e manteve a eficiência do seu antecessor como regista da equipe, e as defesas vitais do goleiro Gollini, que respondeu bem quando foi chamado em causa.

A noite foi uma criança na Calábria: o Crotone conseguiu uma milagrosa salvação e jogará a próxima Serie A (Getty)
Bologna 1-2 Juventus
Taïder | Dybala e Kean (Pjanic)

Tops: Taïder (Bologna) e Dybala (Juventus) | Flops: Destro (Bologna) e Cuadrado (Juventus)

Time misto para o penúltimo jogo da temporada. Em vista da final da Liga dos Campeões, Allegri resolveu dar descanso para algumas peças importantes da Juventus e espaço a alguns jovens, como o goleiro Audero e o atacante Kean. O jogo foi morno, mas o Bologna tinha algum interesse na partida: afinal, fechar a Serie A com uma vitória diante de sua torcida e justo contra a hexacampeã não seria nada mal. O time do Renato Dall'Ara começou assustando e até abriu o placar, no segundo tempo, graças a um belo chute de fora da área de Taïder.

Só que a Juve não queria perder e retomou a carga depois do gol sofrido. Dybala quase anotou um lindo gol, mas Da Costa voou para fazer uma defesaça. O brasileiro, porém, não conseguiu evitar o empate logo na sequência e, após soltar uma finalização de dentro da área, viu La Joya conferir no rebote. Nos acréscimos, o italiano de origem marfinense Kean aproveitou um cruzamento de Pjanic para fazer o gol do triunfo bianconero e entrar para a história. O juventino foi o primeiro jogador nascido em 2000 a balançar as redes na Serie A – feito superado pelo genoano Pellegri no dia seguinte.

Cagliari 2-1 Milan
João Pedro (Borriello) e Pisacane | Lapadula (pênalti)

Tops: Crosta e João Pedro (Cagliari) | Flops: Bacca e Paletta (Milan)

Na partida de adeus ao antigo estádio Sant'Elia – que será demolido e reformado –, o Cagliari dominou um Milan já de férias e fechou a temporada em uma honrosa 11ª posição. Por sua vez, Honda e Bacca tiveram um gosto amargo no dia em que se despediam do Milan: o japonês, que já teve saída confirmada, usou a faixa de capitão e não foi bem, enquanto o colombiano, cotado para sair, perdeu pênalti. Paletta, que continuará em Milanello, fez mais uma das suas: expulso pela quinta vez na temporada, adicionou este recorde a sua carreira.

Se o final do campeonato não foi tão feliz para os rossoneri – apesar da vaga na Liga Europa –, o Cagliari teve sinais de esperança. A começar pelo brasileiro João Pedro, que foi fundamental para a vitória e fechou em alta uma temporada em que sofreu séria lesão. Outra grande história é a do lateral Pisacane: jogou improvisado na zaga com Deiola e Tachtsidis e anotou o gol do triunfo. Logo ele, que denunciou uma tentativa de manipulação de resultados e superou a síndrome de Guillain-Barré para poder jogar futebol. Outro destaque necessário fica por conta da juventude sarda: o goleiro Crosta, ex-reserva de Donnarumma e emprestado pelo Milan, fez defesas importantes e até defendeu pênalti cobrado por Bacca. No ataque, o norte-coreano Han entrou bem mais uma vez e infernizou a defesa do Diavolo, tendo até um gol anulado.

Inter 5-2 Udinese
Éder (Santon), Perisic (Éder), Brozovic (Éder), Éder (Perisic) e Angella (contra) | Balic e Zapata (Felipe)

Tops: Perisic e Éder (Inter) | Flops: Angella e Widmer (Udinese)

As vitórias tranquilas da Inter sobre Lazio e Udinese, na "saideira" do Campeonato Italiano, deixaram para trás a série de dois empates e seis derrotas em oito partidas, mas tiveram efeito ainda mais importante: tornaram evidente um enorme problema na preparação psicológica da equipe. Nos últimos anos, a equipe nerazzurra tem sido extremamente frágil em momentos de pressão e foi isso que, mais uma vez, levou a Beneamata a não garantir vaga em competições europeias. Quando os jogadores estão relaxados, o elenco rende bem e mostra sua qualidade – o atropelo sobre a Udinese, uma de suas asas negras, mostrou isso mais uma vez. Éder e Perisic (provável sacrificado pelo clube no próximo mercado) pintaram e bordaram contra a defesa friulana e construíram a goleada antes mesmo dos 50 minutos de jogo. Mais tempo para que Palacio pudesse jogar e se despedir da torcida com dignidade – o goleiro Carrizo também fez seu último jogo pelo clube.

Torino 5-3 Sassuolo
Boyé, Baselli (Belotti), De Silvestri (Baselli), Falqué e Belotti (Obi) | Defrel, Defrel (Politano) e Defrel (pênalti)

Tops: Belotti (Torino) e Defrel (Sassuolo) | Flops: Moretti (Torino) e Biondini (Sassuolo)

Um jogo para acompanhar com uma vasilha cheia de pipoca e uma cervejinha. Sem pressão por resultados, Torino e Sassuolo colocaram em prática seu futebol bem jogado e ofensivo e realizaram partida movimentadíssima – um verdadeiro espetáculo. Em dia de desatenções da retaguarda dos dois times, melhor para os goleadores. Belotti teve atuação de muita luta e foi premiado com o fim do jejum de gols e uma assistência: com 26 gols no campeonato, igualou marca sexagenária de Benjamín Santos, último grande goleador do Torino na Serie A. O francês Defrel, pelo lado neroverde, também teve noite de gala e, graças a uma tripletta, fechou o Italiano com 12 gols. Outros destaques foram Baselli, que comemorou convocação para a Nazionale com sólida atuação no meio-campo, gol e assistência, e as prováveis últimas partidas de Berardi e Di Francesco pelo Sassuolo: estão destinados a voos maiores.

Fiorentina 2-2 Pescara
Saponara (Babacar) e Vecino | Caprari (Verre) e Bahebeck (Caprari)

Tops: Borja Valero (Fiorentina) e Caprari (Pescara) | Flops: Tomovic (Fiorentina) e Campagnaro (Pescara)

Nem mesmo no último jogo em casa de 2016-17 a Fiorentina conseguiu dar real alegria a seus torcedores. A equipe violeta ia protagonizando mais um vexame em sua melancólica temporada até o ingresso em campo de Borja Valero, que evitou a derrota para o rebaixado e lanterna Pescara. A equipe visitante contou com um Caprari em ótima forma para abrir 2 a 0, graças a gol e assistência do talento romano, mas o carequinha espanhol manteve a tranquilidade para conduzir os toscanos ao empate. Mesmo com um a menos por causa da expulsão de Chiesa, a Fiorentina pressionou, manteve a posse de bola e marcou duas vezes, graças a finalizações precisas de Saponara e Vecino – poderia até ter vencido, não fosse o gol perdido por Saponara frente ao goleiro Fiorillo. As despedidas do técnico Paulo Sousa e do capitão Gonzalo Rodríguez não foram tão amargas assim, portanto.

*Os nomes entre parênteses nos resultados indicam os responsáveis pelas assistências para os gols

Relembre a 37ª rodada aqui.
Confira estatísticas, escalações, artilharia, além da classificação do campeonato, aqui.

Seleção da rodada
Crosta (Cagliari); Pisacane (Cagliari), Rafael Tolói (Atalanta), Ferrari (Crotone); Nalini (Crotone), Baselli (Torino), Hamsík (Napoli), Perisic (Inter); Éder (Inter), Dzeko (Roma), Insigne (Napoli). Técnico: Maurizio Sarri (Napoli).

A Liga Serie A disponibiliza os melhores momentos da rodada em seu canal oficial. Veja os melhores momentos dos jogos abaixo.

Seja o primeiro a comentar

Postar um comentário